quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

"Quando o silêncio é de ouro!..."


Incrível como o silêncio é imprescindível! Não aquele de horas e horas de solidão, ou aquele em que não temos o que contar alegremente para o outro, mas o silêncio do "encontro" !
   Quando por 30' vamos meditar, ou fazer um Reiki,ou tirar aquele famoso cochilo que os homens tanto gostam, para o "encontro" com nossa tranquilidade interior e ficar mais centrados... Avisamos às pessoas:
" Vou meditar um pouquinho" e é o suficiente.
   Quando estamos escrevendo ou num processo criativo, precisamos do relativo silêncio para encontrar as idéias e palavras adequadas. Perdemos a inspiração se somos interrompidos pelo som alto da TV a repetir seguidamente e em tom sensacionalista, as notícias de crimes,mortes,acidentes.
  Quando estamos lendo, é o relativo silêncio que possibilitará a compreensão e o "encontro" com o autor, ou com a gente mesmo se queremos refletir. E quando principalmente trabalhamos em casa,precisamos algumas vezes do relativo e piedoso silêncio, quando por exemplo, em meio a tantas contas e números, precisamos ir ao "encontro" de um erro, uma diferença. E se alguém nos interrompe, neste momento, faz muita diferença a forma como a pessoa consegue ( ou não ) aceitar nosso pedido de ter uns minutos de paciência, para que possamos finalizar nosso trabalho de horas, de modo eficiente. Se a pessoa que nos interrompe, sente que precisa ter suas necessidades atendidas sempre prontamente e não tem paciência para esperar, exercendo pressão com outros barulhos, ou com insistência, nos sentimos agredidos. E se este comportamento se repete, quando a gente encontra um desafio inesperado pela frente no trabalho, e está com o tempo justo para terminar, por vezes acorre algo muito desagradável. A gente já fica tenso, quando a pessoa se aproxima, a mente fica bloqueada e sentimos desconforto com a presença da pessoa que assim nos pressiona, mesmo que quiséssemos evitar este sentimento. E, se a pessoa não se dá conta disto, é bem possível que, com o tempo nos sintamos violentados, de certa maneira. Este "desencontro" é uma pena e poderia ser evitado!
   Quando a gente trabalha em casa, é claro que se sabe que é necessária a Tolerância de ambos! Nada é tão importante assim, que não possa ser interrompido, para recebermos com um sorriso o outro, que vem nos dizer que está com fome, ou pedir uma ajuda no computador. Ninguém deve fazer o outro,escravo de seus caprichos, seja o interrompendo desrespeitosamente, seja esquecendo-se dele! Sabemos que, aquele que estiver num "momento criativo", por exemplo, facilmente se esquecerá do tempo, da fome e do outro! Mas, é sempre o bom senso e, na minha opinião a amizade e o respeito que sinalizará os limites. O que interrompe deve vir manso e o que é interrompido, deveria estar disponível a ouví-lo, pois com amizade e respeito, o carinho virá junto com estas atitudes. Então, além de termos prazer com a presença do outro, teremos um "encontro" verdadeiro entre duas individualidades.
   Hoje eu estava no meu quintal à tardinha, lendo e percebi como estes momentos de silêncio tem me feito bem! Não ser interrompida abrupta e insistentemente é muito bom...nos permite uma atitude mais ponderada e tranquila. O contrário me deixa nervosa.
   Bem, e como eu, que gosto do silêncio posso estar a escrever tantas palavras?? hehehe..... é que escrever ocupa muito espaço, mas em compensação, deixo ao outro a liberdade para ler em tom manso, no volume que quiser, no seu ritmo e no momento mais oportuno. rs......................
  Não sei se é o "silencio que é de ouro" ou o mais importante é o respeito, amizade, tolerância e bom senso.
Acho que uma mistura de tudo seria o ideal, não acham?


Fotos e texto: Vera Alvarenga

domingo, 26 de dezembro de 2010

"Meu presente chegará atrasado...."

Final de ano. Por segundos, deixei rodar o filme do balanço anual,  e as cenas passaram rapidamente, como acontece quando faço retrospectos do passado.Observei apenas as sensações do saldo que ficou.
Sentimentos muito fortes e opostos estiveram presentes neste ano, mas isto não me surpreende. Aceito e sinto a vida com seus movimentos. A tentativa de adaptação ou de convivência com opostos que nem sempre se complementam da forma como gostaríamos, o sonhar com o que não temos, o tentar alcançar este sonho transformando-o em realidade palpável - é a nossa forma de participar desta dança, em que o destino está sendo construído conforme nossas crenças e modo de reagir, mesmo diante do imprevisto.
E neste movimento,este ano deparei-me com lições bem difíceis, alguma aprendi, outras não. Encarei uma mudança de cidade e residência. Diante disto, revi, me orgulhei de minha coragem e disposição para enfrentar o novo, com atitudes criativas e de fé. Dei de cara com as consequências por decidir considerar meus limites diante da realidade que estava inaceitável, tudo porque ainda me debato na luta por manter coerência entre palavras, gestos e sentimentos. Cometi pecado semelhante ao daquele que, tendo consciência do que está acontecendo e um vislumbre do que poderia ser, resolve "contestar" o que há anos está estabelecido.
     Sonhei, desejei e acreditei que seria possível transformar meu sonho gentil e amoroso, numa realização. A partir daí, o equilíbrio se perdeu, veio a culpa e a raiva, e seu peso depende geralmente de como conseguimos nos conformar com o que tínhamos, ou ainda do quanto cobramos de nós mesmas a perfeição de viver conforme a verdade. Sentir raiva foi ruim,mas me ensinou sôbre mim mesma!
   A despeito da minha crença de que ninguém é perfeito e tudo vale para manter a família unida, e ainda apesar de eu saber por experiência, que prefiro manter uma dança a dois para o ritmo da vida,tomei a decisão de uma nova caminhada sozinha a partir dali! Susto e loucura total, diante das circunstâncias precárias! Mas isto não ocorreu. Então, vivi como tantos, aquele momento em que afastamos qualquer ilusão para nos adaptar com sinceridade e nos esforçar para que tudo dê certo! Devo reconhecer que falhei desta vez, porque meu coração não estava mais lá, como antes.
   Quase sucumbi, em meio a uma imensa tristeza que parecia que ia me engolir, porque me assustava sobremaneira, como em poucas vezes na vida, não estar sendo coerente com minha capacidade de sentir amor.Neste mesmo instante uma incoerência maior! Quando tudo parecia morte, fui resgatada surpreendentemente pela vida - um desejo mil vezes mais poderoso do que tudo o mais, a descoberta da esperança de uma nova chance de viver o amor com mais responsabilidade, alegria,cumplicidade e respeito - apaixonei-me por esta idéia - o apaixonamento e o amor são o único poder superior à morte! E se eu estava meio morta, minha outra metade era desejo de amor e vida! Isto foi a coisa mais bela e forte que senti nos últimos anos, e já desisti da culpa ou de compreender racionalmente tudo o que motivou este encantamento. Apenas, agora convivo com isto.
   No último mes, estou vivendo a espera da sentença que decidirá sôbre tudo o que consegui manter de patrimônio material de uma vida de quase 39 anos! O próximo ano, me deixa ansiosa, mas não me assusta mais do que este que passou. Neste momento sinto que ainda sonho e abraçarei a oportunidade que tiver de ser feliz, pois o mal que já estiver estabelecido permanecerá independente de minha ação, mas o bem que puder ser construído por duas pessoas que decidem fazer isto com comprometimento, será abençoado. Será meu, isto aprendi, apenas o que for a mim oferecido, ou o que eu puder colher da árvore que plantei no quintal do meu coração. E o coração é livre,só pertence a seu dono.
   Então, neste último olhar que dou para o ano que termina, não posso dizer que estou feliz porque espero ainda a conclusão de 2 assuntos- o da minha casa, e o do meu amor. Contudo estou feliz por ter vivido intensamente e com intenção de ser fiel ao que acredito que pode me fazer levantar com dignidade, qualquer que seja o resultado. Se eu perder minha casa, ainda terei meu amor...se este não puder jamais se concretizar como o presente que pedi a Deus, ainda terei a capacidade de amar dentro do peito, a pulsar e que fluirá em pequenos gestos, durante o resto da minha vida.
  Agradeço ao meu marido, companheiro de 40 anos, pelo desejo de fazer dar certo, pois reconheço que também enfrentou com nobreza as últimas mudanças em si mesmo e em mim. Abraço, em pensamento as pessoas que me ofereceram pequenos gestos de amor,àquelas pessoas que me ensinaram algo e aquela que escolheu confiar em mim e compartilhar alguns sentimentos que estavam guardados em seu coração, que algumas vezes me disse que sou importante e faço parte de sua vida(sempre que esta pessoa precisar,estarei ao seu lado e torcendo por ela). Isto me proporcionou momentos de ternura, pelos quais serei grata, e que me fazem sorrir confiante de que ... no próximo ano, tudo será melhor e que, "se Deus permitir", terei algo belo para receber de presente...de Papai Noel ( ou do Papai do Céu).

Texto e foto: Vera Alvarenga

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

" Se sou importante pra você,deixe seu coração falar comigo!..."

Que as palavras não sejam grades, a nos aprisionar. Que possamos olhar ao redor e ver as outras alternativas para livres voar, acompanhados bem de perto pela pessoa que escolhemos,e também nos escolhe para desfrutar da visão do mundo! Duas pessoas que se gostam muito,sempre descobrem um lindo modo de amar.
Um amigo virtual em seu post contava sentir-se incompetente, para definir em palavras, a mulher. Mesmo assim, nos dirigiu carinhosas palavras.
Realmente nós, mulheres, gostamos que "palavras" venham nos contar dos sentimentos que o nosso amado tem por nós. É fato. Contudo, não é algo que deva preocupar ou limitar. Eu, como mulher, venho lhe dizer:
   ... se você pensa que está complicado encontrar modos de me compreender e dizer isto em palavras, não se preocupe. Na verdade, não quero definições...rs.... Basta que deixe seu coração falar e mostrar-se, pois só então poderei saber o que sente de verdade. Eu disse deixar o coração falar, e não a mente, pois o coração não mentirá! Pergunte ao seu coração!
   Às vezes, posso estar cansada de tentar adivinhar/interpretar seus sentimentos e sinais,com medo de fazê-lo erradamente; então tentarei me afastar e você me conta que faço falta. Nós, mulheres, pedimos a vocês que nos dêem o presente de um gesto e uma palavra coerente com ele, que demonstre com todas as letras,seu carinho por nós e que diga que você nos quer em sua vida!
    Sim, eu quero isto, porque esta atitude me alimenta, me diz que posso continuar te querendo carinhar, é como cuidar bem de um vaso, colocar vitaminas... nos faz "florir", pisar em nuvens, nos torna mais doces e macias. Bastam poucas palavras...mas atenção! Coloque junto o mesmo significado no olhar, no sorriso quando chego até você com meu jeito simples querendo contar algo que talvez traga mais luz ao seu dia,nas atitudes em frente aos amigos comuns, e então, garanto, ninguém notará que o homem não sabe descrever em palavras, o que somos!! Aliás, alguns escritores até o fazem, e muito bem! Você não precisa ser meu escritor predileto, mas o meu amor...aquele que ilumina o meu dia e que me deixa iluminar o seu! 
    E se eu não for até você, venha me buscar, talvez eu esteja precisando de sua mão firme a me dar um impulso, talvez eu tenha medo de não ser correspondida. Se você for o homem que quero espontâneamente amar, nenhuma definição de mim mesma seria melhor do que algumas poucas palavras, acompanhadas de um gesto ou sorriso no olhar, como:
    -"Minha querida, como gosto de estar com você! Vem comigo...(me escuta, quero te contar uma coisa"...) Estarei com você sempre, se puder acreditar que a coerência existe. E tudo na vida de ambos poderia receber um significado maior, como uma plantinha que cresce protegida e recebendo luz do sol!
    - "Você sabe que eu te amo? ( te gosto muito, te adoro")..qualquer destes sinônimos,acompanhados do gesto real de buscar nossa presença ou recebê-la com disponibilidade verdadeira, bastaria. 
Qualquer palavra amorosa que demonstre, junto com o olhar ou gesto, que sou importante para você de um modo especial, único,é o que importa! Poucas palavras e gestos claros, que não deixem dúvidas! Isto você homem, que é por natureza objetivo, sabe fazer quando quer! Deixe claro, como se fosse numa reunião de negócios, em que sua empresa e futuro estivessem em jogo, como você está empenhado em fazer dar certo isto, que entre nós existe e é tão fundamental! Simples assim! ( ou você acha que viver a alegria de termos um coração a nos aconchegar, não é importante?) Fazer parte de seus sonhos..ouvindo-o dizer: -"quando puder, nós vamos.." Quando você quiser dizer palavras, pergunte-se o significado de "nós" ou da frase  "quero você na minha vida, ao meu lado,tanto quanto quero estar também na sua". Ou ainda: -"se eu a quero comigo, sei que não sou mais "apenas eu e meus interesses somente"... e pronto, tudo o mais virá, naturalmente!
    Homens e mulheres, caminhando de mãos dadas, e se cuidando, e se carinhando mutuamente, de verdade, sem pudores, sem deixar para amanhã ( pode ser tarde, pode ser triste), curando suas feridas, acalentando seus sonhos, mesmo que tenham de esperar para realizar alguns deles, mas sabendo estar juntos, aí está o segredo para plantar e manter florescendo para sempre, o amor verdadeiro, o que trará alegria ao coração de ambos, o resto ? São palavras, palavras apenas... até que um dia você decida transformá-las em algo mais do que isto!


Fotos e texto: Vera Alvarenga
Texto do amigo virtual ao que me referi está em : http://www.dihitt.com.br/usuario/belcrei2010                                                                                          http://www.dihitt.com.br/usuario/belcrei2010

sábado, 18 de dezembro de 2010

"Que tipo de sultão você é ?..."

- Li algo sôbre aquela espetacular mulher, a Sherazade! Que inteligente! Só queria saber onde encontro uma cópia das histórias que ela contava para ele...
- Bem, não quero parecer machista, mas confesso que admiro também o sultão, por ter resolvido se comprometer !
- O que? Não estou entendendo!
- Ora, sempre temos muito o que contar,quando amamos,queremos compartilhar, nos dar a conhecer...
- Meu marido é o tipo de sultão que leva um bando de políticos discutindo, para compartilhar de nossa cama todas as noites. Ou, um time inteiro de futebol! No início eu nem percebia o egoísmo dele, ao me dizer para ficar ali quietinha a seu lado... deitava ali, fazia companhia, ficava lendo, fazendo carinho...mas agora, depois de tanto tempo, perdeu a graça. Tenho intimidade com uma porção de homens da telinha,tanto quanto com ele...
Rindo eu comentei.: - Pelo menos você pode escolher com quem vai fantasiar...
   Me arrependi do comentário! Era brincadeira entre mulheres, que eu não estava acostumada a fazer e grosseiro demais para se viver como realidade...e triste também, pois enquanto o "amor" não acontece ou quando o amor morre ali na cama, como diz Rubem Alves, após os 20 ou 15 minutos de sexo ( quando muito), o que restará para fazer, a não ser, sentir-se assassinada a cada noite?!
   O que será que o homem que a gente ama, ou quer amar e conhecer melhor, pensa a respeito da própria cama e de seu quarto? Será que ele os vê apenas como algo para descansar, até ter de enfrentar uma nova e fatigante batalha no dia seguinte? A cama seria algo para a qual ele levará a mulher que ama, para descarregar as energias guardadas? Será que não percebe que, se decidiu viver com alguém e receber as graças desta decisão, seu quarto não é mais apenas dele, mas da terceira pessoa ali presente - "o casal"?
   Ou será que, se ele pudesse, faria de seu quarto o local íntimo e gostoso onde poderá relaxar,despir sua armadura e colocar-se prazerosamente ao lado da companheira? Ambos a ouvir o sonho um do outro, ou lerem seus escritos... Então, claro, poderá assistir TV, ou ler, ou "dar uma rapidinha", ou "fazer amor", ou conversar, ou ouvir o que ela tanto gosta de lhe contar, ou ouvir música, e no dia seguinte sairá para a vida, com as energias renovadas, mas nunca como o que venceu e assassinou uma mulher a cada noite, e sim, como o sultão amante e companheiro de Sherazade !
   Pensei que, talvez não houvesse em mim tantas mulheres mais a serem assassinadas, se eu tivesse que conviver muito tempo com este sultão, depois de saber de sua fama. Não importa o tamanho de seu quarto, nem se o colchão está no chão ou numa cama luxuosa com linda paisagem lá fora... Olhe no espelho homem, e se pergunte, antes que desperdice o que tem ao seu lado para ser feliz, ou antes que fique velho demais para poder enfrentar uma resposta que a própria vida lhe dará....    
    Que tipo de sultão é você? Estará assassinando mulheres ternas e sonhadoras em sua cama?
    Ou, inteligente, o seu poder é do tipo que permanecerá sempre intacto, através do tempo, porque vem do prazer de construir um império baseado no amor real, que se desnuda e valoriza, na mesma proporção que é desnudado e valorizado?

Texto: Vera Alvarenga
Foto: retirada do imagens Google

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

" O Mago e o inexplicavelmente real..."

Num campo de alfazemas, as mulheres colhiam as flores que mais tarde seriam transformadas em poções aromáticas ou de cura... Conversavam muito entre si.
Uma delas, mais quieta, trazia no olhar uma lágrima contida há algum tempo.
A observá-la, duas mulheres mais velhas conjecturavam:
- Você viu? está assim novamente. As vezes sorri, como se estivesse lembrando algo bom, e de repente, fica com  olhos brilhando como se fosse chorar...
- Estará doente ou apaixonada? ou será algo impróprio, uma dor talvez...
- Quando lhe perguntei o que tinha, me disse : - Ontem recebi um presente. Hoje tenho saudades e esta dor no peito!
- Só pude rir, não é mesmo?
- Ah, é frescura, então!
- Aconselhei-a a procurar Maestrus, o mago, ainda hoje, pois não é mais a mesma mulher, eficiente como era. Ele dará um jeito! Vai curá-la.
E assim, no fim do dia, lá estava ela, no alto da colina, junto ao Mago que acabara de meditar. Ele sabia que ela viria. Assim que se aproximou, ele já pegou em seu bolso o vidro e o estendeu para ela.
- Aqui está. É amargo, mas vai colar seu coração partido.Ninguém pode viver com o coração assim dividido!
- Não sei se é isto que preciso. Meu coração está num só lugar, que não pode estar. Meu corpo é que parece estar em outro. E me sinto culpada porque não sei resolver isto.
- Pois dá no mesmo. Bem, então você tem um tipo de fome que...hummm... tome este! E pegando no outro bolso um vidro menor, o mago lhe disse que em pouco tempo ela veria a realidade com mais clareza e não seria mais atormentada por sonhos e ilusões. Vai voltar a ser a pessoa eficiente que todos apreciavam.
- Mas, então este líquido que me dá é como "água com açucar"... já estou cansada disto. Por alguns dos últimos anos foi o que me deram. Isto não me cura, é placebo, efeito é passageiro..isto sim é uma ilusão, não tem consistência, não alimenta de verdade!
- Ahah! então mulher, está querendo me ensinar meu ofício? Eu não queria chegar a este extremo! mas aqui está! E, de seu peito tirou um minúsculo vidrinho. Abrindo a tampa, ordenou:
-Tome tudo de uma só vez. É de sabor adocicado no início, depois queimará você e tudo o mais por dentro através da garganta até o coração, mas em segundos vai curá-la de vez! Você verá a verdade do que é realmente possível. Então, deste exato momento em diante nunca mais terá falsas ilusões sobre qualquer desejo que te faça crer que realizado, saciaria sua fome! Nem sentirá culpa, pois isto destruirá a visão distorcida que tem sobre a vida e o amor! Decida-se, pois em um minuto, esta potente poção se transformará em fumaça e não poderei mais ajudá-la.Tome-a !
Ela olhou fixamente para o Mago e lhe disse:
- Não! O que isto destruiria é a coisa mais bonita que me aconteceu em muitos anos! É apenas um sonho, mas de algo que seria mais real, se pudesse realizar-se, do que você, bruxo velho!
Determinada virou as costas e se foi, pisando duro na terra, para provar-lhe o quanto era decidida. Contudo, alguns passos depois, deixou-se quase flutuar no ar! E aquele olhar meio distante, e o sorriso meio idiota, meio doce, voltou ao seu rosto.
E o Mago sorrindo, abriu imensas asas prateadas e como um anjo, voou para a imensidão dos céus:
- Por enquanto, está curada! Ainda aceita o presente de amor que lhe dei...

Texto: Vera Alvarenga
Foto:  imagens  do Google.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

" Como está o jogo, lá em casa?..."

 É impossível ler o texto de Rubem Alves e não parar um segundo para  responder a uma pergunta que aparece imediatamente a nos sondar, incomodar ou não...
  "- hum......Que tipo de jogo eu e meu/minha companheiro/a estamos jogando, afinal?"
Como está sendo o jogo principal de nosso relacionamento ? algo como o frescobol, que jogamos como amigos, na praia ao por do sol, para juntos ver passar o tempo de uma das melhores formas que se há de passar, com alegria e desejo de compartilhar bons momentos?
Ou será como o jogo de tenis, em que um interrompe quando o outro quer brilhar, um humilha e dá "cortadas" enquanto o outro se retrai ou se cala, um quer competir e ganhar sempre enquanto o outro quer apenas se divertir... Rubem Alves acertou em cheio quando fez esta alusão ao jogo... adorei o texto que recebi por email ( Tenis e Frescobol).
Passamos anos querendo jogar frescobol com alguém que gostaria de estar competindo pela medalha no tenis? E, um dia, quando enfim percebemos isto, olhamos para nós e percebemos que não nos tornamos o melhor que podíamos ser, como simples jogadoras do jogo da vida como costumo dizer, porque humilhadas, muitas vezes nos calamos, mas acabamos por perder a confiança e o brilho no olhar de total admiração pelo amor de nossa vida...um tipo de amor, um tanto minguado pelo jogo pode continuar, mas a alegria no olhar estará lá ?! Como competir, se seu intuito não é vencer? Como se defender, se cada jogada pode parecer ao outro um sinal de ataque?  Requer muito gasto de energia, um jogo jogado desta forma!
 Ou pode acontecer ainda o pior, se nos deixarmos amargar e nos tornamos parceiros secos, a revidar as cortadas. O inevitável é que, quem é sempre interrompido no seu prazer de viver compartilhando suas alegrias e sonhos, acaba ficando magoado, ou ainda com raiva. É um jogo fatal, quando jogado no relacionamento a dois! Na maior parte das vezes, em nossos relacionamentos jogamos ora frescobol, ora tenis. É preciso atenção e esforço mútuo para permanecer com as regras sem vencedor único do frescobol, firmes em nossa disposição e determinação de compartilhar o grande jogo da vida, pelo prazer de viver... não de competir ou de tudo transformar em contenda.
   Deixo aqui um pequeno trecho do que Rubem Alves escreveu, para servir de reflexão, afinal, ainda pode ser tempo de "mudar o jogo"! Ou de procurar outro parceiro, dependendo das circunstâncias e do que se queira respeitar dos próprios limites e da vida.

"Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destruí-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão... O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento. Aqui, quem ganha sempre perde.
Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado, pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração. O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres. Bola vai, bola vem - cresce o amor... Ninguém ganha para que os dois ganhem. E se deseja então que o outro viva sempre, eternamente, para que o jogo nunca tenha fim..."

E então...como está o jogo lá em casa? ? ? 
A única certeza que a maturidade me trouxe a este respeito é de que é preciso além da consciência para escolher as regras do jogo, TER CORAGEM, para não se render a um jogo que não se quer jogar! Precisamos coragem e condições para enxergar se nosso companheiro/a  escolheu espontaneamente jogar como adversário/a ou como  parceiro/a, pois é importante definir isto, a fim de que se a gente decidir gastar energia querendo mudar um pouco o "espírito" do jogo, ou "combinar" as regras, isto possa ser realmente aceito por ambos, com comprometimento espontâneo. Ou alguém sairá lesado.... 

Texto : Vera Alvarenga, baseado no maravilhoso texto de Rubem Alves(Tenis e Frescobol)
Foto retirada do Google ( foto de Rubem Alves)

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

"Desejo..sinal de nossa humanidade..."

Fim de ano - fiz meu balanço geral!
Nunca penso que a vida tenha de ser "suportada"!
Tem de ser vivida com alegria e responsabilidade e, nos momentos difíceis, com coragem e disposição.
Disposição é determinação interna,que nos ajuda a nos manter dentro do padrão que a gente acha que é verdadeiro e bom, sem esquecer de ser justo.
Espiritualmente falando,seria ideal se não nos apegássemos nem aos momentos de alegria junto a quem a gente ama, nem aos que foram ruins.Seria ideal nos mantermos em atitude de desligada neutralidade, aceitação e de fé, para evitarmos agir indo em busca, ou "forçando" ou ainda "criando ilusões" sôbre aquilo que gostaríamos de receber "espontâneamente". É o que se chama manter a "independência interna"!
   Com certeza, este foi um ano muito difícil na minha vida;está finalizando ainda mais complicado, pois no momento em que percebo a necessidade de mantermos independência financeira, a fim de mantermos nossos padrões do que é bom, ao mesmo tempo, os meios para esta segurança estão ameaçados! As pessoas que nada sabem, repetem frases feitas, como se nosso corpo também não tivesse necessidade de comer e dormir em segurança, pelo menos ao lado de quem a gente conhece,como se não tivéssemos direito ao medo, como se os psicologismos fossem todos aplicáveis igualmente em todas as situações, como se fraqueza fosse a daqueles que ousaram acreditar e se manter em paz, e não ,daqueles que não conseguem aceitar sem raiva que o mundo não lhes obedeça.  Foi um período em que escrevi muito sôbre mim, olhei para mim mesma como se fosse hábito meu! (quem me conhece sabe que não!). Foi um tempo de aprendizado dolorido sôbre minhas próprias limitações, sôbre o que eu consigo "suportar" ainda tentando manter equilíbrio e boas qualidades. Além disto, percebi o quanto todo meu esforço para evoluir espiritualmente, pareceu quase nulo, quando me deparei com o desejo de ser abraçada, num relacionamento verdadeiro, onde o outro realmente se importasse comigo.
   Este desejo quase incontrolável de que Deus, tendo ouvido minhas orações, me enviasse a oportunidade de amor, de um recomeçar de forma mais madura com a pessoa que esperasse o mesmo da vida,caminhando com gratidão, alegria e responsabilidade, tanto quanto eu... este desejo de fazer as coisas de maneira correta... me fez ver que ainda estou longe de um desenvolvimento espiritual a ponto de amar apenas incondicionalmente ( a não ser filhos e netos), ou apenas confiar. É porque desejamos compartilhar, que nos decepcionamos ou criamos ilusões! Não porque queremos demais, mas porque temos pouco! A ilusão talvez esteja também em pensar que podemos ficar sozinhos, pois no meu modo de sentir a vida, se eu devesse ficar só, teria vindo com os dois sexos e, em sentimentos seria completa em mim mesma!
   Pois termino o ano, com a clareza de sentimentos de que seria muito mais fácil e produtivo,até para o desenvolvimento espiritual, se pudéssemos enfrentar todo e qualquer desafio material, tendo a chance de olhar para os olhos do companheiro e ver que, apesar das diferenças, o mesmo carinho ( desejo de cuidar) se refletiria, como num espelho,mostrando a similaridade de disposição para o querer bem . Sou um ser humano comum, uma mulher que desejaria receber carinho e cuidados tão espontâneos,como os que sou capaz de dar, quando digo que amo. Quero ser respeitada como aprendi a respeitar.
  Que possamos todos, começar um ano renovados em energia, e ainda com muita fé no amor, que embora humano, é o que podemos ter, uma vez que não somos ainda apenas espirituais...e que esta experiência não seja apenas de aprendizado, mas de alegria e realizações até porque devemos ter o devido respeito ao ser espiritual e divino que trazemos dentro do humano que somos! E, se creio que Deus nos criou, não foi por certo para nos ver infeliz, mas para vivermos felizes ao lado do nosso companheiro que descobriremos ( ou não), que está ao nosso lado porque deseja desenvolver e exercitar o melhor que há em si.

Texto e foto; Vera. Alvarenga

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

"Que Deus me ajude a clarear o olhar da Justiça!"

Incrível como algumas fases se repetem em nossa vida! No ano passado, em novembro estava refletindo sôbre a Justiça, e escrevi no blog sôbre isto.Para quem quiser refletir junto, aqui vai o link : http://mulhernaidademadura.blogspot.com/2009/11/acordei-com-justica-ao-meu-lado.html

  Quero pedir aos meus amigos que me conhecem, que por 1 minuto façam uma oração por mim, pois nestas próximas semanas um processo estará sendo decidido e ameaça  penhorar minha casa.
   JUSTIÇA!  Devo confessar que ao refletir sôbre este conceito antigamente, eu o idealizava como algo incorruptível, e dos poderes, achava que era o mais importante, pois a Justiça nos defenderia de tudo que não fosse ela e garantiria nossa segurança diante dos que são oportunistas e aproveitam de sua demora por resolver os processos, para tirar vantagem própria, distorcendo a verdade que ficou camuflada pelas teias do tempo. Ultimamente sinto medo, pois os que tem seu trabalho dedicado a servir à Justiça, também podem ser corrompidos em seu nobre trabalho de representá-la - temos visto isto na TV - advogados espertos se habituam a defender os que querem "tirar proveito" dos que não tem muito dinheiro para contratar o serviço daqueles que saberão lidar com o que há de mais baixo no ser humano... e alguns juizes decidem como se não tivessem tido o trabalho de ler o processo todo, não tem tempo de chamar as pessoas e ouví-las, olhando em seus olhos e confrontando suas respostas com suas próprias contradições e mentiras.
   E, neste caso, um processo que chegou a ganhar a atenção devida em 2 instâncias, e tinha tudo para se resolver rapidamente( após 12 anos!), em última instância pode reverter a ponto de colocar quem estava cobrando uma dívida( nós), como o que deve pagá-la!! E tudo aconteceu porque nesta ocasião, nos desligamos do processo por estarmos enfrentando um período em que o artesanato e nossas viagens para vendê-lo foram afetadas pela doença do meu marido por um ano(reumatismo) e depois culminou numa cirurgia do coração ( 5 pontes), e pelo falecimento de minha mãe, após 2 anos de tratamento de um câncer e morando conosco. Neste período, não tivemos dinheiro para um excelente advogado, e nem muita disposição para pensarmos que era preciso mais do que os olhos da própria Justiça, sôbre o processo.Além diato, nunca nos habituamos a contar com o que não fosse nosso próprio trabalho para ganhar nossa vida com decência.  Mesmo ganhando por 2 vezes, quisemos fazer acordos, pois só queríamos o que era nosso, e não, enriquecer ilìcitamente. Eles prometeram que fariam acordo na frente do juiz, mas depois sumiram!(neste dia eu fiquei fora da sala de audiência). Tínhamos testemunhas, se não me falha a memória, que nem precisaram falar porque eles disseram que fariam acordos.
   Mas, isto não foi suficiente. Quem nos devia , foi conhecer nossa casa em Florianópolis, anos depois, e certamente encantou-se com a energia que havia nela e a localização privilegiada a 50 mts. da praia; conseguiram distorcer a verdade,com uma falsa alegação  de má fé (!!) que parece ter sido a única coisa a receber o olhar de quem nesta ocasião, pegou nosso processo em mãos com o poder de dar a última palavra.
    Após tudo isto, foi que finalmente entrei em depressão, minhas forças pareciam estar sendo sugadas pela terra e eu precisava do amor do filho, norinha e netinho que nos queriam junto deles. Foi quando viemos para o interior de São Paulo, provisoriamente, para tratamento de saúde e para dar e receber amor, ficando mais perto dos filhos. Nossa casa lá não poderia ser vendida, como precisamos para vivermos com dignidade e independência financeira, contudo, a mantemos lá como fonte de renda para nosso sustento, uma vez que a alugamos na temporada.E recebemos muito amor dos meninos( além do presente de convênios médicos).
    Foi neste tempo que estas pessoas mesquinhas e mentirosas aproveitaram para  "tirar vantagem", e pedir a penhora de nossa casa, para o pagamento da dívida que nunca tivemos,que é tudo o que temos após 40 anos de lutas e trabalho honesto, e tudo porque nem havíamos entendido que havia sido pedida a penhora! Não contestamos!! Não respondemos, a não ser, oferecendo terrenos em Paraty, que ela não aceitou. Tínhamos entendido que o juiz havia aceitado os terrenos!!
   Não, ele decidiu pela penhora e só soubemos disto na audiência (parece de conciliação) desta semana, em São Paulo! Foi um murro no estômago!
   Vocês não podem avaliar o que é ver uma pessoa ao seu lado numa audiência, querendo tomar o que foi seu lar e o que te garantiria dignidade e segurança na velhice, como se estivesse a falar de um pirulito, mas com olhos gananciosos e apoiando-se numa única mentira e...infelizmente, no julgamento da última instância(ocasião em que a justiça deveria estar realmente com a venda nos olhos!).
   Houve porém um milagre, que mesmo que tudo saia errado para nós, eu preciso contar aqui no meu blog, que é pra mim como um diário, onde escrevo sôbre o que me emociona! Eu tinha sido aconselhada a não abrir a boca, para não dizer besteiras e não complicar as coisas, pois sabemos que em presença da Lei, tudo que dissermos pode ser usado contra nós! quando não entendemos de leis e somos espontâneos!! Assim, eu me sentia como se houvesse ali uma rainha pronta a me cortar e fazer rolar minha cabeça! E que a juiza seria apenas sua executora. Contudo, a mulher que antes nos devia e me ameaçava agora, pediu a palavra e falou seus absurdos! A juiza disse que teria todo o tempo para nos ouvir! Ela certamente não queria cometer uma injustiça. Para mim, este foi o milagre! E agradeço a Deus, porque eu criei coragem e, desobedecendo ordens, pedi para ser ouvida também. Fiz o relato dos fatos. Não foi fácil falar, pois eu tremia muito diante da ameaça injusta e sem fundamento que é apenas causada pela poeira dos quase 15 anos desta espera e por nossa ingenuidade. Nos surpreendemos com a penhora. Meu filho e marido falaram também. E a mulher se traiu a si mesma, entrando em desesperada contradição por 3 vezes.

   Por meu marido querer cobrar uma dívida de 10 mil reais, estamos agora sendo ameaçados com uma cobrança de 270 mil!! Este é o risco que estou correndo por estes dias. A decisão vai ser tomada em menos de um mes. E tudo porque não ficamos com uma cópia de um pequenino documento que meu marido entregou ao advogado dela em confiança, porque não tínhamos advogado e meu marido é daqueles homens antigos que acreditam que negócios se fazem na palavra! Ele é um homem honesto.
    Eu tenho rezado e peço que meus amigos rezem uma só vez, comigo, para que Deus ilumine a mente desta juíza e dê sossego ao coração da mulher que quer fazer tanto mal com uma mentira e nem se apercebe disto!
Que ela encontre uma outra forma de "tirar vantagem".

   Texto Vera Alvarenga
  Foto: Catedral da Sé - Vera Alvarenga

sábado, 27 de novembro de 2010

" É meu tempo de poesias..."

É meu tempo de poesias...
Não porque me envaideça
de saber em rimas o que dizer
ou por chamar a mim, poetisa!
É só porque eu vivo dias,
em que, se não escrevo,
sinto que me falta o ar!
Preciso a compreensão das palavras,
da luz, antes que anoiteça,
da esperança que não agoniza
enquanto a verdade transpirar.
   As palavras não me aquecem
   como um abraço o faria,
   as rimas não dão a sentença
   que só a justa Justiça daria,
   mas aliviam meu peito e a alma,
   e traduzem os sentimentos
   que brotam do meu coração;
   ajudam a assimilar  desafios
   que me sacodem em momentos,
   quando me assombra a indignação
   do que não consigo compreender.

Foto e Texto: Vera Alvarenga

sábado, 20 de novembro de 2010

"Quanto tempo ainda tenho?..."

Quanto tempo ainda tenho
pra brincar?
e pra te ver franzir o cenho
quando trago do que sou e tenho,
os gestos que te fariam sorrir,
se tua face não trancasse
o sorriso que queria vir?
  Quantos dias eu podia
ainda tentar?
sem que o tempo me envelhecesse
sem que eu mesma me perdesse
no inglório afã de te resgatar
se na redoma te isolavas de novo
e a cada vez, após me amar?


Quanto tempo ainda tenho
de esperar ?
Pergunta a mulher, que sonha em mim,
cumprir seu destino, feliz enfim
de entregar-se a sorrir e amar,
por ser amada, não só na palavra
mas nos gestos e no olhar!
     Quanto tempo será... que ainda tenho?....
      para o que não depende de mim... pra viver a vida que não se vive só.
    
Foto e Poesia: Vera Alvarenga

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Amor, paixão e amizade....

 Estive pensando... Às vezes, a gente esquece o que é ( ou fica triste quando ninguém nota o que podemos ser).
   O amor é algo sóbrio, construído aos poucos com a convivência, requer tempo, transpõe abismos, para no final ir nos ensinando a nos "dissolver" no outro, nos doar sem esperar retribuição, enfim, é algo difícil de se conseguir, se pensarmos no amor com seu significado maior. E, se o amor dissolve a gente... talvez, quando a gente morrer, o espírito, que é o divino em nós,um dia perderá sua individualidade para se dissolver no todo. Este é o amor espiritualizado. Outro tipo de amor, que a gente consegue viver com o/a companheiro/a, precisa de alimento para manter-se - amar faz a gente querer o bem para o outro e isto nos faz bem,mas a gente deseja ver o outro perto, quer também ser tocada por ele.
   E o apaixonar-se? Por que seria de menor importância? A gente se apaixona por quem nos faz bem, nos faz sentir especial. É intenso.
Quando alguém vê o que temos de bom, faz a gente se sentir especial, como na verdade a gente pensava que era. Se a gente se apaixona então, deve ser algo egoístico porque estamos a olhar, através do outro, para nós mesmos? Estamos só readquirindo a fé no melhor que há em nós? Não, porque também vemos o melhor do outro, é uma comunicação de coração a coração, ao qual o corpo responde e traz bem estar. Mas isto é maravilhoso, porque é a fé que pode nos mover nas melhores direções! E, às vezes, é este olhar posto em nós, o que nos salva! É reconhecer o divino que há em cada um.
   Muito semelhante a quando temos fé nos preceitos de uma religião, ou em Cristo que olhará para nós e nos salvará - é poder crer que temos em nós uma centelha divina, que nos faz sentir em estado de graça. Acreditarmos que não estamos sós, que Ele nos vê é, guardadas as proporções, algo semelhante a termos nosso apaixonamento correspondido. 

  A amizade,é uma das coisas mais fabulosas, embora frágil, não é? Frágil porque amanhã pode já não estar lá, não nos pertence e nem conhece sua força.Fabulosa, porque um amigo oferece a nós e nos trata com o melhor que crê ter em si. E crendo em nós, também nos devolve a fé. E quando há confiança e convivência necessária, crendo que é recíproca a amizade, se sentirá livre para eventualmente nos mostrar até alguma fraqueza, porque amigo oferece apoio e seria natural não temer pedi-lo. Então, crer que temos um amigo verdadeiro, nos fará viver um ideal do sentimento que pode nos elevar até onde nossa fé recuperada possa alcançar, e ao mesmo tempo, pode nos trazer de volta à terra, aos limites, sem que precisemos atolar na negatividade da crítica! 
  Se o amor é divino... apaixonar-se é fundamental ! ...mas como é chama, não pode arder eternamente! ora, então seria bom que aprendêssemos( todos os casais), a nos reapaixonar, reacender a chama! (quando possível)
   E a amizade, sem sombra de dúvidas agora percebo, seria o melhor sentimento a ser trazido para o relacionamento e preservado entre um casal, porque este sentimento permite o divino e o real, permite aceitar o outro como ele é mesmo que nos mostre suas falhas, nos traz um bem estar que se traduz em um sorriso que não conseguimos impedir que brote espontâneo no rosto, e ainda pode conter momentos de amor e paixão. A amizade acolhe mais docemente o que o outro é...ou será que é a bondade, que faz isto? Já não sei!! Kkk..................
    Conheço uma jovem mulher que me disse outro dia, que chegou a se questionar quando percebeu que todos viam a ela e ao marido, como grandes amigos,mais até do que marido e mulher. Pois, penso que felizes os casais que tem na amizade seu maior ponto de apoio! Tomara que tenham consciência da benção que tem nas mãos! 

Texto e foto : Vera Alvarenga

domingo, 14 de novembro de 2010

" O poeta ,,,"

   Estava molhando as plantas do jardim, como fazia três vezes por semana. Um dos bons momentos de seu dia, quando abstraía-se da realidade e concretude de seu dia a dia, e tornava-se parte da natureza que a rodeava. Antigamente era seu hábito, ao se aproximar das flores, aproveitar para meditar,enviar luz em pensamento para as pessoas que amava ou pensava estarem precisando de energia. Ela acreditava nestas coisas.
  Ultimamente porém, não conseguia ser tão bondosa, pois seu coração estava lhe pregando peças - ali no jardim, ele parecia criar asas e a fazia voar...quando isto ocorria, ela sorria, e logo balançava a cabeça como a reconhecer e se perdoar porque estivera assim divagando.
   Naquela tarde, por segundos, chegou mesmo a sentir estar sendo abraçada por ele...era o abraço sonhado, maduro, que parecia poder conter o mundo e todas as promessas que ambos já tinham desejado um dia e não pensavam mais poder colher.
   Era o abraço que os faria saber que, dali em diante, não precisariam mais procurar, pois teriam finalmente se encontrado!
   Sorriu e suspirou fundo, mas desta vez constatou com alguma tristeza que seus pés estavam novamente na terra molhada...e terra é realidade. O ar, a brisa, já não levavam suas asas a lugar nenhum. Ouviu um cumprimento... uma voz calma que parecia vir de um sonho, como o dela:
- Boa tarde, moça. Como é belo o amor!
  Era aquele senhor que vira algumas vezes, a tomar sol ao entardecer. Estava alí na calçada do outro lado da rua.
- Ai, meu Deus! o que diz este homem? estaria lá há muito tempo? Será que ele me "pegou" sorrindo assim feito boba, do nada? Que vergonha. Não, ele tá velhinho, nem me vê direito, me chamou de "moça"! Eu, com meus quase sessenta...
   Ela, recompondo-se do susto, respondeu com um aceno. Tinha notado, já outro dia, aquele senhor de olhar bondoso, a olhar para ela como se quisesse adivinhar seus pensamentos. Qualquer dia, ia atravessar a rua e conversar com ele. Parecia tão solitário como ela se sentia, às vezes. Logo, uma mulher veio buscá-lo e lá se foi o velho, mais velho que ela, em sua cadeira de rodas.
- Até logo, moça!
- Ah...até ...senhor!
   Dois dias depois, no final da tarde, do outro lado daquela pacata ruazinha do interior onde morava há poucos meses, ela viu a ambulância sair. Uma das vizinhas, parada bem em frente ao seu portão, lhe disse:
- A senhora viu que pena? Tão lúcido ele era ainda! Esta doença é assim mesmo.
- O que houve?
- O poeta, dona. O poeta morreu!
   Então ela soube. Teve certeza de que, mais do que ninguém, ele realmente a tinha visto. Só mesmo um poeta poderia tê-la compreendido.

Texto e foto: Vera Alvarenga

Às mães de meninas de quase 10 anos!

Book: mãe e filhaphoto © 2010 Luís Guilherme Fernandes Pereira | more info (via: Wylio)
Outro dia assisti encantada um programa na Globo News Saúde, que falava sôbre a primeira menstruação e tratamentos hormonais feitos hoje pelos ginecologistas, com o objetivo de diminuir os efeitos negativos de uma menstruação precoce.
Gente, maravilha, hoje a medicina está tão mais adiantada que o médico e a mãe podem juntos, saber por exames, se a menina por volta dos 10 anos ou até menos, já está para ter a primeira menstruação! Assim, poderão decidir se é o momento para evitar que esta primeira menstruação aconteça, visando proporcionar à adolescente, ainda tão criança, um pouco mais de tempo para que seu corpo se prepare, inclusive no que diz respeito a ossos e crescimento. Neste programa foi mostrado que uma garota com 1m.50cm de altura, estando para menstruar aos 10 anos, submeteu-se a um tratamento e acompanhamento médico e também apoio emocional da mãe, e, depois de um ano, quase aos 12 anos, já havia crescido 12 cm. a mais e se dizia sentir-se mais preparada para a menstruação. Parece estranho isto, como se a gente quisesse "deter" a "natureza", mas não é não!! Afinal, muitas garotas amadurecem muito mais rápido devido à problemas emocionais ou à responsabilidades, e outros fatores, mas poderiam ter mais apoio emocional para que a transição fosse feita num ritmo mais ameno e sem prejuízo ao seu desenvolvimento e até crescimento.
" No meu tempo" as mães não conversavam sôbre estas coisas conosco( sôbre muitas outras também!), até o dia que assustadas, percebíamos que estávamos sangrando!! E então, nos era dito que tínhamos nos tornado uma mulher ou uma "mocinha" e só.Bem, eu aceitei numa boa e não tive problemas para aceitar a menstruação como algo natural,mas com muitas meninas isto não acontece e elas passam a detestar a menstruação e/ou sofrem de cólicas terríveis, etc...
Não culpo minha mãe, porque naquele tempo os médicos sabiam muito menos a respeito das mulheres e não havia discussão destes assuntos nas revistas e internet. Eu, por exemplo, aos 10 anos já era mesmo uma "mocinha" em muitos sentidos, inclusive fisicamente e, não passei dos meus 1m e 50 cm de altura!!
Ah, então foi por isto que permaneci com esta altura, hein?! Todos achavam lindinho, eu era a "mignon"...mas posso garantir que preferia ter 12 cm a mais na altura, o que me teria evitado muitos problemas, inclusive talvez, a dor que sinto na articulação dos quadris, de vez em quando.
Hoje, a história é outra e a medicina está aí para esclarecer, além das orientadoras (psicólogas,etc.) que podem "ajudar" as mães a caminhar de mãos dadas com suas filhas, para que estas não se sintam tão só e perdidas no meio de tanta informação que pode ou não ser verdadeira.
E aí, mães e papais de meninas de 10 anos! Já conversaram com elas a respeito da primeira menstruação e do que elas precisam saber por vocês, de preferência? Já as levaram desde os 8 ou 9 anos a um ginecologista de confiança? E atenção, sempre estejam presentes na consulta, ao lado delas, o tempo todo! O tempo e a natureza não esperam!

Texto : Vera Alvarenga baseado em programa do Globo News Saúde.
Foto: Luis Guilherme F. Pereira - Flickr - retirada do Wylio.com

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

"Cadê você, mulher perfeita?"

- Dou um doce se me disser no que estava pensando!
- Ah, você está aí?
- Não disfarce! me diga o que lembrava do passado que a fazia sorrir deste modo tão delicado?
- Não era no passado que eu estava...só estava imaginando coisas...ia ser tão bom, se acontecesse o que de repente me vem a mente,de vez em quando.
- mmm..... você parecia leve e feliz como uma pluma a deixar-se levar pela brisa. Por que esta cara agora?
- É porque você me fez voltar e, isto me traz saudades.
- Ah, agora está a lembrar de algo que viveu no passado! eu sabia que ele viria, mais cedo ou mais tarde, roubar-lhe o tempo, momentos preciosos que a gente só pode viver se entender que a vida só se faz aqui, no a..go..ra, no presente, mulher! Olhe para seu rosto, no reflexo do vidro do carro. Tá vendo? Olha bem. Esta é você. Aliás, sou sua fã, você é legal. Aceite o presente e viva nele. Não importa que sua pele esteja um pouco menos jovem, seca como esta folha...é o que você é, é sua vida, é você!
- Pare com isto,senhora maravilha! Você é chata! Sei o que sou e como estou. E, se quer saber, não estava a lembrar nada do passado, não senhora!
- Como não? Saudades a gente só tem de algo ou alguém com quem viveu momentos no passado!
- Vou lhe explicar...só desta vez. Sempre vivi, digamos, uma convicção - só podia viver daquela maneira, sentindo as coisas daquele modo. Contudo, o amor, a vida, nem sempre são como a gente pensa que deveriam ser. Não era tão real então, certo?
- Ah, sempre lhe digo isto! Realizar é bem diferente do que apenas sonhar!
- Sei disso, realizar, claro que seria melhor...nossa, como seria! Viver isto seria, seria... como somar as experiências todas, só para levar em conta as prioridades, entende? Seria como descobrir um segredo que todos querem, bem, não importa agora. Ilusão por ilusão, prefiro a que me faz sorrir, embora logo depois me traga esta saudade, que me deixa triste por uns minutos. Mas aí você sempre vem, e eu caio na real! Tá satisfeita agora?
- Estou sim. Seja ponderada. A gente só é feliz quando a alma está no presente, junto com o que se tem.
- Pois vou lhe dizer, não estava vivendo no passado, recordando o que não posso mais reviver! ...estava vivendo um sonho...que é real a cada vez que, por um segundo, me vejo nele...com ele, e então é tempo presente, e me deixa feliz, e o relógio para, não temos corpo, nem peso, a brisa sopra, nos sentimos leves e a magia se faz, como se o destino estivesse em nossas mãos, em meu coração, e minha alma se ilumina. Não posso evitar. Não preciso esquecer ou perdoar o passado, enquanto eu não precisar apagar o sonho presente.
- Você é tola! não tem juízo! Esqueceu tudo o que já estudou? Só se vive o presente, o que se tem na realidade...
- Você está surda? O que eu tenho, no presente, na realidade é unicamente este sonho! Não vê? Enquanto eu tiver forças para sonhá-lo, mesmo sem poder tocá-lo...é o meu sonho! Quando eu deixo que este sonho me toque , eu vivo, respiro em meu corpo, e ele reflete o que de melhor sempre houve em  mim. Sacou? E aí?....cadê você mulher perfeita!?...o que tem pra me dizer ainda?

Texto e foto: Vera Alvarenga

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

" ..então serei a mais corajosa das mulheres"!

Comentei algo no post de uma amiga (Jackie), que falava sôbre a importância de reagirmos e não nos fazermos de vítimas de nós mesmas.Quis trazer este comentário aqui.
Quando eu disse que aprendi muito este ano, não quis dizer que aprendi a dar a volta por cima e me transformei numa mulher mais forte!..kkk......ainda não, embora esteja muito melhor, ainda estou inconformada comigo mesma! Eu vejo todo mundo dizer aqui que se julgava vítima,agora descobriu que não é por aí,reagiu,ficou forte, aprendeu.. Comigo foi o contrário, fui na contramão !- A vida inteira fui forte,nada era suficientemente pesado, tudo podia vencer, eu tinha tudo!! ( mesmo quando por pouco tempo, só coloquei na mesa arroz e vagem, ou um peixe espada comprado com a moeda que encontramos na praia).Eu nunca fui vítima, porque achava que vivia a vida como uma aventura, com todas as consequências intrínsecas! Eu era apaixonada! e apaixonada pela vida!
Eu tinha tudo(mesmo quando lutava pelo amor) enquanto tinha fé e amor no MEU coração! Eu amo meu amado com todo o meu sentimento, com toda a nossa história, com todo o meu carinho,não preciso perdoá-lo, POIS SOU GRATA A ELE, POR TANTAS COISAS, mas preciso reencontrar minha paixão( esta palavra não exprime bem o que eu gostaria de dizer, porque "paixão" é conceito desvalorizado e estou falando de FÉ pela vida, algo que nos sustenta interiormente)!
Quando, aos quase 59 anos, não encontrei mais no MEU coração aquilo que me sustentava, me fazia renascer no meu próprio jardim, então me assustei e comecei a me ver como vítima, de mim, do outro, do meu próprio modo de levar a vida. Mais ainda quando me apaixonei por um sonho! O chão me faltou, tudo começou a me parecer sem sentido, e eu me vi como sou - tola, fraca, tão acostumada ao amor que eu sentia, que não sei ser , sem ele. Cheguei a desejar voar para outro jardim, achando que esta era a atitude a tomar. E não adianta tapar o sol com a peneira.Foi isto que ocorreu quando me cansei de "amar e respeitar" o outro mais do que ele me amava! Então, decidi que era tempo de amar a mim mesma! Outra ilusão...serve para colocar os pingos nos "is" e distrair o tempo, mas não "sustenta" (não a mim!) 
O que aprendi foi isto, a gente é vítima, quando não sente amor pelo outro como antes! Uau!! Será que é mais importante então, amar do que ser amada??? Que surpresa!!Claro que eu quero ser amada sem tanto egoísmo, com atitudes coerentes com as palavras, pois se deixei de amar como antes, porque não o era! Mas, juro, preciso REAVIVAR A PAIXÃO, encontrar em mim a alegria de poder entregar o amor em total confiança, e portanto, amar com "paixão", a ponto do amor poder sustentar-se a si mesmo, talvez! Que contradição!  A vida é tão boa pra mim, quero partilhar isto!   
     Então, ainda me emociono quando penso que me apaixonei por um sonho( e o que será esta vida, senão uma ilusão?), mas não vou me entregar... estou aprendendo, não a encontrar a lutadora que sempre fui, NÃO! mas a reencontrar dentro de mim mesma o amor, aquele sentimento de amor especial (ilusão ou não), que me sustentava interiormente, e que eu oferecia ao outro, pois minha natureza se acostumou a isto, a ser feliz, e sou mimada a este respeito, quero sentir-me de fato feliz como eu era, eu me fazia feliz porque acredito na felicidade! É a minha verdade! Quando eu não precisar mais apenas sonhar, e reencontrar esta minha essencia que me capacitava para amar do modo que eu amava, totalmente confiante e entregue, eu nem precisarei buscar a mulher lutadora dentro de mim, porque novamente estarei em paz, e terei a alegria serena que me fazia ser a mais corajosa das mulheres, embora saiba que não precisarei mais lutar!
Texto e foto : Vera Alvarenga

terça-feira, 2 de novembro de 2010

" O lago negro"

   O bruxo sentenciou: " Você só voltará a ser feliz, quando uma mulher olhar pra você com amor.."
...depois da transformação, o príncipe viu sua imagem no lago...o que ele realmente era, continuava apenas dentro dele, escondido sob aquela grotesca figura refletida na água.
   Não poderia mais aproximar-se das pessoas que amava, com o mesmo rosto que tivera antes, e assim desfigurado jamais receberia o olhar amoroso que lhe devolveria a alegria. Estava condenado à solidão.
   Sua dor foi tamanha, que seu rouco grito de tristeza ecoou na floresta e escureceu os céus! Todos se recolheram.
   Apenas um pássaro branco ficou ali, num tronco da árvore, a seu lado. Tocada pela dor daquele homem que temia perder o amor para sempre, a ave chorou com ele. Suas lágrimas caíram no lago, cuja água imediatamente ficou negra. E a ave disse:
   - "Jamais o bruxo que o condenou a este sofrimento poderá ver-se refletido aqui, e nunca mais poderá beber desta água para saciar sua própria sede insaciável." ..............

Texto e foto : Vera Alvarenga

  

domingo, 31 de outubro de 2010

Mulheres na casa dos 40( comentado pelas de 60!)

Hoje, no blog da Márcia, estávamos comentando sôbre o tema:" Mulheres na casa dos 40!"

Meu comentário ia ficar longo então, trouxe para postar aqui.

Desculpem mas agora vou abrir o verbo!
  Ah, meninas, entrar na fase dos 40 é muito bom!(Só que eu só sei disto agora!!) Eu tinha quase 10 kgs. a menos, era inteligente e muito mais corajosa. Os homens me achavam bonita e eu nem olhava pra eles, (nem de rabo de olho!!).Era bonita e não sabia !(baixa auto-estima é uma merda!!).Eu já havia me separado do meu marido por um ano, e havíamos voltado. Me sentia mais mulher e sexualmente mais amadurecida; sabia o que me dava prazer e conhecia muito mais o meu corpo do que antes- sexo passou a ser muito melhor do que até então!! Ao entrar nos 40,eu tinha voltado para a faculdade, tinha planos e tempo para concretizá-los!
   Pessoal, meninas...acordem!! Podem crer que entrar na fase dos 40 é uma maravilha!! Não é o tempo só de semear amizade e cumplicidade com o homem com o qual decidimos envelhecer! É o tempo para olharmos com respeito para nós mesmas e visualizarmos os frutos que já temos que começar a colher, para preparar as compotas que nós dois iremos apreciar, depois dos 60! Ou agora, ou teremos que nos conformar com o que tiver na despensa!
  Aproveitem com olhos bem abertos a fase dos 40!! rsrs..........(ninguém me avisou). Aos 60, cá pra nós, nem sempre nossa alma e vontade entendem muito bem esta coisa de terceira idade e do corpo que emagrece e não volta mais para o lugar! Lembrando o comentário de Veríssimo,eu tenho " flexibilidade e posso brincar com meus pés" ..rsrs.... mas,preferia brincar mais de fazer amor e de sorrir ( não que não faça isto, mas,tudo ficou muito mais sério,rs...). E não me venham com a história de que a terceira idade é a melhor idade!! Todas as fases tem coisas boas, mas "melhor" idade, já é demais!! Nesta fase dos quase 60 a gente começa a perder pessoas e coisas...e percebe que não deveria ter abandonado os planos para ajudar o outro só nos planos dele. Na fase dos 40, se você se apaixonar por outra pessoa, ainda poderá reconstruir sua vida, sem parecer ridícula! O apaixonamento é lindo em qualquer idade, mas garanto a vocês que é mais lindo aos 40 anos. Eu, na ocasião, conversei comigo mesma e me reapaixonei por meu marido. Faria tudo outra vez, por que fiz por convicção...mas,o importante é perceber se estamos acompanhadas no processo ou se vivemos dourando a pílula, pois aos sessenta, isto será cobrado, de um jeito ou outro!
  Gente, a fase dos 40 pode ser o auge em muitas coisas,e é bom encontrar tempo para unirem-se aos companheiros e não para continuar a renunciar, por eles! Claro que não devemos ser mesquinhas, mas não podemos perder tempo da nossa vida, que é um bem precioso, acocando amores egoísticos demais. A amizade, cumplicidade deverão ser semeadas nesta fase, mas também é o momento de garantirmos nosso espaço e de compreendermos e mostrarmos nossos limites, se não o fizemos até então...isto sim, é o que garantirá uma vida muito boa aos 60!! Pois, se continuarmos a pensar que somos capazes de suportar muito mais coisas, estaremos criando uma ilusão - e ilusão não é culpa do marido, não!! Ilusão é pensar que teremos tempo mais tarde, para olhar com respeito para nós mesmas. O tempo passa depressa. Se não nos respeitarmos aos 40, aos 60, convenhamos, sem dinheiro, sem um apaixonado a nos valorizar, será quase impossível! rsrs.........Aos 40 é hora de, com maturidade e perseverança, garantir a "aposentadoria" de modo a curtirmos tudo na melhor companhia...Nada de acreditar, como eu, que um dia os frutos cairiam do céu porque seu amor iria respeitar você , finalmente, mais do que você mesma se respeita.
   Se não nos prepararmos com consciência na fase dos 40, inclusive financeiramente, então nos restará rezar para que Deus nos dê depois dos 60, discernimento para suportar com dignidade e amor, o que não pudemos mudar, e que nos ajude a evitar a depressão e a preencher nosso coração com o amor pela beleza que houver em cada flor ou gesto, em cada passo do caminho. Só assim sobreviveremos e conseguiremos ainda manter um pouco da doçura da alma. 
  Um brinde à fase dos 40!! e a todas as coisas boas que pudermos ainda fazer, depois dela!! rs.....

Texto e foto : Vera Alvarenga

sábado, 23 de outubro de 2010

Como a Felicidade se veste hoje pra mim...

A Felicidade não é feita apenas dos raros momentos que nos tiram o fôlego! Hoje,para mim, é feita também da rotina confortável e segura do conhecido.
Felicidade, para mim, é acordar pelas manhãs, abraçar meu companheiro que está ao meu lado, e ouvir o canto dos sanhaços, sabiás,cambacicas e pardais no quintal.
Felicidade é ter o meu trabalho e liberdade de escolher meus horários, e é finalmente o salário no final de cada mes, que me permite comprar meus remédios, o essencial e pequenos extras e cuidar da minha saúde, que melhorou tanto que já posso dormir sem dor, por ter a artrose controlada...
É ter os filhos abençoados...e noras e netos.É saber que os criei com mais exemplos do que restrições e livres para escolherem seus caminhos, e é sentir orgulho do que são e de suas escolhas.
Felicidade é ter a experiência de uma filha postiça!! e de 3 netos.
É perceber que ainda tenho momentos de raiva que não posso controlar,mas que, apesar disto, ainda há muito mais ternura em mim, do que este péssimo sentimento.
   Felicidade é sentir gratidão pela minha vida; é aprender a sossegar meu coração e desejar apenas o que posso ter, e mesmo assim, ainda me emocionar!
  Contudo, felicidade também são os momentos que puder sentir que o outro me olha, me vê e me aceita.
  Felicidade serão todos os momentos em que meus gestos de carinho puder realmente tocar você, que se tornou tão importante em minha vida...
   e, toda vez que soubermos, sem nenhuma sombra de dúvida, que nossas palavras só serão ditas com sinceridade, e que a troca só existirá por opção do coração -e estes momentos são como a luz de um pequenino diamante - não pode ser falso, e ilumina todo nosso ser, como uma flor rara a ser cultivada com atenção e cuidado. É como a presença do sol em nossa janela, que brilhará só quando for real.

   Felicidade é reconhecer que nada sei, mas que deve haver um pouco de Deus em mim, porque se sonhamos com o mais belo e perfeito sentimento de amor, e temos uma amostra em nós, talvez seja uma nostalgia do amor verdadeiro que já tivemos Dele e um dia vamos reencontrar...
Texto e foto : Vera Alvarenga

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Um presente em boa companhia...

Ontem me dei de presente, uma tarde especial!
E o melhor, tive companhia! enquanto minha norinha Lika foi ao dentista, fui caminhar um pouco no Shopping Morumbi. Há quanto tempo não fazia isto! Como está diferente tudo por lá, pela minha terrinha e bairro onde morei! Tudo lindo!
Descobri um sorvete com frutas..humm..delícia!
Depois, fomos ao cinema assistir Avatar, versão longa em 3D. Fantástico o filme e a mensagem de que há algo comum a todos nós, seres vivos desta Terra - o espírito da Natureza deste mundo no qual queremos viver e desejamos deixar para nossos netos, que deve ser respeitado e preservado!
Além disto, o bom foi assistir o filme em uma boa companhia! ela sabe que, cinema hoje em dia, tem uma atração(alegria) a mais ( pipoca! pic nic! hehehe)! E durante e depois, pudemos comentar a respeito. Fizemos uma viagem maravilhosa, durante a qual conversamos sobre espiritualidade, amizades, sentimentos, netos, maridos, carro... Sorrimos, tomamos lanche,rimos, lembramos de coisas pelas quais já nos emocionamos. Tivemos o mesmo desejo de que Deus nos protegesse na viagem de volta e fizesse a gasolina aguentar até o próximo posto(saímos de São Paulo às 23:45 !). Deu tudo certo ( mas quando eu for sozinha, volto mais cedo! rs..)
  Voltamos em paz. Amanhã, esquecerei o filme, mas nosso coração foi preenchido.
  Sou grata a Deus por poder ver( o filme) e perceber tantas outras coisas.
  Todos nós devíamos nos dar este tipo de presente, de vez em quando..sair com uma boa companhia com a qual a gente possa contemplar o movimento e comemorar a vida! Isto é impagável e nos alimenta da energia boa que transbordará de nosso coração, em diferentes formas, depois.
Texto e foto: Vera Alvarenga

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Quem disse que amizade entre nora e sogra é impossível?

Hoje à tarde,minha norinha Lika vai me levar a São Paulo. Vou com ela para aprender "como é fácil o caminho para lá!"(é o que ela diz, vamos ver!!) Assim, ficarei preparada para ir, quando houver um motivo importante.
Vou ficar lá no Shopping Morumbi,( pertinho de onde morei) enquanto ela vai ao dentista. Depois, vamos fazer hora, provavelmente no cinema ( ah, que sacrifício!hehehe) por causa do horário de rodízio de veículos. Nossa faz anos que não vou ao Shopping de lá e cinema (adoro), só vou com um deles(nora e filho)! Graças a isto, daqui a algum tempo, poderei visitar uma amiga que não vejo há anos!!
Bem, lembrando da amizade construída que temos e do respeito que precisamos ter à individualidade do outro, vou colocar uma cartinha que escrevi a ela ,há algum tempo, num outro blog que está abandonado...
CARTA PRA MINHA NORA"    
Você é nora..portanto..sou sogra(hii!.) 
    Amizade requer lealdade,carinho,cuidado e disponibilidade p/crer no outro.
    Amizade requer confiança p/ crer no que o outro diz, mais do que no que achamos que o outro quis dizer! 
   Dá trabalho..Requer empenho e nós estamos construindo isto juntas.(não é lorota não!..)sabemos o valor deste tesouro!
Uma boa amizade, nos faz uma pessoa melhor !

Conviver com você, em seus momentos de alegria, me faz feliz ! 
Após tantos anos, vivendo com e p/ homens (filhos e marido amado),conviver com você me permitiu intimidade com uma figura feminina, que me trouxe um espelho..Voltei no tempo e olhei com carinho,como nunca antes, p/ a jovem mãe que fui um dia. 
Então, com o mesmo sentimento amoroso que a abracei, em seus momentos difíceis, tomei a mim mesma em meus braços e num abraço, acolhi com amor a jovem mulher e mãe que fui e está pra sempre, dentro de mim. Pude ser generosa, porque você também é.
Sabe ser forte.. e doce...
Seja muito Feliz, minha querida Lika. Te amo. 







Beijo, Vera."

  A gente puxa o saco uma da outra, de vez em quando, mas sabem por que? Porque a gente acredita, ora bolas, que amar também é isto, é agradar, é notar o que o outro tem de bom, não apenas criticar, não é mesmo?  Se eu tivesse uma filha, me orgulharia que fosse como ela.
Texto e foto: Vera Alvarenga

domingo, 17 de outubro de 2010

"Não somos o que aparentamos? então de quem é este meu corpo?"

Conheci Gaiarsa, médico psiquiatra, através de seus livros e depois pessoalmente.Hoje, no jornal, li a notícia de que morreu ontem, com noventa anos - José Angelo Gaiarsa.
  Na época em que fui procurá-lo para conversar,já era casada, tinha 3 meninos adolescentes e acabara de descobrir "verdades incontestáveis" sôbre a importância do corpo, do "toque terapêutico" e da consciência corporal. Ele me ajudou a compreender melhor Reich, com sua teoria das couraças musculares e a importância social (e até política) do prazer e do sexo(pessoas que podem se entregar inteiramente ao prazer/orgasmo sentem-se mais renovadas, corajosas, fortes, engajadas).
  Conversamos 1 ou 2 vezes e ele me avisou que precisaria coragem para o preconceito que enfrentaria,mas incentivou a continuar a desenvolver meu trabalho de massagem terapêutica e consciência corporal, num tempo em que, ao se falar de uma mulher a fazer massagens, logo se pensava:- ou é fisioterapeuta ou prostituta! E eu era apenas uma mulher que após muitos cursos,fazia um trabalho de consciência corporal, para minimizar a dor e chamar as pessoas para ficarem menos alheias a si mesmas! e criara uma técnica profissional e séria, para ajudar a outras pessoas a tomar consciência da verdade de seu corpo, de seus limites e de seu poder de escolherem se tornar mais disponíveis para sua vida, colocando de lado suas armaduras musculares e máscaras. No pouco tempo que estive exercendo minha profissão em consultório, numa clínica com outros profissionais da saúde, não podia me dedicar apenas a atender mulheres, pois eu era mãe de 3 "homens" e tinha um marido...como ignorar a importância deste companheiro de vida, masculino? Graças a seu incentivo, tive mais coragem de enfrentar o inicial preconceito de alguns familiares (eu e meu marido, não falávamos de minha profissão com o orgulho que eu gostaria de ter falado aos amigos- eu me calava ), e aos poucos, médicos indicavam meu trabalho. Sòzinha, eu me orgulhava, mesmo assim!
   Eram tempos mais difíceis para as mulheres que, como eu, saíam do que era "habitual",esperado e permitido às mulheres direitas. E eu era direita, pessoal! sem falsidades, e por convicção! Naquela época ainda era preciso cautela, se uma mulher quisesse seguir por caminhos em que acreditasse, sem perder a família!
   Então hoje, fiquei triste de saber de sua morte, porque ele era um homem que incentivava as pessoas a viverem a verdade, dentro do possível e reconhecia como é terrível esta história de usarmos palavras para dizer o que "dizemos estar sentindo", enquanto o corpo demonstra outra coisa. Ele sempre dizia que as criancinhas não sabem ler, mas sabem perfeitamente quando sua mãe está com raiva, sofre, ou está feliz, pelo tom de sua voz, pela maneira que nos tira do berço ou pelo jeito de seu corpo e olhar. Ele sabia que nós somos sim, muito do que aparentamos por fora, pois nosso corpo é nosso, com nossa história, nossos sinais, medos e marcas, ou será de outra pessoa??
  Sua "voz" era ouvida nos meios de comunicação e nos livros que escreveu. Na época que o conheci eu tinha quase 40 anos e ele, quase 70!
  O tempo passa Gaiarsa....passou... quem sabe um dia eu possa estar com você para agradecer pela "força"!
   Um beijo, com respeito e carinho e minhas homenagens a você, Gaiarsa! Vá com Deus!
Texto : Vera Alvarenga
Foto de capa de um dos livros de Gaiarsa.

Clic para compartilhar com...

Compartilhe, mas mantenha minha autoria, não modifique,não uso comercial

 
BlogBlogs.Com.Br
diHITT - Notícias