quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Carta de uma filha, a seu pai...

Resolvi postar aqui a carta que Juliana, filha do nosso amigo Toninho Scardua escreveu ao pai. É uma despedida e uma homenagem de uma filha amorosa ao pai...
Com respeito e meu carinho, um beijo para vocês.Vera.


Pai...
Uma semana sem você!
Como é difícil encontrar palavras para definir tudo o que você representa para nós. Isso por um lado é muito bom, pois mais uma vez me mostra o tanto de importância e qualidades que você sempre demonstrou ter.
Hoje, mais do que ontem e menos do que amanhã te nomeio LUTADOR. Um lutador constante. Um lutador que teve sempre muito bem definido o seu grande adversário: a própria vida. Digo que foi sua vida pois você lutou contra a pobreza, as barreiras, as dificuldades, as dúvidas, as dívidas e por fim a própria vida. Você foi um cara que desde cedo teve uma historia de luta, mas uma luta com a vida, sempre pelo melhor.
Você veio de uma condição de vida muito simples, que segundo suas próprias estórias, tinha apenas um sapato e um chinelo para dividir com seu irmão mais novo. Algumas vezes iam cada um com um, mas muitas vezes, vocês trocavam para os dois poderem ir de sapatos, enfaixavam um dos pés (para dizerem que estava machucado) e nele colocava um pé do chinelo e no outro pé o sapato. E assim os irmãos iam de pés invertidos para a escola, porém ambos de sapato como queriam. Este primeiro exemplo que me lembro dele ter me contado mostra um pouquinho de tudo aquilo que ele foi, realmente um cara sem limites, em todos os sentidos, para alcançar o que desejava.
Meu pai não se importava de chamar a atenção, ele não se importava de se expor, ele não se importava de fazer trapalhadas ele simplesmente se importava com uma coisa: a sua família. Família esta que Deus quis que se formasse e que meu pai construiu junto com minha mãe, família que em nenhum momento, por mais difícil que fosse, deixou-se abater. Sempre fomos unidos e assim continuaremos, pois aquilo que Deus constrói o tempo não destrói.
A criatividade e a sorte sempre foram suas aliadas em sua luta, luta esta para sempre proporcionar o melhor impossível em primeiro lugar para nós, mas ele nunca, jamais, se esqueceu daqueles que vinham em segundo lugar... sempre tentando agradar e ajudar todo mundo, ele não tinha jeito. Meu pai foi o maior exemplo que se pode ter para o velho termo “frita o peixe e olha o gato”, ele fazia isso como ninguém. Está certo que muitas vezes ele “fritou o gato e olhou o peixe”, mas posso afirmar com toda certeza que tenho em meu coração que em nenhum momento ele fez qualquer coisa, o mínimo que seja para prejudicar alguém.
A sua incomparável alegria de viver encantava e contagiava a todos por perto, e não havia que não deixasse escapar um sorriso com as sacadas dele. Uma pessoa sem igual.
Assim como eu disse para a mamãe, a nossa vida é como um grande e colorido quebra-cabeças, muitas vezes temos peças de uma mesma cor, do mesmo tamanho, mas nunca de um mesmo formato. Assim são as pessoas, muitas podem ser parecidas, porém nenhuma será igual a outra, nenhuma pessoa ocupará o espaço de outra pois estas “peças” são únicas e especiais, portanto insubstituíveis. Meu pai é, foi e sempre será uma dessas pessoas únicas e insubstituíveis, terá sempre seu lugar em nossos corações.
Enfim, a homenagem que eu queria deixar para você meu pai e para todos aqueles que gostam de você é que você foi um grande lutador, e até o último minuto da sua vida eu sei que você lutou com todas as forças que tinha para mostrar a sua bravura e vontade de viver. No entanto, todo grande lutador merece o seu descanso após enfrentar um grande adversário. Você enfrentou meu amigo, sou prova e companheira da sua luta e sei mais ainda que o grande lutador não se importa só com o resultado final do placar, mas sim com a vontade de vencer que faz com que permaneça no ringue até o último segundo antes do anúncio final. Agora, só resta dizer uma coisa: DESCANSE em paz. A sua luta deixou marcas e fez estória e, com certeza, ainda que tenha perdido a sua última grande luta, você é um VENCEDOR.
Esteja onde estiver sei que acompanhou cada palavra que escrevi, assim como cada sentimento que tive ao colocar no papel (ainda que virtual) esta mensagem. Fique em paz e contagie com sua alegria aqueles que aqui ficaram rezando por você, àqueles que aí onde está te receberam muito bem e àqueles que continuarão ao seu lado.

Até qualquer dia.
Com saudades e amor
Sua filha, Juliana




terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A textura da pele...

    Olhei para meu braço e notei umas bolhinhas. Está muito calor,é final de verão. Minha pele está tão fina, que no calor, ocorre este fenômeno – se eu olhasse para ela com meu olhar de zoom fotográfico, poderia dizer que se assemelha aquele corinho de porco pururuca, em dia de feijoada, que a gente tem que passar longe para não colocar no prato.
   - Nossa, que exagero! é só um minúsculo pedacinho no braço!
  Pensariam que sou exagerada. Não estariam longe totalmente da verdade, contudo meus olhos sempre viram as coisas como máquina fotográfica e me distraio com as texturas, já de longa data.
   Dizem que, quando a gente se aproxima dos sessenta anos, a pele fica mesmo mais fina. Todos os velhos são mais doces e sensíveis, então? Sim, sabemos que muitos são, mas alguns parece que não. E doçura ou ternura precisa de pele e toque, mas não depende só de sua textura. Pele é uma coisa tão incrível, que acho que temos duas...assim como temos dois corações, aquele que bombeia o sangue e o que guarda os afetos.    
   Sou uma pessoa sensível, por isto minha pele é assim tão fina? Ou por ser minha pele tão fina, é que sou sensível? Então, todas as garotinhas loiras de olhos claros, como eu nasci, seriam mais sensíveis e precisam de maior proteção do que as negras,por exemplo? Só hoje se sabe que peles clarinhas precisam desta proteção e que peles negras também são sensíveis, se não tiverem proteção ficam esbranquiçadas, rachadinhas. Parece que os extremos tem problemas. 
   O bom para resistir ao sol, seria mesmo uma pele morena, assim como a de minha mãe. Podia ter herdado uma pele com uma boa mistura dos dois,mas tinha de "sair ao pai"..italiano. Ela, pele mais grossa, resistente, pele de índio e brasileiro, como ela dizia, ou como a do meu marido, pele de espanhol, mouros, índios, negro,tudo misturado eu acho. Seriam pessoas menos sensíveis? Cheguei a pensar isto confesso, contudo, ao olhar o caderno de desenho de minha mãe que guardo até hoje, vejo como ela desenhava e penso que não poderia ser insensível. Meu marido, há um ano anda escrevendo... até poesias! Certo que sua preferência são textos críticos e poesias políticas, mas evidente que mostra sua sensibilidade em algumas cujo tema é mais apropriado ao romantismo ou espiritualidade. Como ficamos, então? Não sei. Há pessoas de pele mais sensível que outras.Tenho certeza de que, a forma como lidamos com a sensibilidade interior, é uma questão de grau e oportunidades, e que a textura da pele é, de fato, algo que indica nossos limites. Ela é o nosso próprio limite e  cada um tem de aprender como lidar com isto.
   Nossa própria pele, nos ensina muito. Quem é muito sensível,seja de que modo for,com qualquer uma das inúmeras cores de pele, precisa criar “uma pele mais grossa” para proteger-se contra o que pode ferir... “pero, sin perder la ternura, jamais”! Pois é ela nosso primeiro contato, com ela afagamos nossos amados, sentimos o outro, somos afagados, sentimos o quanto o ambiente em que estamos nos aconchega ou nos re..pele. Ela é nosso limite mais externo e o que primeiro partilha do que somos, mesmo com os desconhecidos.
   Por isto a pele de quem amamos ou queremos amar, quando está longe, vem a nossa mente e imaginamos um afago em seu rosto, um beijo na face. Temos saudades ou desejo deste contato.
   Este contato, como já foi repetidamente comprovado cientificamente, nos mantém vivos. Sem afagos, pele a pele, criancinhas não desenvolvem todo o seu potencial. Ao mesmo tempo, podemos lembrar como uma palavra ou agressões físicas, nos ferem passando pela pele, indo até a alma.
   Divaguei. Viajei na minha pele, em lembranças e em saudades. Lembrei até o cheiro “de pele” que sentia na mão de minha mãe, quando eu dormia num bercinho ainda.
   Sabe de uma coisa? Talvez nossa pele devesse ser capaz de se tornar lisa e macia ao toque, quando a oferecêssemos ao afago daquele que a gente ama, e escorregadia quando em outras ocasiões, se fizesse necessário... e rugosa, quando triste, e áspera, quando...enfim, talvez a pele pudesse mudar de textura, a um comando do pensamento!
   Será que se eu pusesse novamente em mim, aquele olhar de zoom potentíssimo, não veria isto acontecer, em alguns momentos?  
Foto e texto: Vera Alvarenga

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Homenagem a você mãe,mulher aquariana...

  Hoje,quero falar de uma mulher que conheci. Uma mulher aquariana.
  Nasceu no interior de São Paulo, há tanto tempo, (1923) no tempo em que as meninas, geralmente, quando queriam estudar depois do ginásio, faziam o curso "Normal", para serem professoras.
  Isto já era lá por 1940!! Tudo bem, mas ela não queria ser professora,não! E começou a fazer seus planos.
  Queria ir para São Paulo. Queria ser secretária... e logo que pode ir morar com uma irmã já casada, foi o que ela fez - foi para a cidade grande e moderna,que se parecia com o jeito dela,  prestou concurso, fez curso de datilografia e se tornou uma das mais rápidas secretárias que o serviço público já teve. Como ela contava e os amigos dela também, datilografafa ...humm...não sei quantas palavras por minuto!!( não me lembro, desculpe, mãe. Estou aqui a falar da "senhora" e não me lembro de detalhes! rs.....) Mas ela não precisava que alguém falasse por ela. Não mandava recado, era franca, não tinha esta coisa de falsa modéstia, tinha muitos amigos e amigas que a queriam bem, era respeitada no ambiente de trabalho. Bem, eu me lembro que era vaidosa. Se vestia bem, embora simplesmente. Sempre de salto alto e batom vermelho, lá ia todos os dias, andando 7 quadras a pé até a Av. Santo Amaro, onde tomava o ônibus até o centro. Morávamos em Moema, na época. Enquanto esteve apaixonada era também uma mulher apaixonada pela vida e era social. Quando se aposentou, os colegas lhe deram um anel de brilhante - era muito querida.
   Quase na mesma época que se aposentou,separou-se do homem que amava. Sofreu muito, mas levou a vida ativamente pois mantinha amizade com amigas leais que se encontravam para jogar baralho e conversar por telefone. Dizia que a gente tem de cultivar amizades.
   Era uma mulher independente, orgulhosa, com seu próprio salário, sempre querendo repartir despesas, ou pagar as suas,nunca tendo sido um fardo financeiro para qualquer um dos 4 filhos, mesmo quando nos últimos 2 anos de vida foi morar com uma das filhas ( eu!),por estar com câncer. Bem, o que mais me lembro que me fazia orgulhar-me dela, eram duas coisas: seu caráter honesto e seu desejo de viver! Namorou algumas vezes e apaixonou-se sériamente aos 72 anos! rs..........me confidenciou na ocasião:
  - Filha, estou me sentindo tola, como uma adolescente! Eu adorei vê-la assim feliz e a incentivei, claro!
  Bem, era minha mãe, uma mulher corajosa, trabalhadeira, moderna, honesta, forte, independente, que valorizava suas amizades, sendo leal com elas, e que, para o seu tempo, estava um pouco à frente... Hoje seria seu aniversário se estivesse viva. Aprendi muito em meu convívio com ela, principalmente nos últimos 2 anos de sua doença, enquanto esteve em casa e já lhe apareciam os primeiros sinais de alzheimer. Eu a amei e quando ela morreu, eu estava ao seu lado, junto com minha irmã. Ela não suportava depender de alguém. Após sua morte, senti que estava comigo mais do que antes, como amiga então, e que poderia compreender melhor o que me motivou a cuidar dela do modo como fiz (ela não sabia de sua doença,pensava que tinha apenas a diabete).
   Assim, hoje me deu vontade de tomar um cafezinho com ela, como fazíamos, mas depois, me lembrei que estamos melhor assim, sem limites que nos impeçam de compreender uma a outra. Beijos, mãe. Meus respeitos.
  Imagino como ela seria rápida aqui no teclado deste computador!!kkk.......

Foto retirado do blog: imotion.com.br e google
Texto: Vera Alvarenga
 

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Carta a um amigo...

video


Carta a você, meu amigo Toninho...
   Nossa, como o tempo passou rápido,meu amigo!
   Sinto tanto saber que você está sofrendo de alguma forma! Outro dia mesmo, mais uma vez lembrei de vocês e pensei:
   - Como é que o Toninho conseguia trabalhar com o Alvarenga?! hehehe...lembra como vocês brincavam sobre aguentar um ao outro? Ah, tempos bons, né ? ( depois que ficamos bem de grana, claro!?) Nós 4 fomos mesmo, heróis nas nossas vidas. E ríamos muito juntos, lembra? 
   Quero que saiba, meu querido Toninho... sempre vou ser grata a você, por seus primeiros convites e insistência para o Alvarenga me levar para jantarmos juntos em tantos restaurantes,lembra? Foi você que começou isto, com aquele teu jeito social! Você sabe, cá pra nós, o Cesar tinha aquele jeito de não me convidar para as coisas sociais, não dava o braço a torcer, mas era ciumento, possessivo ..kkk......
   Com a Valéria, então, aprendi bastante e a admirava, pois eu tinha vindo lá de Bragança, onde passei anos dentro de casa, sem empregada, só cuidando da casa, marido e filhos.. e com Valéria, aprendi ( ela não sabe disto, pode contar, viu!) que tinha o direito de me vestir melhor ( pelo menos ir no Shopping e comprar roupas no C&A!!), e que mulher podia dizer o que pensava,  até nome feio ou contar piadinhas, não era feio não! Bem, pra ela não ficava feio ( sou fã dela!), eu nunca tive jeito pra contar piadas, levava a vida muito à sério ( tonta!!hehehe), mas com vocês, ria muito, lembra?
   Depois, começamos a sair para dançar no Restaurante Metrô, em Moema,lembra? Ôh, tempo bom! Então, eu e o Cesar criamos este "bom hábito"! Agora não posso mais dançar não...rs....você sabe, a artrose dói aqui e lá também! rs....... Mas é isto que eu queria lhe contar, Toninho. Sem que você soubesse, você foi muito importante para mim ( e Valéria) e será sempre! Não foi só um amigo do Alvarenga, meu amigo lindo, mas aquele que por ser amigo do Cesar, deu-lhe uma incentivada a acordar para o bem que nos faria sairmos juntos. E foi sempre muito bom, para nós quatro! As viagens e tudo o mais onde estivemos juntos, foram bons momentos e é isto que faz a nossa vida valer a pena, não é mesmo? Lembrar que vivemos bons momentos e fizemos a diferença na vida das pessoas.
   Mais uma coisinha, meu querido amigo. Quando moramos 10 anos em Floripa, longe dos filhos e amigos como vocês, eu me sentia muito solitária, ia para o meu jardim e ali, vendo as flores, observando-as em suas texturas, nas infinidades de cores e formas, padrões de seus desenhos e perfumes característicos, admirando-as quase em meditação, pude sentir, pela primeira vez na vida, a presença de Deus próximo a mim, como jamais antes tinha sentido! Não era uma coisa que eu pudesse pensar ou explicar, só sentir. Por isto, meu querido amigo, sugiro... se é que não está tomando ainda, tome FLORAIS DE BACH. A vida deste médico é muito emocionante! Peça para Juliana te contar sôbre ele. E ele conseguiu compreender que nas flores, estão essências que podia usar para as dores da alma e das nossas emoções. Ele tinha cancer e percebeu que, as flores tinham em si, o que era mais sublime, espiritual e desenvolvido, digamos assim, das coisas da natureza... acho que uma energia do bem e do belo, que tem reflexo também dentro de nós e na própria energia divina.
   Bem, meu  amigo, quero te abraçar carinhosamente,beijar seu rosto e lhe dizer, obrigada Toninho, pelas inúmeras horas que passei de alegria em minha vida, na companhia de vocês!! Abraço também a seus filhos e à especial Juliana, que tenho certeza, são bençãos na vida de vocês dois.
   Para você, Valéria, meu carinho e solidariedade de mulher que compreende o quanto seu coração deve ficar espremido aí no peito, quando vê seu querido sofrer.
   Beijo, Toninho, fiquem com Deus...e meu desejo de que você consiga tranquilizar seu coração e que dores não te judiem, meu querido. Tenha a certeza de que seu amigo Cesar te gosta muito também.
  Beijos a todos
  Vera Alvarenga.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Aprender a nadar,aprender a viver...

   Como era bom estar na água novamente!
   Final de uma tarde muito quente. A água estava na temperatura ideal. Envolveu seu corpo, proporcionou prazer. Conseguiria atravessar a piscina? Há meses que não nadava e mal havia aprendido! Ainda tinha medo. Uma vez, engoliu um pouquinho de nada de água mas como não dava pé, tossiu, se engasgou, foi horrível. Não queria lembrar. Não podia lembrar, ou não chegaria do outro lado! Afinal a piscina não dava pé, a não ser no início...ou no final de todo esforço.
   Deu uma braçada e mais outra. Estava indo bem.    
   - Engraçado isto! No início as coisas são fáceis, não parecem oferecer risco.Sim, era uma armadilha, sedução, um convite que parecia levar à ventura desejada, mas então no meio do caminho, tudo ficava mais difícil, quase impossível. Ela tinha certeza de que não dava para desistir...tinha que chegar até o final. O final, apesar de tudo,sempre traz uma possibilidade de sucesso e é seguro novamente, mesmo quando tristemente for apenas o final. Mas é preciso chegar lá, ver a linha de chegada claramente, ver as possibilidades. É impossível ficar em luta o tempo todo, para se manter na superfície e não se afogar...calma...mais um pouco, mais um pouco e você consegue.
   - Nossa, como isto cansa, vou desistir... seguro na borda,descanso e saio daqui. Respiro aliviada, no meu ritmo, volto para minha rotina e pronto. Não, não posso! Concentre-se. Sinta o corpo, pense nele, na sensação boa que vai ser poder entregar-se sem medo. Como é bom isto!
   Ela pensou nele. Por que não? Serviria de incentivo. Fazer algo bom para si mesma, a fez lembrar dele.
   - Dele quem? Do corpo? Atenção, calma, respire... Pra que fui inventar isto?
   - Ora porque é bom! pense, como é gostoso sentir o corpo cheio de vida, fresco...
   - Quem é gostoso? Ele ou o corpo? ou estar com ele?
   - Nada disto, estar aqui! Quase se engasgou...teve vontade de rir de si mesma. Valeu! O escuro da raia demarcada, dos limites estabelecidos, tinha terminado. Então, faltaria apenas mais uma braçada, duas e ...
   Não aguentou, parou antes do final. Frustrada,tirou a cabeça da água, como se há muito não respirasse! e respirou como para se devolver à sua própria vida. Ar é pensamento,raciocinar... precisava respirar devagar...recobrar o controle dos sentidos, acalmar seu coração que disparava quando nadava e também ainda quando pensava nele. Pensar nele ainda a fazia sorrir dentro de si. Sentiu-se frustrada. Não queria desistir. Disto não! Mas não queria fazer feio, engasgar, passar ridículo... Ora, para o inferno seus medos! Olhou para frente. Piscina quase vazia. Liberdade para tentar, errar. Como era difícil aprender a nadar ( e a viver!), como era difícil coordenar a respiração, o racional, com a água, tão teimosamente macia e perigosamente emocional! Contudo, valia a pena. Se conseguisse  sentir-se segura, se pudesse entregar-se totalmente a ele, sem medo...
   - A ele quem?
   - Ao coração, ao corpo, ao amor... juntar tudo e ela mesma, à vida, à emoção, à água... seria tão bom.
   Respirou fundo, procurou o salva vidas, estava lá, lá longe. Colocou novamente nos olhos o que a faria enxergar melhor dentro de tanta água, tanta emoção e foi, entregou-se ao seu exercício em busca do prazer de viver! Mesmo que tivesse de aprender a nadar sòzinha!

Foto e texto: Vera Alvarenga
   

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Edgard me convidou para este MEME...

Amigos, Edgard nosso amigo que gostamos tanto me indicou, então eu fui “taggeada”.Agradeço pelo carinho  deste sorridente prof. de Tai Chi, que trata a todos aqui com consideração, sempre com palavras de alegria!

O Tagged é: "Tag" é uma brincadeira em que você "toca" na pessoa e faz um "está com você", assim você tem que colocar coisas a seu respeito no post.
As "regrinhas" que não são bem regras, mas questões:
1- Você coloca a foto de tagged no post.
2- Falar 10 ou mais coisas sobre você (qualquer coisa), 5 ou mais manias (esquisitices) suas, 5 ou mais coisas que te irritam, 5 ou mais coisas que você adora, 5 hobbies seus; 5 coisas que ninguém sabe sobre você; seu maior sonho; seu maior medo; as coisas mais importantes na vida pra você.
3- Você ‘taggeia’ mais 5 pessoas para participarem da brincadeira!

 Os meus indicados são: Jackie,Márcia Canêdo,Vera Luz, Edson Gil e Fátima.
- 10 ou mais coisas sobre mim:
   1- Amo minha família. Tenho o maior orgulho de meus filhos e apesar de ter tido uma crise com o mau humor do meu marido e sua impaciência, eu já aprendi muito com ele e o admiro por muitas coisas!
   2- Apesar da pouca altura( estou copiando o Edgard nesta), tenho só  1,46cm. descobri que sou uma grande mulher, em algumas coisas...e uma nanica ainda em outras...rs.... E também jogava volei no colégio!
   3- Já publiquei 2 livros infantis nas Ed. Paulinas, que tiveram 5 edições e isto significa que pelo menos 12 mil crianças leram cada um dos livrinhos. Eu adoro pensar que pude fazer isto. Um dos livros era para ajudar as crianças a não temer pesadelos.
   4- Geralmente minha vida não tem tédio... não dá tempo.
   5- Meu jeito introspectivo e mais calmo de ser me proporcionou a chance de vivenciar uma criatividade efervescente que tenho dentro de mim ( agora muito menos,claro).
   6- Escrevo desde menina, poesias, músicas,enfim, se não escrever ...não sei...preciso escrever!
   7- Hoje em dia, minha pele do braço é tão sensível, que fica logo vermelha e descasca, por poucos minutos ao sol...mas sempre fui " à flor da pele" , mesmo que disfarce.Assumo meus sentimentos ( mas não sou chorona, nem fico magoada nos cantos. Me afasto, se estou triste, até passar.)
   8- Catástrofes me assustam, mas pessoas que manipulam a ingenuidade e crianças, me assustam muito mais!
   9- Adoro tirar fotos, mas não sei nada de técnicas. Meu filho uma vez disse que eu não servia para tirar foto de acidentes de automóvel, por exemplo, porque quando tirei do carro em que ele se acidentou, parecia mais bonito do que tinha sido, parecia arte! kkk..... Realmente, tenho interesse pelo belo, ele me atrai, mesmo que seja num gesto ou em algo que não se vê, logo de cara! Ver o ângulo melhor da vida ou das pessoas, está no meu olhar tanto quanto a cor dos meus olhos.
   10- Tenho uma vida prática. Sempre procurei conseguir algum (ou muito) prazer nas tarefas que tenho de realizar, assim, hoje comemos todos os dias em restaurante por quilo, adoro ter frutas ou sopa para o lanche, e sempre opto por algo que possa fazer de modo eficiente e mais rápido, para sobrar tempo para outras coisas que gosto. TENHO VOCAÇÃO PARA A FELICIDADE e a quero, hoje, acompanhada de tranquilidade e relativo conforto.
   11- Adorava dançar e cantar. Agora, tenho artrose e não consigo dançar mais, contudo, entrei numa aula de canto e vou participar de um coral. Muitas e diferentes pequeninas coisas, podem me fazer feliz...já fui feliz até com quase nada!
   12- A vida, para mim, é um presente, mas sem amor, não vale a pena! Tenho de amar, por convicção e sobrevivência! Seja uma pessoa, seja um projeto de trabalho, sejam os netos, ou um sonho... Sou uma pessoa apaixonada.
   13- Sempre fui extremamente leal e fiel, e hoje, é ainda mais um gesto meu, que será oferecido por convicção e não obrigação.

 5 manias ou mais esquisitices que tenho:
1- Gosto de começar a dormir sentindo meu companheiro ali ao lado, me abraçando( por alguns momentos).
2- Não gosto de ambientes escuros e fechados.
3- Em restaurantes,gosto de sentar-me de costas para a parede e em local onde, de preferência, possa ver as pessoas ou a paisagem, e não a cozinha!!
4- Quando vou dormir em hotel, gosto que o quarto seja claro e preciso olhar nos cantos para certificar-me que tudo está limpo e não tem baratinhas ...hehehe... Limpeza é um conforto que gosto de ter.
5- Gosto de encontrar as minhas coisas no escuro se eu precisar, portanto, tenho mania de organizar minha bagunça, para que isto seja possível.
6- Não consigo dormir se puder ouvir o tic tac do relógio! Preciso colocá-lo em baixo de almofadas e odeio acordar com o som estridente de um despertador!

5 coisas que adoro:
   1. Adoro beijo, abraço, cócegas nas costas e demonstração de carinho ou um gesto de gentileza quando menos espero....
   2. Adoro poder conversar com alguém que possa confiar, com quem possa sorrir e observar as coisas da vida com bom humor, com quem saiba que podemos ter opiniões diferentes, sem que isto seja motivo para sentir-se desafiado, porque eu gosto de aprender e só se aprende sendo flexível.
   3. Adoro a liberdade... de poder acordar mais tarde(8:30hs durante a semana e quase as 10 hs.no final de semana); de trabalhar na minha casa ou do meu jeito para render mais e poder ser criativa; de poder criar meus horários e agenda com flexibilidade; de escrever o que sinto; de comer o que tenho vontade, mesmo que seja uma fruta antes do almoço...( como sou feliz!!)
   4. Adoro fazer as coisas no meu ritmo, pois acho que já trabalhei muito e conquistei este direito.
   5. Adoro terraços, ou lugares onde eu possa sentir um pouco de vento e sentar para conversar, jogar baralho ( ou para ler,sozinha) e observar outras pessoas em seu movimento, sem que minha liberdade seja tolhida.

5 coisas que me irritam:
   1. Conversar com alguém que finge querer conversar, mas só quer fazer prevalecer suas idéias, ou se sinta contestado a cada pergunta que eu faça.
   2. o EGOÍSTA = Atitudes de mau humor com a vida e tolerância zero à frustração, querendo logo culpar alguém quando as coisas não saem como planejou, ou me pressionar para fazer as coisas num ritmo que não é meu,principalmente quando estou fazendo um trabalho pelo qual sou responsável.
   3. INTOLERÂNCIA- Alguém me ofender ou me julgar mal ( ou fazer isto com pessoas que eu gosto) porque não reagimos à vida, da mesma maneira que ela, e então tentar com isto,pressionar. Me irrita profundamente a incoerência de quem usa deste tipo de violência e diz estar defendendo o bem ou a paz.
   4. FALTA DE LEALDADE- alguém a quem confiei um sentimento,receio ou ponto fraco meu, e que fala disto sem nenhum respeito com outras pessoas, ou em voz alta, sabendo que como sou discreta.
   5. Gente que manipula a generosidade ou amorosidade que sabe que eu tenho - me conta coisas tristes para me impressionar, ou diz frases de efeito que sabe que vão me deixar ligada a ela de alguma maneira - é aquela pessoa que manipula, não tem nada verdadeiro para lhe dar mas quer prender você a ela, naquele momento que isto lhe interessa. Me irrita pessoas falando de amor com muita facilidade, banalizando o amor que a gente sente, para mudarem para uma atitude oposta, assim que lhes convém e sem motivo que não seja seu egoísmo.

5 Hobbies meus :
1. Escrever e meus blogs.
2. Tirar fotos.
3. Ler.
4. Refletir e Conversar.
5. Ouvir música e cantar.

MEU MAIOR SONHO:
 - Sentir a alegria de amar e compartilhar a vida com paixão, tranquilidade e respeito - e fazer uma viagem onde eu possa sentir tudo isto.

MEU MAIOR MEDO:
- Prejudicar alguém (principalmente as pessoas que amo) com minhas atitudes, ou com o meu modo de ser, pois gostaria de levar coisas boas para a vida das pessoas com quem convivo.

COISAS MAIS IMPORTANTES PARA MIM:
- Deus, Família, Amor, o homem que amo, saúde, amigos sinceros, e Gratidão - ser grata por tudo e cada coisa boa que tenho, por pequena que seja, pois, o dia que eu não puder mais reconhecer estas coisas, então estarei amarga ou muito infeliz.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

A bicicleta...

     Eu vejo meu vizinho, em algum momento de quase todos os dias, ali em frente, na calçada, conversando com algum amigo, ou limpando seu próprio carro, ou trazendo a mulher e os dois meninos de algum lugar, uma consulta talvez. São um casal de vida simples e ela está sempre atarefada com casa e família; quase nem saí ali fora. Ele faz compras, traz o gás. De vez em quando estaciona do outro lado da rua, os meninos descem do carro, e ele invariavelmente fala firme:
   - "Êh! olha a rua, garoto!", ou ainda "pera ái, menino"!
   Muitas vezes fala bravo e demonstra impaciência, chamando a atenção de um ou outro quando começam uma briga. E, às vezes, grita com um deles, mandando ir logo para dentro.
    No final desta tarde de sábado quente e preguiçoso, lá estava ele, com o filho maior, a ensinar-lhe a andar de bicicleta. Pela primeira vez eu o vi sem camisa. Devia saber que a tarefa a que se propunha, seria um exercício que lhe faria gastar calorias e suar em bicas. E como todo aquele que ensina um filho a andar de bicicleta, iniciou aquele vai e vem interminável  pela rua, empurrando e segurando a bicicleta com as duas mãos, dizendo algumas poucas palavras de incentivo. Eu tinha coisas a terminar no computador, mas era impossível deixar de olhar, de vez em quando.
   A porta de vidro do meu escritório que dá de frente para a rua, fica bem atrás do monitor. Notei que após algum tempo, ele já se distanciava mais, colocando apenas uma das mãos no banco, e de vez em quando abria os braços, feito galinha abrindo asas para proteger os pintinhos. Olhava para trás, quando o menino se desequilibrava ou vinha mais para o meio da rua e imediatamente, colocava a bicicleta na direção correta. Difícil tarefa, que requer coordenação, mas os pais geralmente estão preparados para ela. Tão mais fácil é corrigir a direção dos primeiros vôos dos filhos! A gente mora numa rua sossegada, mas bem numa curva, onde é preciso muito cuidado para não se surpreender e jamais se pode atravessar a rua ali, sem olhar atento para ambos os lados. Contudo, o pai fazia isto por ele e pelo menino, que ia afoito ultrapassando os limites do mundo, olhar fixo adiante, sem nem imaginar que não tivesse ali um anjo a cuidar da retaguarda.
   Até eu me preocupei. De vez em quando passam lá alguns carros ou motos barulhentos e numa velocidade que não combina com a calma do lugar. Contudo, as coisas correram como o esperado. Após muitas indas e vindas e dois tombos, pelo que percebi, o menino já andava sozinho.
   - Mãe, olha eu! E plóft, um tombo!
   E lá ia, novamente tentar, e feliz mesmo com o joelho levemente dolorido. Lembrei-me que foi minha prima que me ensinou a andar de bicicleta. Ela tinha quinze anos, eu sete. Caí, quando percebi que não estava mais me segurando,mas logo tentei novamente e consegui. A bicicleta era enorme para mim, e estávamos em um corredor do quintal. Quando eu dava impulso na coragem e nos pedais, e começava a sentir o vento no rosto, lá chegava o portão,quase a bater na minha cara. Tinha de coordenar a freagem com o rápido colocar os pés no chão, ou eu ia por terra. O mundo,naquele tempo, parecia menor, mas os quintais eram maiores! Para este garoto a sensação era de maior espaço e liberdade, pois a rua que sempre lhe fora proibida, agora era algo a explorar e a bicicleta, sendo apropriada a uma criança, por certo lhe proporcionava maior segurança.
   Notei que o pai estava cansado, mas orgulhoso. Não saía de traz do filho, lhe dando retaguarda, protegendo-o mas permitindo os dois tombos que presenciei. O menino se sentia cada vez mais confiante... e livre.
   - Pai, já sei í sozinho!  E foi mesmo, cheio de si. Por um segundo, o pai parou, coçou a cabeça, depois foi novamente atrás, protegendo.
   E pensei:
   - É pai, agora teu filho já sentiu o gostinho... e começou a te dizer adeus...o mundo hoje é bem maior...

Imagem: Google internet
Texto: Vera.
             

Clic para compartilhar com...

Compartilhe, mas mantenha minha autoria, não modifique,não uso comercial

 
BlogBlogs.Com.Br
diHITT - Notícias