Mostrando postagens com marcador amigos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador amigos. Mostrar todas as postagens

sábado, 28 de novembro de 2015

Faltou energia..e agora?!

                                         
                                              Com a Primavera vieram as chuvas e com elas, o vento forte e  pluft, lá se vai a luz.
E agora? Dá aquele susto. O que vamos fazer sem a TV, sem a Internet, em plena tarde de sábado? Caminhando pelo condomínio logo vimos o motivo. Desta vez não foram galhos de árvores caídos sobre os fios na esquina lá fora, mas uma grande folha de palmeira que sacudiu, com a ventania, o cabo do poste que se soltou com um estouro.
- Cuidado, não passa por aí!
   Avisavam os rapazes enquanto colocavam sinais e faixas para impedir que alguém passasse por baixo do grosso fio de alta tensão que estava apoiado lá em cima e por um triz não caía balançando sobre a calçada e sabe-se lá, sobre algum carro ou pior, sobre alguém!
Depois de algum tempo, caminhão e homens da Eletropaulo estavam lá para dar jeito na situação.
   Nada mesmo pra fazer, então resolvi descer e ver tudo de perto. Um dos homens já lá em cima, naquele pequeno compartimento que sobe e desce a seu comando. Eu acho um barato! Coisa importante para facilitar o trabalho destes homens que precisam fazer emendas nos fios.
   Ao chegar perto percebo que muita gente teve a mesma idéia - distrair-se olhando os homens consertarem o cabo para que cada um de nós pudesse se recolher e voltar logo à intimidade de suas casas, tomando uma cervejinha gelada ou um banho ( hoje está muito quente), sentar-se à frente de uma TV ou computador.
   Enquanto a vida não voltava ao normal, a televisão improvisada na rua, bem no meio do condomínio, mostrava para alguns, as cenas dos homens trabalhando. Cada um dos espectadores sentou-se num banco ou pedaço da mureta. Uns comentavam que os homens bem que poderiam cortar as folhas da palmeira que continuariam a representar um perigo. Discutiam sobre o absurdo que já acontecera semanas antes num dia de chuva, quando o pessoal da Eletropaulo não cortou galhos de uma árvore próxima dali porque diziam que só a Prefeitura poderia fazê-lo. E disto resultou horas de falta de energia quando um destes galhos caiu de fato como estava previsto, e se enrolou nos fios! Nosso bairro, como alguns outros, tem muitas árvores lindas e antigas mas que deveriam ter seus galhos cortados na altura em que encontram com os postes de luz. Contudo, ninguém toma providência, a menos quando um acidente acontece. Evidentemente deve ser muito mais caro consertar do que prevenir, por esta razão não compreendo porque a prefeitura não toma as medidas preventivas necessárias.
   Eu acho que me cansei um pouco de ter vivido tão quietinha no meu canto. Ali sentada, junto ao marido, conversei com um recente amigo, animado e divertido. Ouvi comentários de alguns que achavam que tudo era muito simples para demorar tanto tempo para ser consertado - sempre tem quem apenas observa mas acha que faria melhor. Conversei com um homem jovem que por sinal tem a idade de meu filho mais novo. Acabamos falando sobre crises, recomeços de vida - a nossa e a dele- pequenos milagres que surgem em momentos de grande dificuldade - e eu tinha alguns exemplos para contar - falamos de sonhos, projetos, fé, força apesar de tudo e sobre os filhos e ele falou igualmente de suas coisas porque foram alguns minutos de uma conversa que podemos honestamente chamar de diálogo. Interessante como  gostei de ter saído do meu cantinho para ir até aquela imitação de TV comunitária, onde, por um acidente, as pessoas se viram compelidas a se aproximar e olhar para a mesma direção, enquanto jogavam conversa fora.
   Alguém bateu palmas( confesso, fui eu). Viva! o homem na cadeirinha suspensa cortou 2 galhos da palmeira. Beleza. Além de emendar os cabos, fez o serviço completo! Mereceu as palmas.
   E logo, todos voltamos para nossos apartamentos. E lembrei-me de minha adolescência quando morava numa casa térrea lá em Moema e aos sábados meu pai assistia futebol ou tirava um cochilo na sala, minha mãe fazia pipoca e eu tocava violão no jardim da casa e conversávamos com os amigos e irmãos, ou jogávamos ping pong. Em meu tempo de casada, raras vezes recebemos amigos em casa. Meu marido é carioca e sempre preferia sair, a receber. Crises, a vida corrida enfim, falta de hábito dificultado também por muitas mudanças de residência, o que nos impedia de conhecer as pessoas por tempo suficiente para convidá-las para nossa casa. Me deu saudades também de uma amizade adulta num tempo mais recente, quando eu tinha um amigo com quem era muito bom conversar.
   Apesar de eu ser uma pessoa que gosta de seus momentos de solidão criativa ou relaxante, que é mais introspectiva do que social, acho que hoje em dia muitos de nós sente falta de amigos com quem conversar e mais que isto, com quem apenas conviver, ficar ao lado pra relaxar sem a obrigação de puxar conversa mas partilhando momentos.
   Quem diria que alguns momentos de falta de energia pudessem me trazer tantas lembranças, um bom papo, um convite para o almoço amanhã e o prazer de presenciar um homem que soube tomar sob sua responsabilidade, além do dever de consertar algo, a decisão de prevenir para evitar novos acidentes. Beleza.
   


quinta-feira, 29 de outubro de 2015

A música......

 
 Ela caminhava lentamente pelo longo corredor e se perguntava porque, ás vezes, era tão difícil deixar a luz entrar e ver as coisas como realmente estavam, sem que seus olhos se ferissem com a claridade e preferissem continuar à meia luz . O tempo havia passado tanto para ela quanto para tudo o mais naquela casa. E de novo, naquele dia, sentia que a vida fora escrita com movimentos, tons e compassos nem sempre harmoniosos, mas que ela procurou acompanhar.
  Sentia-se desanimada. Por mais uma vez sua segurança estar sendo abalada por movimentos concebidos no passado, inspirados por impulso num ritmo desordenado, muitas vezes, diferente do dela. A vida, entretanto, era assim. E ela dançava conforme a música! Contudo, por vezes, sentia-se exaurida de toda a sua força. Como agora. Era assim que se sentia. E andava por aquele corredor que parecia não levar a lugar nenhum. Andava. Simplesmente andava, movida pelo movimento destituído de razão esquecido de si mesmo, como pela inércia que instiga o ir para a frente até encontrar uma barreira.
  Nossa! como ela desejaria poder parar, com um objetivo em mente e um significado no coração a inspirar o próximo passo daquela dança da sua vida! Abrir os olhos realmente e abrir uma nova porta, sem medo de entrar, de olhar e de ser olhada, apesar do tempo que passou.
 ........... E ele estaria lá, sentado na cadeira preferida, com uma gatinha no colo, absorto, ouvindo música e lembrando do cheiro das parreiras. Talvez tomasse vinho. Haveria uma cadeira ao lado da dele, só para ela. Ela teria companhia para ouvir música. Se emocionariam juntos. Talvez...
   Ela tinha vindo pelo corredor a ouvir música. A música a emocionava. Curava-a de muitas coisas. Fazia seu espírito flutuar para um lugar distante daquela incerteza, daquela falta de tranquilidade, daquela ausência de paz e da alegre mansidão que acompanha os que, verdadeiramente, não estão sozinhos quando lhes chega o período do início da velhice.
  Então ela se aproximou dele. Deixou-se envolver pela música que ele ouvia. Tocou delicadamente seu ombro. Seria bem vinda?
  Ele surpreendeu-se mas a recebeu como se a estivesse esperando. Pegou sua mão e a puxou para perto de si. Ela sentiu uma sensação boa tomar conta do corpo todo. Acarinhou o rosto dele, tirou-lhe os óculos e delicadamente beijou-lhe a testa, depois as faces. Ele procurou seus lábios. Beijaram-se num beijo que só não foi mais longo, porque ela não pode conter o riso. Na verdade, foi um sorriso.
  Então, riram juntos. Eles desejavam poder sorrir! Ah! Finalmente ela podia descansar nele. E ele, receber o carinho dela. Eles, embora de nada tivessem esquecido, estavam imaculados, como uma pauta em branco. Este beijo e a música a curavam de tudo, até do tempo e da idade. Ele, poderia aceitar a idéia de curar-se de antigas dores. Ela podia ser feliz, sem receio de que sua felicidade por pequenas coisas fossem incomodá-lo. Havia só aquela nova canção, agora! Para os dois.
  Pediu desculpas por não ter conseguido conter o sorriso. Ele já sabia porém, que ela ria com este jeito bobo, quando adorava o beijo. Ela era assim. Ria quando o beijo era bom demais. E este era, sem dúvida!
   Aqueles livros na estante, o pássaro dourado na janela, a gatinha e tudo o mais testemunhavam um encontro tardio, mas de um verdadeiro e prazeroso amor a ser vivido a partir daquele instante. Não importavam as razões, as motivações, apenas a certeza de que estavam decididos a viver, da vida, os momentos que lhes restavam, numa dança harmoniosa, de quem sabe acompanhar, com passos firmes, o ritmo da música que escolheram ouvir.

foto/texto; vera alvarenga  

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

O verde muda rápido de tom...ou de cor...

 
O verde muda muito rápido de cor... Ante ontem, quando vim ao terraço olhei para cima. Entre onde eu estava e o céu, havia apenas o prédio mais na lateral e centenas de brotos, pequeninos botões verde claro, na árvore em frente. Ontem saí e nem cheguei ao terraço. Agora no final da tarde sentei aqui e, ao olhar para a árvore...
- Onde estão os botões eu não sei. Sumiram. O verde claro dos botões, claríssimo como costuma ser o verde da esperança, foi substituído por muitas folhas pequeninas de tom mais escuro. Entre eu e parte do céu agora, há uma renda esverdeada que, inclusive, me impede de ver as janelas de quatro andares do prédio do qual falei. Não é pouco! A mudança se deu,mas eu esperava por isto. São fases e nós, eu e a árvore, vamos nos relacionando assim, num estreito e significativo convívio. E não estou reclamando, porque bem gosto de me sentir como num ninho em meio às árvores. E ela sabe que tem todo meu amor e admiração, esteja nua, apenas com botões, coberta de folhas ou florida. Só constatei que as coisas vivas modificam nossa visão do mundo e até do céu, num tempo em que pertence a elas, e não a nossa vontade ou acomodamento. Isto me fez lembrar de outra coisa.
   Ainda ontem, quando eu via em meu blog uma luzinha verde acesa lá, numa determinada cidade, invariavelmente ficava feliz. Ela pertencia a alguém e tinha significado. Era uma felicidade pequenina, mas do tipo daquela que alegra a gente e vem lá de dentro, do coração, como se a gente estivesse mais perto do céu. E eu me acostumei com ela e ela me fortalecia. O tempo passou. Já não vejo mais aquela luzinha verde claro brilhando, e quando a vejo já não posso me alegrar porque não sei mais a quem pertence, há algum tempo que ela se desvinculou da presença à qual pertencia todo o significado. Na natureza, as estações tem suas características e sei o que posso esperar da árvore que me serve de ninho aqui, frente ao meu terraço, porque eu a conheço um pouco. Temos uma convivência franca e amiga já de mais de três anos!
   Seres humanos não se deixam conhecer assim. Não são nada previsíveis. Sua "natureza" nos confunde.
   Acabo de me lembrar que, uma luz verde hoje talvez só me traga a certeza de que é hora de atravessar a rua correndo porque logo ela estará vermelha e me sinalizando que, se eu não estiver à salvo, um carro mais aflito pode me passar por cima!  
foto e texto:vera alvarenga

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Tuas palavras...


De que é feito o teu dia?
Tens, na tua história, eu sei, muitas palavras. Falo de tuas palavras...
Certamente muitas foram ditas, escritas ou lidas para um outro ouvir, mais algumas discutidas. Poucas ficaram no ar, talvez o vento as tenha levado e alguém as tenha apanhado pensando ou sonhando que era pra si. Erro que alguns cometem.
   Imagino que nem sempre tuas palavras foram compreendidas, talvez até algumas tenham sido mal interpretadas, superestimadas. Com palavras escreveste um livro que não li. Com elas também por certo ensinastes muito das coisas que aprendeste em tua vida. Amigos teus, quem sabe tenham saudades de tuas palavras ou dos efeitos que elas podem causar. Tuas amizades vivem também de tuas palavras.
   Palavras saíram de tua boca como oração, em alguns momentos talvez como sufocado lamento. E eu lamento não ter te abraçado nesta ocasião.
Tuas palavras por vezes podem ter incentivado alguém, haverá casos em que magoaram, outros mais raros, que elas ajudaram a elevar a auto estima de uma pessoa enquanto eram dirigidas a ela. Sei que muitas palavras se calaram em tua boca.
   Acredito que em voz baixa tenhas confessado algo de teus sentimentos a quem podias confiar, e sussurrado algumas das mais preciosas bem perto de quem as merecia ouvir. Tem sorte aqueles que ouvem palavras de um querer bem maior que nossas palavras podem descrever!
   Tanto falei em palavras que lembrei que por vezes tive sede daquelas que chegam como bálsamo ou beijo morno quando estamos feridos. Ah! eu gosto de palavras com significado, e sinto falta também de algumas leves porém sinceras, daquelas cujo significado não vai além do desejo de simplesmente alegrar nossos dias e a vida.
   Mas volto a ti, pois é de tuas palavras que falo.
   Onde estão agora? De tua vida, como será agora o livro que escreves e que eu não posso ler?

foto/texto Vera Alvarenga

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Meu aniversário...

 Ontem foi meu aniversário!
 Por isto quero oferecer flores aos meus amigos, amigos/as virtuais presentes através de seus recados carinhosos e também ao meu especial amigo que está ausente, e aos familiares presentes e ausentes que fizeram do meu dia de aniversário, um dia especial. Obrigada!
  E quero contar como foi o meu dia ontem. Foi um dia feliz. Apesar do susto e da correria...
   Estava frio. Fui a pé encomendar o bolo e depois ao supermercado comprar flores para a nora que amanhã comemora aniversário de casamento.
É uma ladeira até lá e como caiu uma inesperada chuvinha, fomos mais depressa, o que afinal, serviu pra esquentar. Ao chegar em casa já era tarde, quase 16 hs., não tínhamos almoçado. Precisava telefonar, pedir o almoço e atender o celular que tocou ao mesmo momento. E tinha outras providências a tomar antes do jantar a convite da nora, para comemorar o meu aniversário e o deles.  Logo mais, no quarto, ao trocar as bolsas...Céus!... não consegui encontrar minha carteirinha com meus cartões de crédito.. Onde deixei? Onde está? ONDE?? No supermercado, com certeza! Lembra Vera, quando você pegou o cartão pela última vez? eu me dizia... Ah, já sei! no balcão bem quando levei as flores para embalar.
- Você tem de ter mais cuidado, mais atenção! É muito desligada...
- Mas você tava com pressa... Quem já se deu conta algum dia de ter esquecido documentos e cartões de crédito em algum lugar público, deve saber como me senti. É uma sensação de urgência que nos faz agir por impulso e em direção a qualquer coisa que possa reverter os aborrecimentos que viriam caso se confirmasse a perda.
 No caminho fui orando para que Jesus me ajudasse a encontrar a carteira e pensei:
- Poxa, no dia do aniversário perder documentos... e crédito?! ... não era bom sinal!!
   Estava cansada mas voltei, a pé, ladeira acima em busca de encontrar a carteirinha, meu único tesouro mesmo que os baús no banco estivessem quase vazios.... sabe-se lá o que faria quem encontrasse meus cartões! Ainda que não pudesse sacar, sei lá, há gente tão "esperta" hoje em dia que está tão acostumada a ver corrupção e roubos impunes, que se aperfeiçoou em extrair dinheiro até mesmo de poços sem fundo!
  Cheguei ao supermercado quase sem fôlego, mas me controlei e falei calmamente como é meu hábito. Por dentro havia a certeza que eu teria a sorte de reaver o que quase perdera. Para minha aflição, disseram que não encontraram nada. Fiquei mais aflita. Sugeri afastarmos um pouco o balcão afinal, não sou de desistir. Fui até o caixa. Logo em seguida, para meu alívio, uma senhora que me ouviu perguntar à moça do caixa, foi logo se apresentando. Ela havia encontrado a carteira! Ah, que bom! Foi comigo ao balcão de atendimento afirmando que a entregou lá. Mas, infelizmente a moça do caixa perguntou-me: - É uma roxa, deste tamanho? Não! então tive de dizer - não era a minha.
   Saí do mercado desanimada e o cansaço só não me abateu mais porque estava preocupada com o trabalho e providências que teria de tomar, ligar aos Bancos etc .... Hei, espere aí! Me deixa ligar pra casa novamente e ver se o marido não a encontrou na sacola do supermercado..Não sou de perder as coisas! Ao contrário, sempre fui boa para ajudar a encontrar coisas perdidas, como iria desistir e me entregar à decepção.... Alô, então, você...Ah! Pois ele a tinha encontrado! Estava lá. Que alívio!
  Estava já para atravessar a rua a caminho de casa, mas voltei ao Pão de Açucar para agradecer e contar aos funcionários que me atenderam, muito bem por sinal, que o que fora encontrado, nem tinha se perdido! Ou vice versa.  Cheguei em casa às 17 hs. muito cansada, com dor nas costas e frio, pois tinha tomado mais chuva. Contudo, o alívio era grande e, de qualquer modo, meu coração provou ser resistente! O marido perguntou se eu queria descansar, suspender o jantar.
  De jeito nenhum! Afinal, se a gente encontra forças para correr na chuva, embora o coração quase saia pela boca, andar de cá pra lá e de lá pra cá por conta de uma preocupação, por que não encontraria forças para ir comemorar meu aniversário com ele, os filhos, netos e nora??? Se a correria me fez esquecer que tinha deixado a carteirinha no lugar errado,e o medo me fez correr atrás do que não estava realmente perdido, a aflição acabara no momento em que tive a boa notícia.
- Graças a Deus! meu "pequeno tesouro" estava seguro em casa, e "eu ainda tinha crédito" ! Era isto que importava. A lição que tive de aprender? Bem, tenho de reconhecer que estou numa fase em que é necessário respeitar meu ritmo, muito mais tranquilo agora. Não estou mais no tempo em que eu conversava com um filho, mexia a mamadeira com uma das mãos, enquanto segurava um dos outros bebês no colo e ao mesmo tempo era capaz de pegar algo pequeno que houvesse caído no chão, com um dos pés. Hoje em dia, ser apressada em fazer muitas coisas ao mesmo tempo, dispersa minha atenção. Uma coisa de cada vez é melhor...rs...
   O tempo passou muito depressa! Já tenho sessenta e tres anos!
   A comemoração? Foi ótima! O jantar maravilhoso! Vinho harmonizando com a entrada, vinho harmonizando com a carne... e outro com a sobremesa. Tudo para a norinha treinar o que estivemos aprendendo na noite anterior, num jantar com degustação de vinhos ao qual fomos com eles, a convite da nora. Mas isto é uma outra história...
  - Huummm... Tudo muito bom...e tudo regado a bom humor, carinho e tranquilidade.

Foto e texto:Vera Alvarenga


sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Brindando à vida...um novo relacionamento...

A esta altura da vida, ainda estou a experimentar o que não tinha tido vontade ou oportunidade de fazê-lo. Provar o que ainda não tinha provado, isto bem combina comigo agora. Não porque seja inconstante ou esteja descontente, mas por ser de natureza curiosa e gostar de brindar às oportunidades de apreciar novos sabores da vida. E não vou a elas a correr destrambelhada, mas quando vem a mim, aceito-as alegremente, compartilhando-as sempre que possível.Tais oportunidades satisfazem minha alma, meu intelecto, meu corpo ou meu espírito, dependendo das circunstâncias.
   É como estar em um relacionamento recente no qual experimentamos, pouco a pouco, todo o prazer que as novas descobertas e situações podem nos trazer. E, dependendo de como vamos nos dedicando a ele, o que começa como uma paixão pode transformar-se em um amor que longe ficará do tédio. É o que está acontecendo com o vinho tinto.
 Embora eu tenha feito uma escultura com este nome " BRINDANDO À VIDA" onde há uma taça de vinho inclusive, decidi, há pouco tempo, finalmente dar mais atenção a ele. E disto nasceu um relacionamento promissor, pois parece que tudo está indo muito bem. É o tipo de relacionamento que não teme sair dos momentos de intimidade para o social, emprestando a este gesto generoso de partilha com amigos inclusive, uma sensação ainda maior de prazer e até alegria.
Gosto de sua companhia quando estou a preparar algum refeição especial e, por mais simples que ela seja, por não ser de praxe e estar acompanhada dele, ela se torna sempre especial. A presença dele ali comigo é tão apropriada quanto o é, aquele abraço que nos chega de surpresa, e vem macio, dado pelo homem que a gente ama quando, num minuto, decide nos mostrar que aprecia estarmos ali preparando aquela refeição.
  Desfrutar dele principalmente à noite, na intimidade do meu cantinho, quando sozinha me aconchego no sofá lendo alguma coisa ou fico em frente ao computador escrevendo, é um maravilhoso hábito recente e que me dá prazer. Apreciar a companhia do homem ou do vinho certo, sempre nos dará prazer, não é? Se tivermos ambos, e de quebra, uma agradável conversa então, será provarmos um instante do paraíso!
   E estou assim, a descobrir pouco a pouco, como ele se comporta e com o que combina dependendo das uvas e tudo o mais que compõem a sua história e o que ele é. Vou, deste modo experimentando-o, conhecendo-o. Ontem, num ambiente muito agradável, em muito boa companhia e comemorando o aniversário de uma de minhas noras, a Cláudia, provei o Malbec Catena, 2011. Delicioso!
   Bem, é claro que tudo depende de uma interpretação pessoal e tem de combinar conosco, com nosso gosto particular, com o que nos dá mais prazer e com o desejo de transformar um simples relacionamento inicial em um amor duradouro... talvez para o resto da vida.
Foto retirada do Google imagens
Texto :Vera Alvarenga    

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

"Vende-se" ou, Cada um vê o que quer...

Olhe esta foto e escreva um pequeno conto, dizia o desafio daquele blog.
E eu que estou habituada a imaginar... escrevi. Aliás, também estou acostumada a um fato incontestável - cada um vê o que quer naquilo que se desvenda a seus olhos...
Meu conto foi classificado em 1º lugar e ganharei uma caneca do blog "Olaria das Letras" que lançou o desafio. Clic na foto para ampliar e me diga por que o amigo de Naldo ficou tão aborrecido, afinal?...rsrs...
Então, lá vai:

"Vende-se"
Naldo vinha descendo a ladeira em direção ao ponto de ônibus e passou na frente daquele bar. Vinha cansado, mas depressa. Nem olhou para os lados. Queria chegar logo em casa. O carro estava na oficina, justo hoje que ele decidira andar pelo bairro à procura de...
- Oi Naldo, como vai cara?Você sumiu depois que ficou bem de vida. Quem é vivo aparece, né? Senta aí  pra gente botar o papo em dia! Soube que você terminou com a Miriam, verdade? Você era ligadão nela, não era?
-Sim, verdade, mas agora tô em outra. Nada de compromisso sério enquanto não realizar meu sonho, amigo. Olha, não posso ficar muito tempo. Tô cansado.
- Já sei, não quer falar no assunto. Compreendo. Então, vai voltar pro bairro?
- Não é isso. Já disse que quero outra coisa na minha vida agora.  Andei muito hoje procurando...hei, aquela ali me serve!
- Serve pra que? Pra teu sonho é? Desculpa amigo, mas não serve não!
- Como não? Me serve direitinho. É só dar um jeitinho nela.
- Já disse que não é pro teu bico!
- Ué, por que? Neste estado não pode ser muito cara.
- Escuta aqui, eu estou de olho nela faz tempo e...
- Então porque não comprou antes?
- Ela não está à venda não. É a mulher que eu amo, cara! Me respeita. A Miriam fez bem em te largar. Você não toma jeito mesmo, seu bundão! E sabe do que mais? Fui!

-  Mulher!?  que mulher??????

Conto: Vera Alvarenga
Link do Blog, para você participar

domingo, 21 de julho de 2013

Amanhã...tomar um café e lembrar dos amigos...

 
Minha avó já dizia..." Burro velho não pega trote!"
Pois então... eu estava aqui pensando...quase meia noite e vi agora pouco no Face que é dia do amigo. E tem gente que tem muitos amigos.
Destes que a gente encontra de vez em quando, para beber alguma coisa, conversar, rir um pouco, falar da vida, ir ao cinema junto e comentar sobre o filme, falar abobrinha, contar os planos...enfim...( ou será que é só literatura?...rs). Amigos não caem do céu, de repente. Vem do trabalho, da escola ou das proximidades...sim, são os que se aproximaram e assim ficaram. Amigo lembra abraço e, para isto precisamos estar próximos de vez em quando.

Bem, eu sou uma mulher comum e tive alguns poucos e bons amigos... tenho ou tive, nem sei... porque na verdade a vida de gente como eu foi passando e cheia de coisas pra fazer, um trabalho dentro de casa e o da cerâmica que ocupou quase o tempo todo, e os amigos foram ficando distantes,seja pela distância fisica, seja por falta de tempo ou pela ausência do hábito de conviver...
Pena isto. Acontece com muita gente, esta solidão que a gente aceita como parte da vida.
   Hoje, depois de 17 anos volto para São Paulo, mas não me aventuro a sair por aí de carro, sozinha, para rever os poucos amigos que sobraram. E sempre penso que eles estão ocupados, tem sua vida para cuidar, o que diríamos um ao outro? Sim, amizade é algo que se deve cultivar, para ser natural e não ser sentida como uma "interferência"... interferir no que mesmo? Nos hábitos solitários ou exclusivistas de cada um.
  Na verdade, o que estava pensando é que, apesar do meu jeito mais introspectivo, da total falta de hábitos sociais, bem que hoje gostaria de ter criado o hábito do encontro com um amigo ou amiga, daqueles por quem a gente sente carinho especial, afinidades, e com quem se sente muito à vontade. Ah! pelo menos uma vez por mes, ir a um cinema ou ir apenas tomar um café, jogar baralho, conversar, sorrir um pouco... sair do meu cantinho, que eu adoro, é claro, mas que ainda estaria aqui quando eu voltasse.
...Mas, burro velho não pega trote. E não tenho este hábito de sair por aí, só por sair...

Amanhã, contudo, vou sair... mesmo sozinha..aqui pertinho, num café. Vou sentar-me lá... E fazer o quê???
Talvez eu leve meu kindle que comprei recentemente. Fico lá por alguns minutos. Vou lembrar do meu amigo Antonio Carlos, com quem uma hora de papo passava tão depressa e sempre guardávamos algo a dizer, para a próxima vez. E vou me lembrar de cada uma das amigas ou amigos que eu bem gostaria de ter ali do meu lado para conversar um pouco! Um de cada vez, claro! ou no máximo 4, para que a conversa pudesse ser mais íntima, olhos nos olhos, todos realmente interessados um no outro e nas coisas que tivéssemos a contar. Vou saborear meu café delicioso, caminhar pela sombra das árvores da rua onde moro e feliz por estar viva e nesta maravilhosa condição que me proporciona optar por este prazer!
   Ainda bem que a internet e os emails nos aproximam dos amigos que a gente quer bem.
 


segunda-feira, 27 de maio de 2013

Brindar à vida, é sempre bom...

 - Nossa, que tarde, porque não me acordou?..rs..
 Mas vamos assim mesmo, decidi. Sim, é isto que quero de presente de aniversário...me leva até lá?
   E fomos. Pela segunda e última vez, porque acho que não pretendo voltar mais ao Horto. Já deu, e "é longe pra dedéu" ! Quase uma hora, de carro. Mesmo com um bom motorista..se não fosse meu marido levar-me, não iria nunca! Sou o tipo de "mulherzinha" dependente para estas coisas...
  Passamos no Supermercado e comprei um lanche para o Pic-nic. Há quanto tempo eu não fazia um! Sem toalha xadrez, que não me aventuro a sentar-me no chão, com meus 62 anos se aproximando...
  O lugar é lindo. Tirei as fotos que queria.
Assim comemorei no domingo, de uma maneira simples e econômica, o aniversário que se aproxima.
O marido gostou de ter ido ( aliás, confesso com orgulho que nunca o levei a fazer algo que se arrependesse, no final das contas...rs...).
Conversamos com mais dois casais que também achavam que, podermos ver aquela paisagem era uma benção de Deus. Eu, com certeza, tenho motivos de sobra para pensar assim. Meu marido conversou mais, eu fiquei mais com minhas fotos e minha calma meditativa... que bom ter saúde para estar ali ( só não sei se amanhã vou andar sem manquitolar um bocadinho.. de tanto que andei!).
Umas coxinhas com catupiri, risoles de palmito e um refri. Delícia de almoço, depois de caminhar devagar sob as árvores, por uma hora, tirando fotos e admirando a natureza. Teve até pipoca doce, daquela vermelha, que comprei na saída do parque, e eu adoro, me lembra a infância!
  Amanhã mais um dia. E, no final da tarde, com certeza vou levá-lo para tomarmos um cafézinho logo aqui ao lado, numa das cafeterias - Fran´s Cafe´ ou Kopenhagen. Minha nora me levou lá um dia e eu tomei um café com chocolate delicioso...
Finalmente consegui postar estas fotos, depois de sofrer um bocado aqui no meu windows 8, onde não sei lidar com as fotos do modo fácil de antes. Acho que vou mandar colocar o windows XP no meu computador novo, porque percebi que, quando a gente fica mais velho, é melhor simplificar as coisas, não cansar muito a cabeça e não perder muito tempo fazendo o que antes fazíamos na metade do tempo, mesmo que de uma forma mais antiquada.
Amanhã será outro dia, e eu pretendo vivê-lo da melhor forma, se me for possível. E na 3ª, à noite, comemorar com familia e netinhos o meu niver, numa pizzaria, e tomar uma cervejinha geladíssima. Que bom quando podemos comemorar e brindar a vida! Que bom quando podemos incluir na comemoração as pessoas que a gente ama...se eu pudesse incluiria também alguns poucos e bons amigos que me são muito caros e estão no meu coração.
Texto e fotos: Vera Alvarenga.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Amigos da rede social.

Muito se fala dos perigos que trazem a internet e suas redes "sociais". Como tudo na vida, "há perigos na estrada". Nas redes sociais encontramos amigos, amigos e amigos, pessoas de todo tipo, com as quais temos todo tipo de relacionamento. Com elas conhecemos e exploramos nossos diferentes jeitos de ser e sentir. Há gente que se torna tão importante que nunca mais perderá o lugar de honra em nosso coração, há aqueles que sentimos amar em alguns momentos, outros que se tornam amigos especiais e presentes, mesmo à distância. Com tantos aprendemos sobre a vida, as pessoas e sentimentos.
Há ainda os que a gente pensava que era para sempre e, de repente, desaparecem deixando saudades, embora o gostar permaneça eterno como semente num cantinho da nossa alma, só esperando que um "email/recado", com um alô e um abraço venham fazer a amizade em potencial florescer novamente, como uma verdadeira e valorosa experiência de vida. Algumas amizades que encontramos pelo caminho de nossa vida são raras. Raríssimas! Nos trazem a consciência de especiais valores e parecem fazer brotar espontâneamente de nós o que temos de melhor, ou o desejo de nos esforçarmos para evoluirmos neste sentido.
 É natural que desejemos dar o melhor de nós quando amamos, ou gostamos de verdade. Mas alguns raros relacionamentos,seja por momentos ou longo tempo, parecem fluir espontaneamente neste caminho da troca onde apoio, gestos de carinho, cuidado, incentivos pesam mais do que o desejo que nossos egos tenham de dizer a última palavra ou mostrar que tem razão nas opiniões particulares. São tesouros que só se encontram no final do arco-iris e não deveriam jamais ser desperdiçados.
Contudo, o mais importante é que flua naturalmente esta amizade, mas com a consciência de que deve ser sedimentada em atitudes que preservem sua própria existência. Precisam ser cultivadas,nutridas.
De alguns destes amigos virtuais de tantos momentos diferentes, nos aproximamos mais e tomamos  a decisão de ir ao encontro. Às vezes, se somos mais tímidos, com expectativas...
- O que darei de bom a este/a amigo/a? O que direi a ela, que possa interessá-la?
Me fiz esta pergunta pouco antes de encontrar-me com Valéria Braz e seu filho Diogo. Então, respirei fundo e me tranquilizei. Vou dar o que mais gosto, um abraço com o coração aberto, e minha atenção - meu olhar, e meus ouvidos para ouvir.
Assim, no Shopping Iguatemi, em Florianópolis, eu e Valéria, meu marido e seu filho,nos encontramos para um café, momentos agradáveis e troca de abraço carinhoso. Foi muito bom! Ela é bem assim, como na foto. Uma jovem mulher, e mãe, forte e doce, verdadeira, corajosa,batalhadora e com um sorriso lindo.

Texto e fotos: Vera Alvarenga

sábado, 9 de abril de 2011

Sêlo Stylish Blogger Award e Indicados

Selo Stylish Blogger Award 

      Me senti muito honrada e surpresa com a indicação do meu               blog pelo amigo Paulo do http://http://cidadaoaracatuba.blogspot.com/ para este selo, e com os elogios que ele fez.  Muito Obrigada Paulo! Um grande abraço a você!

  Conheci o Paulo numa conversa engraçada, lá no blog da Atena, num post que ela fez sobre simplicidade ( a vida é simples, o ser humano é que a complica) e que acabou ficando uma conversa engraçada de chifre na cabeça de vaca e...foi Paulo que nos disse que : Vaca tem chifres, sim! rs....
Fui lá, no blog dele que indico também a vocês, e encontrei algumas frases bárbaras, inclusive esta:"A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com as mesmas coisas boas como se fosse a primeira vez. Friedrich Nietzsche"  (adorei porque é isto que acontece comigo! kkk....) Eu e Paulo fomos vizinhos, já que morei em Buritama e Birigui, ao lado de Araçatuba! mas não nos conhecemos lá.
Vamos ao selo então: As instruções são : 
1- Ao receber o selo, deve-se repassar para quinze outros blogs;                                                           2- Indicar o blog de quem indicou.                                                                                                              3- Comunicar os quinze escolhidos                                                                                                            4- Incluir em seu post SETE coisas sobre você.
Sete coisas sobre mim:
1. Sou tímida
2. Não gosto de falar ao telefone
3. Adoro conversar pessoalmente com amigos( com quem sempre aprendo)
4. Necessito escrever
5. Sei guardar segredos
6. Sou carinhosa
7. Aprendi a respeitar meu ritmo, portanto, gosto de tranquilidade mesmo que para isto tenha   de ficar sozinha. (neste caso, solidão não me assusta)

   Blogs para os quais indico o Selo, com muito prazer:
  1. Atena- http://expandiraconsciencia.blogspot.com
  2. Valéria - http://kitmell.blogspot.com/
  3. Emília - http://www.dihitt.com.br/Mikasmi1 
  4. Alba - http://copacafesp.blogspot.com
  5. Malu- http://tudoepossivel-infinitoparticular.blogspot.com/
  6. Edgard- http://edgardshigenaga.blogspot.com/
  7. Fátima - http://belani-rcontosecomentarios.blogspot.com/
  8. Joana -  http://artesdafadinha.blogspot.com/
  9. Edison - http://edisongil.blogspot.com/
  10. Carlos - http://apatotadopitaco.blogspot.com/ 
  11. Apaixonados - http://clavedelua.blogspot.com/
  12. Eloisa - http://www.dihitt.com.br/EloisaFasulo
  13. Amélia - http://ameliafarah-outrosolhos.blogspot.com/
  14. José Sidney - http://semtantofoco.blogspot.com/
  15. Ana Reis - http://www.arevolucaodamente.com/ 
Pessoal, amigos, sei que postar com estes links demora ( para mim, que não sei fazer, demorou 2 horas!!) então gostaria que fizessem no seu ritmo, quando tiverem tempo.

Confiram a lista. Todos os nomes estão com os links, portanto cliquem, visitem e conheçam.

ABRAÇO GRANDE E ÓTIMO FINAL DE SEMANA!! 
VERA.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Quem disse que amizade entre nora e sogra é impossível?

Hoje à tarde,minha norinha Lika vai me levar a São Paulo. Vou com ela para aprender "como é fácil o caminho para lá!"(é o que ela diz, vamos ver!!) Assim, ficarei preparada para ir, quando houver um motivo importante.
Vou ficar lá no Shopping Morumbi,( pertinho de onde morei) enquanto ela vai ao dentista. Depois, vamos fazer hora, provavelmente no cinema ( ah, que sacrifício!hehehe) por causa do horário de rodízio de veículos. Nossa faz anos que não vou ao Shopping de lá e cinema (adoro), só vou com um deles(nora e filho)! Graças a isto, daqui a algum tempo, poderei visitar uma amiga que não vejo há anos!!
Bem, lembrando da amizade construída que temos e do respeito que precisamos ter à individualidade do outro, vou colocar uma cartinha que escrevi a ela ,há algum tempo, num outro blog que está abandonado...
CARTA PRA MINHA NORA"    
Você é nora..portanto..sou sogra(hii!.) 
    Amizade requer lealdade,carinho,cuidado e disponibilidade p/crer no outro.
    Amizade requer confiança p/ crer no que o outro diz, mais do que no que achamos que o outro quis dizer! 
   Dá trabalho..Requer empenho e nós estamos construindo isto juntas.(não é lorota não!..)sabemos o valor deste tesouro!
Uma boa amizade, nos faz uma pessoa melhor !

Conviver com você, em seus momentos de alegria, me faz feliz ! 
Após tantos anos, vivendo com e p/ homens (filhos e marido amado),conviver com você me permitiu intimidade com uma figura feminina, que me trouxe um espelho..Voltei no tempo e olhei com carinho,como nunca antes, p/ a jovem mãe que fui um dia. 
Então, com o mesmo sentimento amoroso que a abracei, em seus momentos difíceis, tomei a mim mesma em meus braços e num abraço, acolhi com amor a jovem mulher e mãe que fui e está pra sempre, dentro de mim. Pude ser generosa, porque você também é.
Sabe ser forte.. e doce...
Seja muito Feliz, minha querida Lika. Te amo. 







Beijo, Vera."

  A gente puxa o saco uma da outra, de vez em quando, mas sabem por que? Porque a gente acredita, ora bolas, que amar também é isto, é agradar, é notar o que o outro tem de bom, não apenas criticar, não é mesmo?  Se eu tivesse uma filha, me orgulharia que fosse como ela.
Texto e foto: Vera Alvarenga

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

" Segurança tem preço! "

Bastava deixar-se ir livre e solta para onde o desejo e o olhar alcançasse...podia ser ali, do outro lado da rua, pegar amoras, ou atravessar limites.

Então, a realidade pedia uma escolha e optou-se pela segurança... que impediria que algo de valor fosse roubado, ou que uma criança mais afoita se machucasse no tombo provocado pelas asas que não tinha!
Segurança, algo que buscamos quando não temos, quando sentimos medo, quando outros nos ameaçam,
ou quando somos avarentos com nossos valores.

    Nossa, que triste! Novamente as grades de uma prisão! Não, as grades da segurança!
   Quantos de nós precisamos viver assim? Mas não adianta resmungar, é assim e tá acabado!
   Então, uma surpresa: ela veio sozinha, uma sabiá.
Que prazer me deu esta sua primeira visita, nunca tinha vindo antes! 
   E logo vieram os dois Sanhaços... engraçado, pousaram na grade, atravessaram por ela sem cerimônia! Fora os 3 pequeninos Cambacicas, que já são de casa.
   Em seguida os beija-flores, que, de início estranharam aqueles duros e frios limites, mas depois já estavam a atravessá-lo facilmente. 
   Após alguns minutos, voltou a sabiá com seu companheiro. Nunca tive tantos visitantes em tão pouco tempo,a provar do que ofereço e, a me dar tanto prazer com sua "conversa filosófica".
Todos parece que vieram em solidariedade a mim. E ela me olhou bem nos olhos e me lembrou que o ninho, é melhor seguro; o coração precisa limites para sentir-se tranquilo e não se machucar... mas o pensamento te leva sempre livre para voar! E, se tivermos sorte, podemos ter companhia em nossos vôos e em busca do que nos alimenta. E se este companheiro nos quiser abraçar e proteger, nós cuidaremos dele e ficaremos em paz!  Acho que encontrei uma nova amiga! rs.................

Texto e fotos : Vera Alvarenga

   
                                                                              

sábado, 9 de outubro de 2010

" Reflexos da alma ? "...

Li uma vez: " As pessoas à sua volta são "espelhos" que refletem seus pensamentos." (Masaharu Taniguchi.) .Ele comentava então que no mundo " a pessoa vê o reflexo de sua mente, pensando que aquela imagem é o mundo exterior,mas que ao seu redor só estão surgindo consequências de seus próprios pensamentos".

Acho maravilhoso este pensamento. Confesso que tenho dificuldade para aceitá-lo quando penso nas  crianças que nascem em um ambiente carente de amor e paz, no qual não tiveram nenhuma interferência(como as que nascem no meio de uma guerra, por ex. ou em situações em que pouco terão de opção para melhorar seu meio).
   Contudo reconheço que temos sim, capacidade para mudar o meio em que vivemos, ou pelo menos o efeito

que nos causa e podemos nos aproximar mais dos que são iguais a nós. Podemos, sempre que possível, numa escolha madura e consciente, manter ao nosso lado aqueles que atraímos por uma natural seleção; conviver com aqueles que pensam como nós, que tem amor para dar, que querem compreender o mundo como tentamos fazer...então é fundamental mantermos em nós a confiança de que merecemos ser amados e estar disponível para dar e receber amor, é algo de que não devemos desistir.
     Sou grata e serei sempre a todos aqueles que me ajudaram a não desistir de confiar em meus instintos, aos que me apoiaram, aos que me ensinaram e principalmente aos que, de alguma forma, me deram amor, porque  sinceramente  acredito que o ser humano precisa de amor e que é ele o que mais pode construir! Sou grata a Deus, por ter me dado apoios em meu caminho.
   Meu carinho especial aos familiares e aos amigos do coração que estarão sempre marcados em mim.

Texto e fotos : Vera Alvarenga

  

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Breve história de um anjo e do meu "Butiquim"...

É uma história antiga, que me lembrou um tempo em que conheci um anjo...

Naquela época,eu me comunicava com pessoas diferentes e, no meio delas, fazia amigos, ouvia seus problemas, seus "causos", enquanto servia mesas, fazia patês, era chamada para participar das "prosas", cantava..até aprendi a beber para dividir a cerveja a fim de que o amigo ( meu anjo bêbado), não bebesse muito. Foi quando inventei de colocar gelo na cerveja...quanto ao "bebado", era por conta dele,ele mesmo se chamava assim, quando falava de si, mas era um delicioso amigo nosso, que todos gostávamos e...em anjo caído do céu em nossa casa,não se olham os dentes,não é?
Para mim,ele era um anjo, então, o chamava em pensamento de meu anjo bêbado, pois foi ele que compreendeu o que eu tentava explicar ao meu marido e, quando ele falava sôbre o mesmo assunto, sendo ele um homem,e eu via os dois conversando animadamente sôbre o espírito da coisa...eu não podia deixar de ver as asas, escondidas em suas costas, e agradecer em pensamento, por também animar algumas de nossas noites, depois de estarmos exaustos! Foi um tempo muito difícil,que passou, mas destes "papos e do grupo de amigos" sentimos saudades.
Texto e fotos : Vera Alvarenga
Música retirada da net, com autorização para ser pública.

terça-feira, 15 de junho de 2010

- Meme - Música para os amigos"

Minha querida amiga Márcia Canêdo do http://jornalismoantenado.blogspot.com me convidou para esta celebração da amizade virtual e aqui estão meus amigos indicados e as músicas que lhes ofereço. Espero que apreciem.
Este meme que busca unir todos os dihittianos em mais uma nova corrente de grande amizade. Só não sei se vou saber linkar o blog deles....
As regras são simples:
1) Indique apenas quatro Amigos dihittianos, (link a pagina dele em seu blog),
2) A cada um, dedique a música que melhor o identifica, (linkando um vídeo musical de sua escolha)
3) Coloque o "link" do blog de quem o indicou
4) Através do dihitt, não deixe de comentar as postagens dos amigos com referência a este "meme"
5) Envie um recado a seu Amigo reportando sua indicação para que ele também participe

Meus indicados para continuar essa "corrente do bem" são os amigos(as):
1) Um amigo que deixarei anônimo e a Rosana Madjarof - sua música é : "Tears in Heaven"

2) Sérgio Marcondes Soares - sua música é um jazz: "Live"

3) Maria Marçal - sua música é : "A mulher que eu amo"

4) Jackie - sua música é : "O que é o Amor"

Meus queridos amigos virtuais espero que tenham gostado de suas músicas. eu gosto muito delas!...rs).
Com carinho,
Vera Alvarenga







sexta-feira, 23 de abril de 2010

-"Uma Gde. Mudança - P.III - Preparando um cantinho para Compartilhar"

  " Preparando meu cantinho para Compartilhar com os Amigos" -
   Enfim,esta foi uma grande mudança, tão grande que pensei que ia morar em Sorocaba e, no entando, estou em outra cidade! Acreditam?! É que a casa que alugamos fica na divisa das duas cidades, mas já em Votorantim! Vim de coração para Sorocaba, onde passei dias da minha infância, e me entrego de peito aberto a Votorantin. De qualquer modo, daqui a algum tempo, vou pedir pra fecharem a "porrrta", que eu tô tomando um "leiiiTE quennnTE"! Cresci ouvindo este sotaque interiorano característico daqui.
   Foi em Sorocaba que fui ao meu primeiro baile com minhas primas e coloquei meu primeiro salto alto!Aqui viveram alguns tios, tias, primos, avó. Fazia mais de 20 anos que não vinha para cá! É uma bela cidade! Agradável, culturalmente organizada em eventos a que temos fácil acesso. Uma cidade onde filhos e netos convivem habitualmente numa praça ou em suas casas.
   No ano passado, foi em Birigui que decidi aprender a nadar, por minha conta. E consegui! Como tenho artrose,com a natação minhas dores sumiram e a cada vez que entrava naquela linda piscina rodeada de coqueiros, me sentia renovada e orgulhosa de mim, por ter "vencido" meu medo de água.rsrsrs...
  Sorocaba é muito grande, comparada a Birigui e eu estava preocupada por ter que deixar pra trás a natação, que fizera tão bem à minha saúde!! Imaginem o que descobri outro dia!! que alugamos a casa exatamente na rua paralela à do SESI de Votorantim. Só não podemos frequentar a piscina até outubro por causa do frio, mas no verão, estarei lá, com certeza. Não é mesmo destes pequenos milagres da vida?!
   Agora já sei que vou poder continuar a trabalhar para o meu filho...Graças a Deus haverá trabalho! estou feliz!! e muito grata.
  Nunca temi mudanças. Sempre temi apenas não ser amada, não poder amar ou não saber sorrir com gratidão para a vida. Hoje sei que o amor não deve limitar-se a uma só forma. Pessoas mais velhas precisam de amores diferentes, ou seja, de todas as possibilidades de amar e serem amadas.
   Há mudanças acontecendo também na minha mente e coração. Continuo a crer que não devemos magoar as pessoas ligadas a nós, mas agora sei que posso alegrar minha alma com o que seja imprescindível para o significado na minha vida.
   Continuo a ser uma pessoa leal, compassiva, carinhosa, mas hoje é claramente espantoso constatar que o tempo passa depressa, e não volta jamais para compensar o que não fizemos pelos outros e, principalmente por nós mesmos. Está mais claro também pra mim, que se por um lado devo ser mais responsável pela minha felicidade, e não só o outro, então eu também preciso deixar que o outro aprenda as consequências de suas escolhas. Não devo querer proteger aqueles que amo o tempo todo, pois parece que isto seria pretensão maior do que o limite a que posso ir.
   Estou inteira nesta cidade, Sorocaba ( hiii, mas com um pé em Votorantim! Meu coração terá 2 lugares para se aconchegar). Tenho que aprender a sair sozinha, de vez em quando,  para o teatro, zoo, tirar fotos, shows de graça na praça, nos domingos, enfim, colher da vida o que nem preciso pagar para ter.
   Afinal, sentar numa cadeira confortável à sombra de uma árvore, numa bela praça daqui, ouvir música, ler um jornal, ver as pessoas e sair de lá apenas na hora e ritmo que for o meu, deve ser algo muito bom que talvez valha a pena aprender a fazer. Claro que seria melhor ter companhia, mas não posso mais insistir com o outro ser humano que está a meu lado, só porque EU acredito que isto seria bom para ambos.
   Só agora percebo que passei muito tempo da minha vida tentando controlar tudo, pois não percebia que algo só é bom para "dois", quando "ambos" desejam espontâneamente a mesma coisa, ou decidem se revesar no comprometimento! E, desistir sempre das coisas que gosto, levaram-me a ter uma história bonita e dramática de amor, me ensinaram a dominar minhas vontades, a viver de modo realista, porém não me levaram a viver um amor  daqueles onde as duas pessoas crescem e ajudam o outro a se tornar uma pessoa melhor.
   Continuo de olhos atentos para as coisas boas.Em frente à minha casa há um pé de amora, onde vi um casal de Saíra de cor turquesa! Olhem só que lindo!
   Eu e meu marido adoramos pássaros, soltos.
   Coloquei uma mesinha para dois no terracinho  - para jogar baralho, ou para quem queira vir e conversar. Minha Rainha da Noite, abriu uma bela flor diferente de cada vez, por quatro noites seguidas, só pra me dizer que continua misteriosa e imprevisível, como a vida! e que nada se repete igualzinho o que foi!! Cada coisa, que perdemos,era nossa única chance de ter tal tesouro.
   No quintal, sem nenhum pedaço de terra, coloquei quase 30 vasos que trouxemos da outra casa...é meu cantinho, meu jardim para compartilhar com os amigos que vierem para tomar uma limonada conosco, uma cervejinha rsrs... que quiserem ver os beija-flores que começam a vir ou para aqueles que quiserem apenas conversar comigo, ouvir música,ou ficar em silêncio, se necessário...  Sou tímida, mas não sou mais orgulhosa, preciso de amigos para ser uma pessoa melhor...
Tem jaboticaba, mexirica, lichia... e flores!
   Meu lar sempre foi algo que eu mantinha "protegido", um ninho para a intimidade resguardada e disponível para o amor entre dois, e seus filhotes amados. Nele deveríamos poder pendurar nossas pesadas armaduras de pais heróis e confiar uns nos outros. O amor tem várias formas e fases. Crescemos, amadurecemos.
   O amor verdadeiro, se e quando existe, igualará os direitos, respeitará as fraquezas de cada um e as diferenças, multiplicará as bençãos, nos fará capazes de amar a muitos outros, de outras formas, não precisará mais do isolamento e florescerá mais quando dividir a alegria, que poderá ser compartilhada com quem vier em busca de amizade.
Os amigos do coração são importantes pra mim! e são os meus convidados. Serão sempre bem vindos por quem me amar e pela minha família!
 E hoje tenho alguns amigos especiais novamente.
Quero resgatar o sonho que tinha desde que me casei - viver o refrão que canto há anos!...
" Eu quero uma casa no campo ou em qualquer lugar, onde eu possa plantar meus AMIGOS, minhas "músicas" e livros...e nada mais!"  e quero poder sentir o amor por tudo, a gratidão, é claro, porque sem amor, nada vale a pena, e as flores murcharão....!
Somente o sentimento de amor e amizade, acalmam o coração do ser humano.
Com carinho, aos amigos do coração, ofereço minha casa.
texto:Vera Alvarenga

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

- " Uma decisão difícil de tomar,,, torçam por mim"


Estas duas semanas estão sendo difíceis.
    Ontem à noite, meu marido carinhosamente me abraçou na cama e perguntou-me se poderíamos manter, digamos, uma amizade "colorida". Eu que esperava uma posição dele quanto ao que eu decidira na semana passada, desejei poder entender em minha mente,rapidamente, o que isto significava. Imediatamente porém, ele pediu desculpas e disse que não queria que esta nossa "aproximação", pudesse trazer esperanças ou modificar nossa decisão. Fiquei com sua mão no meu rosto, aconchegada também entre as minhas,e um beijo meu sinalizou que eu aceitava seu carinho ( logo eu, que estava mesmo carente), não sabia se ficava ali pra sempre em sua pele, ou apenas morria na intenção....
    Meio aturdida por não compreender bem como funciona a mente masculina (como eu queria ter alguém que me explicasse), mordi minha língua, para não dizer nada e pensei : -" fica quieta,deixa que ele diga o que sente,não queira mais interpretar ou talvez "enfeitar" o que não foi dito!" Enquanto ele falava, fiz apenas pequenas perguntas para compreender o que estava propondo, já que ele mesmo disse estar encontrando dificuldade para colocar em palavras.
    Disse, que não queria mais me fazer sofrer, pois sabia que não podia mudar seu modo e "suas caras feias". Eu, que há tempos andava rezando para que Deus me desse a oportunidade de viver tendo a meu lado um companheiro "amigo/cúmplice", pensei que era hora de ajudar, fazer minha parte.Então, mostrei-lhe de coração que não precisava deixar de ser o que é, apenas evitar dirigir a mim suas frustrações, ou culpar-me por elas, ou deixar-me fora da linha de fogo nos momentos de raiva ao ver coisas erradas que fazem os políticos neste país, por exemplo. Expliquei mais uma vez, que eram sua impaciência comigo e ausência de desejo de partilhar bons momentos com alegria e disposição, o que me fazia mal, pois não vivo bem quando não posso também comemorar a vida! E, se dou apoio, quero senti-lo.
   Se, na vida em comum há coisas desagradáveis que, às vezes, temos que enfrentar, momentos que exigem cooperação mútua, problemas domésticos chatos mas reais e que tem que ser resolvidos, problemas de saúde, enfim, nem tudo pode ser um mar de rosas, há também e por isto mesmo que não se desperdiçar o que se tem de muito bom.
   Para um D.Quixote como ele,que gosta de lutar por causas comunitárias mais do que pelas da família, a realidade do dia a dia deve ter sido mesmo algo difícil de encarar - por isto, sua impaciência com qualquer um destes assuntos. E eu, infelizmente, não queria mais ter que "ficar poupando" meu marido de uma vida real, como é a que todo casal tem que saber enfrentar, com o mínimo de cooperação mútua, nem quero mais ficar pedindo licença para existir, ou me sentindo intrusa ao interrompê-lo quando ele estiver a sonhar com o que diria aos políticos, se tivesse chance! Exatamente porque a vida não nos poupa quando tem que machucar, é que acredito que se faz necessário evitar "dar tiros às cegas", dentro de casa, que é ou deveria ser, onde podemos nos despojar de qualquer armadura, para ser na intimidade com o outro, o que somos em essência - o melhor de nós! Porque apesar de nossas fraquezas e medos ficarem às claras, o amor pode nos sustentar mutuamente quando tivermos, ambos, a atitude e o desejo de sermos felizes. Então, o casal que percebe isto, aproveita e cria momentos onde possa relaxar e recarregar baterias, saindo mais forte para enfrentar o mundo, individualmente.
  Em nossa conversa esta noite, ele deixou claro que não quer se comprometer, não quer a responsabilidade de agir em cooperação. Nenhum de nós tem um/a amante ou pensou neste tipo de traição. Não conseguimos entrar num acordo que reconhecesse que ambos temos necessidade de sermos "abastecidos" por demonstração espontânea de cuidado, querer bem, e que deveríamos tratar ao outro como trataríamos nosso melhor amigo, pois é isto, que devemos ser, para aquele com o qual lutamos batalhas e dividimos nossa intimidade. Isto é o que escolho pensar hoje, com a maturidade, sobre o casamento - algo que deve trazer a ambos a certeza de que se sentirão mais fortes juntos, melhores como indivíduos que sabem que sua integridade e individualidade não precisa ser nocauteada, sempre em benefício de apenas um!
  Meu marido propôs que vivêssemos junto como amigos, mas cada um levando sua vida. Eu, medrosa, que jamais imaginei viver sozinha, acordei com o pensamento claro como o dia:
  - Ora, ele não entendeu nada! Se fôsse para cada um viver sua própria vida, continuaríamos como estávamos, vivendo cada um num canto quieto da casa e nos encontrando em alguns momentos, nos tratando polidamente e nos amando apenas quando estamos dormindo abraçados na cama. E eu, cada vez mais entro nesta vida solitária, cuja aparência é até de uma calma cooperação, mas que perdeu o sentido e deixou triste o coração. Viver sozinha era o que eu mais temia, mas penso que é melhor estar solitária às vezes, no nosso canto, do que sentir-se que somos "invisíveis" ou intrusos na vida de quem tanto se amou.
  Eu o respeito e o admiro por ser corajoso, forte, honesto, trabalhador e íntegro. Um homem como poucos. Ele, em seu vôo individual, como uma águia, quer as alturas e o mundo!
  Eu, como andorinha, entendi mal o ditado popular e achava que " uma só não fazia verão", agora, meio beija-flor, sei que não posso viver apenas com o amargo. Não espero mais ser "amada" pelo que sou, mas não suporto mais ser desvalorizada, em sendo.
  Assim, aos amigos, peço que torçam por mim, pois na próxima semana vou me ausentar daqui alguns dias para procurar um local para morar, na cidade onde meus netos já estão( e para a qual, ele irá, daqui a alguns meses também). Iremos separados e viveremos assim.
    E aos mais jovens, que abram seus olhinhos, para que não permitam, em seu relacionamento, tanto desperdício do que poderia ser um Amor maior!
  Um livro diz que : "Apenas o Amor de Deus é verdadeiramente incondicional!" Nós somos imperfeitos,mas trazemos dentro de nós, capacidade para amar - mas é um trabalho, uma atitude! O livro diz também : " o Amor trará à tona, tudo o que não é ele mesmo!"  Descobri que, a gente se acostuma com o "não ter" o que todo ser humano precisa. E quando nos vemos diante de um amigo com uma atitude de aceitação incondicional ( imagine a sorte dos que receberem o amor incondicional, mesmo que imperfeito), ficamos surpresos e nos perguntamos como tínhamos conseguido viver até então, sem isto?! Isto traz à tona, irremediavelmente, as outras vivências de desamor que estávamos escondendo de nós mesmos, e nos obriga a encará-las, porque nos deixa mais desconfortáveis do que estávamos antes.
  Sei que não serão dias fáceis... mas, embora triste, acredito que estou a fazer o que deve ser feito.
  Abraço, aos amigos
  Vera.
autora: Vera Alvarenga
imagem: google- pode ter direitos autorais

Clic para compartilhar com...

Compartilhe, mas mantenha minha autoria, não modifique,não uso comercial

 
BlogBlogs.Com.Br
diHITT - Notícias