sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Mais um momento de gratidão...

Novamente sinto gratidão!
Sou uma mulher sensível e emocional, mesmo que por vezes pense que minhas emoções estão adormecidas ou que as tenho sob controle.
   Como sou grata a Deus por poder, muitas vezes, continuar a acompanhar com alegria os passos, conquistas ou vitórias que meus filhos, cada um a seu modo, alcançam por seus esforços e pela graça de Deus! Eles tem me dado muitas alegrias. 
   Parabéns Rodrigo, por ter concluído seu Mestrado em Economia. Valeu seu esforço e desejo de realizar algo mais em sua vida para uma qualidade de vida melhor para você e sua família, e para uma realização pessoal que será, tenho certeza, algo que compartilhará também com outras pessoas. Valeu por sua fé!  Parabéns filho!
  Meu coração de mãe agradece a Deus por cada conquista deles, mas também quando os vejo em meio a suas batalhas e, mesmo assim não se acomodam apenas ao mais fácil, mas continuam desejando fazer seu melhor sem prejudicar outros, ou dividindo com outros seus valores e se esforçando para uma vida de realizações no bem. Como mãe, os vejo vitoriosos quando fazem suas escolhas dentro de um padrão de valores onde amor, valores humanitários  e respeito são os principais pontos que norteiam seus caminhos.  
  Nós, os pais, sempre somos gratos por ainda estarmos aqui e podermos compartilhar com os filhos, os momentos de alegria!

foto/texto:Vera Alvarenga

domingo, 9 de novembro de 2014

Voar...para sacudir o peso da terra nas asas...


Quando leio, meio que converso com aquele que escreveu o texto, que mexeu comigo  por alguma estranha razão. Às vezes, nem tão estranha assim. Estranhamento é o que já senti quando li, por sugestão de Sérgio Marcondes ,um amigo do Dihitt, as primeiras crônicas de Clarice Lispector. Não as primeiras que ela escreveu mas que eu tive oportunidade de ler.
   Nossa! Parecia então que sentíamos as mesmas sensações, emoções e aceitação descontente diante de algumas coisas da vida.
  Mas voltando ao que dizia, comecei a escrever algumas de minhas crônicas inspiradas em crônicas de alguns escritores. Não que eu tenha, só agora, começado a fazer isto. Como comentei, já conversava com eles e até discutia, há muito tempo. Só que estou numa fase de escrever sobre o que nossas conversas me inspiram, não mais sobre o que sinto ou meus segredos. É só isto.     Não pensem que copio trechos e idéias, por favor, porque não me atrevo a assinar aquilo que não seja meu, embora saiba, como eles sabiam ao escrever, que nada é só meu ou seu, tudo neste mundo é mais ou menos "nosso" levando em conta os que vieram antes de nós e a forma como estamos interligados nesta trama da vida...tudo vem de algum ponto anterior e então segue adiante. O que acontece é que uma frase algumas vezes me leva a caminhos totalmente diferentes, outras vezes, a uma visão do assunto de um outro ângulo   .
  Certamente eles me inspiram, porque sozinha poderia não ter a idéia de discutir tais assuntos, naquele momento.  E eles me dão ampla liberdade de deixar minha mente voar por estes temas que eles sim, desenvolveram tão bem e eu apenas com eles me distraio. Voar é mesmo próprio de quem tem asas nos pés, como voava Mercúrio, regente do meu signo. E voar em pensamento é natural a quem tem asas atrofiadas como as minhas. Não por culpa de ninguém, não! Atrofiadas porque sou humana e responsável, e não me cabe, nesta condição, voar.
  E eu jamais voaria como as águias, em vôos solitários, nem como andorinhas que seguem o bando num desenho pré fixado, organizado com eficiência e maestria para que tudo corra bem e dentro do esperado.
  Coube-me, contudo, sentir-me livre e libertar aqueles com quem convivi.
  Sou o tipo de asas que ao retornar de um vôo solitário iria logo querer contar o que vi e então insistiria a convidar meu parceiro para o próximo vôo. Estive habituada até agora, a voar somente até as alturas que me possibilitassem voltar aos meus, sempre que ouvisse seu pio. Sempre voltei rapidamente com o alimento no bico.
   Lembro-me como conversei incansavelmente, seja com palavras ou  silêncios com aquele Fernão Capelo, o gaivota! Me impressionou tanto conhecê-lo que fiz até um quadro para ele e o levei à uma exposição de minhas artes, certa vez. Ah! como ele, venho de muito tempo sofrendo acidentes de vôo, desmaios até, quando mais nova, bico amassado, asas estrupiadas, e vertigens, tudo porque também tenho um corpo muito mais pesado do que meu desejo de leveza!
   Gosto de um ninho macio e acolhedor e não apenas do ar. Contudo, preciso dele. Preciso bater minhas asas livremente no ar, e dançar acima de todas as coisas. Acima do barro, da poeira,do cheiro da fumaça que queimou os sonhos e ninhos de tantos, do odor da morte, e até  dos espinhos que por vezes vem junto com a ramagem com a qual renovamos a almofada do ninho, pois que renovar o ninho é exigência da vida, do contrário os fungos, mofo e piolhos tomarão conta de tudo. Não quero voar acima de tudo, por me achar distante ou melhor do que os que aqui estão.
   Sem comparar-me a ninguém, vôo, nem que seja nos sonhos ou na escrita, porque necessito! Porque me pesam minhas asas que sujo na terra onde moro e tenho uma vaga lembrança de que elas já foram muito mais leves, outrora.
   E quando voo, só quando voo, posso sorrir e brincar, e ser tão lúdica quanto era quando tinha meus filhotes e ninguém me observava. Posso abrir meu peito e gritar o amor que desejo, que sinto ou que me falta, deixar toda a luz sair de lá e viajar como raios até o coração do mais confiável dos amantes, ou dos meus mais queridos familiares, e ainda, ser tão sonhadora quanto a mais tola das mulheres...
   Êpa!nem sei porque fiz a comparação...afinal, era de uma ave que falávamos ou de uma mulher???

Texto e foto: Vera Alvarenga

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Eu que não queria ser urubu...

- "Quando poderias ter tido asas, minha velha?" Perguntou-me ela, sem ao menos esperar resposta, tal como aquele homem que um dia perguntou-se quando poderia ser um urubu.
   Eu que não queria ser um urubu! A única vez que os achei menos deprimentes foi quando os fotografei, naquela tarde, brindando de asas abertas ao sol.
   Por que o homem, aquele, queria ser um urubu, era um problema dele devido ao reconhecimento de sua tristeza. Para ele, um urubu não iria se aventurar a cantar, nem desejaria alcançar alguma coisa.
   Ah, mas eu já quis voar! E era meu coração então, que cantava.E eu tinha forças em minhas asas para voar para longe, bem longe, lá onde estaria um novo horizonte. Queria voar pra longe e para perto. Longe daqui. Perto dele. E estando com ele, poderia ir ou voltar para todos os lugares.
   Com ele, nossos voos seriam gloriosos, não por serem heróicos, como as infindáveis batalhas dos  que voam pelos céus desta vida maluca, vencendo desafios incansavelmente, mas por serem apenas vida! Apenas isto. E devido a isto apenas, haveria alegria. E a consciência de nossa sorte que é aquela que salva aqueles que quase morreram, nos faria gentis e grandemente reconhecidos a cada passo possível, por esta dádiva. Porque viver é arriscar-se e também sofrer, às vezes. E sabíamos disto, e por isto teríamos um sorriso sereno em nossa cara.
   Juntos conseguiríamos voar pelo mesmo céu. Por isto, e não por querer mais do que simplesmente esta vida gentil e por isto, abençoada.
- " Ah! mas bem sabes, minha cara, que de nada adiantam asas se não se sente que há horizonte para o qual se queira ou possa voar."
   Vai ver então que foi isto. Vai ver que aquele Rubem também suspeitava disto. Por isto, nem mesmo quis saber se poderia de fato ser um urubu. Falou só por falar.

foto e texto: Vera alvarenga ( inspirado em crônica de Rubem Braga.)

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

" O segredo dos seus olhos".

 O segredo dos seus olhos... Sim, é um filme daqueles que a gente assiste na TV por assinatura.
Estava procurando um filme para assistirmos e a sinopse deste chamou minha atenção:
- " Após se aposentar, o oficial de justiça Benjamin Espósito se dedica a escrever um livro."

E, enquanto lia um livro, fiquei meia hora na sala esperando o filme começar. Foi o sobrenome de Benjamin que me prendeu ali, curiosa, afinal, este é também o "meu" sobrenome!
Para minha surpresa, o filme é argentino, mas não sei de quem é. Só fiquei curiosa e decidida a assistir pelo menos o começo.
A história é de fato, envolvente. O final, surpreendente!

Entre outras cenas também interessantes, foram duas as que mais me chamaram a atenção:
  Uma, que era de fato a dúvida que acompanhou o personagem principal durante boa parte de sua vida após aquele crime e que se resumia na pergunta que ele fez para o homem que tinha perdido a mulher, assassinada por outro : - Como é que se faz para viver uma vida tão cheia de nada?"

A outra, quando ele conversa com um amigo a procura de pistas de como encontrar o assassino, e o amigo lhe diz que a gente pode mudar de emprego, de cidade, de aparência, etc.., mas há uma coisa que não muda em nós e sempre estaremos lá onde a encontramos - é a paixão! Dificilmente conseguimos nos afastar do que nos apaixona! Seja alguém ou alguma coisa, não deixamos nossa paixão... diz o amigo dele. Aliás, há uma parte que emociona a respeito desta amizade deles.

Este é um filme que, embora tenha um ritmo quase constante não é monótono. Há momentos como a cena em que a juíza se arrisca frente a um possível psicopata, ou quando ela está na estação de trem vendo alguém partir,que nos emocionam, outros que desafiam aquele lado detetive que temos ou nos faz lembrar, refletir.
  Este é um filme daqueles que a gente recomenda aos amigos.

Texto : Vera alvarenga - sobre o filme premiado : O segredo dos seus olhos.


domingo, 2 de novembro de 2014

Ela o esperava para antes do Natal.

 Encostada no portão, olhava a rua que descia numa ladeira preguiçosa. Olhava com aqueles olhos de esperar, de confiar. Só que agora , o olhar também era preguiçoso. Porque já fazia nove meses que ela esperava.
Amanhã seria dezembro. Com certeza ele viria logo! Ela teria sorte. Tudo correria bem.
Não sonhava mais com os detalhes daquele encontro com aquela nova vida. Porque em se tratando de uma vida, teria seu próprio jeito de ser, de acontecer. E também porque já havia sonhado todas as formas pelas quais o encontro se daria. E, depois de um tempo, cansou de sonhar sozinha. Só sonho não a satisfazia mais. A vida quase que perdia a graça.
Pra falar a verdade até cansou de esperar.
Não! ela não esperava uma criança dele! Entregou-se de corpo e alma mas tomou precauções. Não era como a empregada do Dr. Heitor. E tinha mais uma coisa. só esperaria por ele até amanhã, ou talvez até vésperas de Natal.
Natal! Antes do Natal aquele presente chegaria, aquilo pelo que esperava há tanto tempo! Finalmente encontraria o amor e um novo jeito de viver a vida. Não sorriu, porque ainda tinha um bocadinho de fantasia e o coração ainda batia com emoção. O sorriso, estava guardado para amanhã.
Ele chegaria amanhã. Nem que fosse o amor próprio!

Texto/foto: Vera Alvarenga

sábado, 1 de novembro de 2014

Como uma onda...

Pela manhã veio-lhe um desejo,não maior do que ela nem tão inesperado mas tomou-a inteira.
Tomou-a como a onda que vem porque o mar já não cabe no que antes era limite.
E como a onda na maré cheia toma a praia e banha o corpo e molha a pele da mulher que deitada seca ao sol, assim foi com ela e o desejo.
Suspirou ao contato da água morna e salgada em seu corpo.

E como uma onda, o desejo veio. E igual aquela história do homem que tinha um sentimento ...
como uma onda, o desejo se foi.

Foto e Texto: Vera Alvarenga ( inspirado numa crônica de Rubem  Braga).

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Tem gente que não acredita em magia...

- Você está tão bem naquela foto! Parece que está serena, feliz.
- E por que não estaria? Há tantas coisas pelas quais posso agradecer...e sentimentos que posso resgatar na lembrança...
- Mas ontem à noite você... afinal, o que ainda a comove para que...
- Ah este mundo é mesmo feito de contrastes! quando nos sentimos impotentes diante de realidades difíceis de aceitar, seja na vida pessoal ou em aspecto mais amplo, é isto que acontece : a gente precisa sonhar! Mesmo que no final acabe dando de ombros porque não consegue fazer toda uma mudança sozinhos, mesmo que acabe voltando apenas para os pequenos sonhos do "um dia de cada vez"...é para isto que existem os sonhos, a imaginação criativa, pra gente recordar ou criar na mente imagens e felizes momentos, enfim, pra gente pensar naquilo que nos deixa a alma mais mansa.  
- Mas ontem... o que houve?
- Você não soube? Logo você, que não acredita em magia me diga, do que se tratou então?
- Explique-se ! Não estou entendendo patavina!
- Ora, aquela luzinha verde, aquela sensação boa que vinha junto com as palavras daquela canção, você sabe tudo era real! Você também ouviu, lembra?
- Sim, ouvi, e daí?

- Pois dizem que aquela cidade inteira desmoronou, como se tivesse sido implodida! Sumiu do mapa, virou poeira e depois...simplesmente sumiu!
- Mas como foi isto? Aquela cidade era imensa, tinha até aeroporto, indústrias, o que foi? Uma bomba? um terremoto?
- Não, minha cara. Apenas magia às avessas! Como se o mágico tivesse cansado de deslumbrar quem lhe dirigia aquele olhar de sonho, como se ele tivesse se cansado de ser afeto, de ser lembrança dos melhores sentimentos, de ser sorriso na boca dos inocentes, como se ele não quisesse mais inspirar...Pode pesquisar aí e depois me diga o que pensa a respeito.
- Estou vendo aqui na internet...é verdade! não está mais aqui já faz algum tempo. Fala sério! Onde está?
- Estou lhe dizendo...apenas magia, uma cruel magia que se transforma na mais pura, nua e crua realidade! uma cidade inteira sumiu! Tudo porque aquela pequena luz verde se apagou... eu não a vejo mais, nem ouço a canção dos pássaros, nem sinto o vento que me trazia as folhas de outono, nem os raios de sol da manhã... Eu não a vejo mais acesa, você a vê?
- Você tem razão. Agora acredito em magia, mesmo que seja às avessas...rs...como você diz.
- Pois eu, não acredito mais! E pra sempre vou ter cem anos de idade.....
- !!!???....


Diálogo entre mãe e filho, sobre as eleições...Afinal, de que lado você está ?

   Ontem, acordei triste...
Quando votei eu tinha sonhos maiores..."Agora vou cuidar de minha vida" - é o que pensamos muitas vezes! mas é claro que em nossos atos diários cuidamos de continuar a respeitar os princípios de valor moral,ético e espiritual , pois estamos acostumados a fazer a nossa parte...apesar de tudo! E coloquei isto no Facebook.
  Então meu filho Roberto, em diálogo comigo, me chamou atenção para algo...
 - " Oi, mãe. Para te ajudar a espantar o pensamento que você menciona basta perceber que não há sentido nele. Milhões de pessoas do Nordeste votaram no Aécio. E muito mais pessoas votaram na Dilma nos estados do Sul e Sudeste (26,7 milhões de pessoas) do que nos estados do Norte e Nordeste (24,8 milhões de pessoas). Há um mapa colorido de vermelho e azul que vem sendo divulgado na internet como argumento para um pensamento separatista. Veja, tanto Minas Gerais como o Rio de Janeiro votaram majoritariamente na Dilma e eles não apresentam a ideia de deixar o Rio e Minas como parte do Nordeste numa eventual separação. A interpretação que estão fazendo deste mapa é estúpida ou mal intencionada. Tal interpretação mostra bem a falta de análise profunda de nosso povo como um todo e como é facilmente manipulado para formar aquele tipo de comportamento de grupo tão odioso. Além do mais, mãe, corrupção existe no nosso país desde sempre, literalmente. Não foi invenção deste ou daquele partido. Se está ou não mais intensa agora é uma afirmação absurda, pois a corrupção simplesmente não é contabilizada e qualquer prognóstico disso, nesta altura do campeonato, estaria munido de interpretação e interesses. Enfim, argumentar sobre uma separação do país por conta do resultado das eleições é uma grande piada desprovida da lógica mínima necessária para ser levada em consideração."

 - "Querido , tenho de dar-lhe a mão à palmatória...rs..(como se dizia antigamente), no sentido de que não devo sentir-me abandonada pelos que votaram diferentemente de mim. Valeu este diálogo e também, simplesmente porque, se eu for coerente com o que pensava antes... a maioria talvez esteja apenas indo atrás de suas esperanças de uma vida melhor! A gente se deixa levar pela emoção da decepção de expectativas, e isto pode ser perigoso,não é mesmo? Não foi por eu ter visto na mídia algo sobre pensamento separatista que comentei aqui sobre como me sentia - confesso a você que realmente me senti assim, como se quisesse dizer a quem me deu as costas: " Vocês querem continuar com este partido e com esta situação , pois que fiquem com ele!" Logo eu que não sou ligada a partido nenhum, nem sou afeita a grupos! Sim, eu vi o mapa e me desiludi com o próprio povo que eu defendia até uns dias antes da eleição...porque eu dizia então, que nós do povo não podemos ser culpados por nosso voto e boa fé, pelas falsas promessas que não são cumpridas pois que ao votarmos, acreditamos nelas porque é delas que precisamos - é a esperança de melhorias reais.     Ah! filho, bem sei como seria dificil para qualquer político de qualquer partido, conseguir sozinho administrar tendo olhos para tudo e acabar com a corrupção ( eu dizia isto a seu pai). Corrupção e violência sempre existiram mas parece que a coisa piorou muito! vivemos com medo de assaltos, de violência, de sequestros, de tiros dados por drogados que não veem mais o que fazem e a quem fazem, por balas "perdidas" que encontram o alvo errado, e pela violência gerada pelo próprio medo e impaciência. Não posso evitar sentir medo destas coisas, mais por vocês do que por mim.Como comentei, reconheço que estava querendo um salvador, alguém que tomasse nos ombros a responsabilidade social mais ampla de tentar efetivamente ajudar a sociedade a ter a proteção de seus direitos e a regalia de uma vida com melhor padrão de serviços públicos. Os chefes de Estado são como os pais, deveriam dar o exemplo pois sua prole observa e aprende...mas quando amadurecemos cada um de nós, "individualmente" tem oportunidades de se corromper, de roubar, de puxar o tapete de outros em seu único benefício, independente de partidos políticos, religião, etc.( mas nem tanto, pois não posso acreditar numa total independência do meio em que se vive).

    Assim, como comentei,enquanto pudermos fazer escolhas, apesar de tudo devemos fazê-las levando em conta os valores que julgamos morais, humanitários e justos... Ocorre que, os grupos sociais tem valores diferentes e se habituam com o que se torna comum em seu meio. Por isto, precisamos sempre que possível, perseverar no lado do que pudermos chamar honestamente de "bem" ". 

     Resumindo este momento de "pensar em voz alta" e dialogar com você Beto... sim filho, talvez não estejamos de lados opostos, nós do povo que foi às urnas... talvez estejamos como sempre gosto de pensar, do lado do ser humano... talvez quase todos nós estejamos apenas tentando nos agarrar à uma esperança de podermos levar nossa vidinha comum no nosso próprio ritmo quando possível, voltados às nossas próprias preocupações, às nossas famílias, ao nosso trabalho que nos dá um senso de participação e dignidade seja em nossa casa ou fora dela, e isto já seria o bastante - cada um fazendo o melhor no que lhe cabe fazer. Enfim, talvez todos nós que fomos votar ( com exceção, desculpe, dos vagabundos e folgados oportunistas de plantão é claro! e daqueles que desviam dinheiro das melhorias públicas e trocam favores que os mantenha num cômodo e alto padrão de vida) estejamos em busca de uma vida mais digna e feliz, participando como células de um todo, cada um à sua maneira, cada um com sua consciência. Beijo.


foto/texto:Vera Alvarenga e Roberto Alvarenga
l

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Tentando mudar hábitos...

   É realmente muito, mas muito dificil ficarmos sem algo que nos dava imenso prazer,nos sustentava de alguma forma, já fazia parte dos hábitos que a gente gosta de ter e são agradáveis, confortáveis e que nos dão a sensação de estarmos mais satisfeitos...
   Estou pensando aqui com meus botões que isto vale também para amizades...sabe aquele amigo ou amiga com a qual a gente gostava de conversar ou rir, ou contar coisas mais íntimas enfim, aquela amizade que nos dava prazer ter? Pois então, se ficarmos sem ela, certamente sentiremos falta! Mas não é disso que falo hoje e sim, da necessidade que nos bate à porta de mudarmos um pouco os nossos hábitos alimentares. E então, a gente tem de deixar alguma coisa para trás, como por exemplo os carboidratos vindos daquelas 5 ou 6 bolachas com gergelim que eu comia puras ou com requeijão à noite, no lugar do jantar ou lanche! Ou daquele prato de massa rapidinho que eu fazia lá pelas 22 hs., mesmo que raramente, quando a fome apertava!!
   Indo em um endócrinologista que, por sinal apenas me deu um papel já com 1 rotina toda escrita e logo acima recomendada tanto para quem quer emagrecer como para quem é diabético...rs...e que eu vi logo que não era pra mim, pois recomendava que eu jantasse, e não costumo fazer isto com arroz, feijão, etc... e mais, lendo a respeito de 2 outras dietas que achei mais apropriadas... estou eu mesma e com bom senso fazendo minhas adaptações para evitar o tal diabetes ( estou com ele na minha porta!) e para emagrecer um pouco.
   Sei que não vai ser fácil pois estou com este peso há exatos 18 anos!!! desde logo depois dos 4 anos de restaurante. Não engordei mais, nem depois da menopausa, MAS NÃO CONSIGO EMAGRECER!!! Claro, está tudo bagunçado com meus hormônios, que me dão apetite para doces, uma fome repentina quando o açucar do sangue baixa... um tremor de vez em quando... fora minha tireóide que é preguiçosa ( e para tal tenho de tomar remédio- PuranT4)...enfim... vai ser uma luta!

Contudo, ah! esta minha mania de procurar encontrar algum prazer ainda que nas coisas difíceis e chatas!!...rs... me fez decidir ir com calma, e de um jeito que eu consiga "enganar" a vontade de doce (chocolates, balinhas, sucos adocicados,etc..), e satisfazer meu apetite para comidinhas gostosas e bem temperadas evitando os meus ex-amados carboidratos...enfim, mudar meus hábitos alimentares sem grande trauma, para que eu consiga continuar com isto para sempre!
   Comecei esta mudança há uns 20 dias e já emagreci um bocadinho. No início quase subia nas paredes sentindo falta de doce ou chocolates que comia à noite enquanto estava no computador. Parecia aquela saudade que a gente sente de um amigo/a companheiro de muito tempo, daqueles que é gostoso ter, daqueles que no apoiam e nós a eles, sabem como é, não é? Às vezes era pior, parecia aquela saudade que a gente pode sentir, por um motivo ou outro, de fazer sexo ou amor da forma mais gostosa que a gente conhece. Difícil!
   Como dizia, hoje estou comendo algumas coisas doces, mas quase não uso açúcar e estou sobrevivendo bem! No almoço, por exemplo já não coloco arroz no prato e como adoro pure de batatas e a própria batata ( frita nem se fale), escolho a cozida junto a uma bela salada mista, ou o purê com salada e peixe, sem o arroz.
   No meu almoço de hoje fiz uma fritada individual na frigideira pequena. Para acompanhar, muita salada de folhas verdes e cenoura crua. Na fritada tinha carne moída com muita abobrinha misturada com apenas 1/2 colher sopa rasa de arroz, e temperos, e cheiros verdes, um bocadinho de queijo ralado (só pra agradar, pois não sou de ferro!) e o segredo para a saciedade...1/2 colher sopa de aveia em flocos finos. Delícia!!
  Ainda estou na fase em que preciso ver o prato cheio, pois estas coisas são mais leves, mas estou me habituando, como disse...sem traumas. Não é como se um doce e grande amigo desaparecesse de repente e a gente ficasse meio sem chão... e aliás quando isto acontece a gente costuma substituir aquela boa emoção pelo alimento mais calórico! Desta vez, é como algo com o que a gente tem de ir se acostumando aos poucos. e neste caso é a gente que tem de dar as costas.
  Fico me lembrando de minha mãe quando dizia... este é um dos poucos prazeres que tenho!... Sim, é dificil, e bem por isto, não estou exagerando, estou tentando encontrar algum prazer na coisa toda ( descobrir alguma receita deliciosa mas fácil permitida ... bem coisa de cabeça de gente gordinha que gosta de prazeres sensuais como o do cheiro dos alimentos e o de comer bem...rs..)
  Tomara que eu consiga! (em algumas coisas consigo ser persistente). E sem dúvida, tenho de contar com uma força de vontade que peço que Deus me lembre que está a meu alcance e lembrar que isto será apenas para o bem de minha saúde e não para agradar a terceiros ou pessoas críticas por natureza. Porque quando fazemos isto para tentar agradar alguém é tudo um sacrifício que nos faz recuperar o peso em menos tempo do que levamos para nos livrar dele!...rs...
Texto/foto:vera alvarenga

sábado, 4 de outubro de 2014

Ah! este gato de olhos azuis... acho que vou me apaixonar...

  Ate´ ontem era só imaginar como seria. Esperei algum tempo com certa ansiedade, confesso, e hoje ele finalmente chegou.
Chegou assim, como aquele que vem como quem não quer nada e depois nos rouba o coração.
 Não sei como vai ser...
 Chegou e logo de cara me olhou com seus olhos azuis, calmos, de um olhar profundo do qual ainda não conheço os significados. Lindos olhos ele tem...
   Em pouco tempo percebi que temos coisas em comum...
Gosta de ler e aprecia arte...

Que bom, um companheiro que também gosta de música! ( até mesmo aquelas músicas que eu só tenho gravadas nas fitas K7...rs...)

Como eu, dá valor para uma casa confortável, um ambiente aconchegante, macio e seguro...

Mostrou logo que tem paciência para se programar a fim de conseguir obter o que deseja e...

que aprecia demais alguns momentos sossegados em seu canto!

Contou-me que sente saudades de quem fez parte de sua vida até agora.

Seu olhar me contou que há coisas das quais não gosta muito ( com o tempo, vamos descobrir do que se trata...rs...)

É calmo na maior parte do tempo, chega com jeito nas coisas, sem afobação...( isto é algo que aprecio bastante porque me sinto mais segura)...

mas, apesar disto, tem bom humor e sabe brincar ( ah! também é algo muito importante para mim...o bom humor com a vida!). Parece que teremos momentos alegres junto e isto eu vou adorar!


Não sei não...eu tinha jurado que não ia querer mais "sarna pra me coçar"...rs... que não ia mais querer me apegar a ninguém... muito menos me apaixonar!
Mas...pelo que tudo indica, vai ser muito dificil resistir a estes olhos azuis que me confirmaram que vieram pra ficar, e pra me olhar de fato e com afeto também dentro dos meus olhos, muitas e muitas vezes.....rs...
  Vai ser dificil resistir a este profundo olhar azul que já me fez ronronar...rs... ( ou será que foi ele que ronronou pra mim?...rs...)
Fotos/texto:Vera Alvarenga.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Arma certeira...ou..." Não há saudades mais dolorosas do que as das coisas que nunca foram...”


(Por uma destas coincidências, depois que fiz o post li esta frase que atribui-se a Fernando Pessoa e caberia bem melhor aqui como título)

   Hoje vou lhe contar uma coisa quase secreta. Chega mais perto. Falarei em voz baixa...
   Outro dia fui lá, naquela loja.
   - Quero uma arma, eu disse, aos olhos de quem me olhava desconfiado. Desconfiava que sabia que eu não era capaz de matar uma mosca!
   - E que seja de corte ou tiro, não importa, mas quero-a certeira! Que um só golpe ou toque no gatilho possa acabar com aquilo que, por vezes quase me mata.
   Quase tive de chacoalhar pelos ombros aquele que me olhava impassível, como a não crer que eu fosse capaz.Como se me conhecesse! ou conhecesse as fraquezas humanas, aquelas que percebemos ter bem quando pensamos não ter mais nada novo para sentir.
   Não preciso lhe dizer. Saí de lá sem arma alguma.
   Não porque ele, com seu silêncio, não a quisera dar a mim que ali insistia, mas porque depois de testar algumas, tive certeza de que não era o que eu procurava, desisti. Pois constatei, observando-as, que cada uma conviria a uma situação e exigiria certas particularidades que o caso não poderia atender.
   E para todas seria preciso, sem sombra de dúvida, mão firme e bom foco!
   Como posso ter mão firme se tremo de pensar que estaria cometendo um assassinato ? Se fosse como matar uma barata, aranha ou qualquer animal perigoso e intruso que estivesse em minha casa, enfim, em meus domínios a ameaçar minha segurança e paz, seria fácil. Pois é claro que sou capaz de matar uma mosca nojenta que quer entrar na minha boca ou nadar na comida do meu prato!
   Mas, o que de vez em quando acontece subitamente como o leite que sobe na vasilha em fogo baixo e ferve de repente, e de susto quase me mata a ponto de me descontrolar de minha calmaria...
aquilo que machuca,mas de início começa como uma nostálgica e doce lembrança cujo pensar me dá prazer e me fazia sorrir, aquela presença que pela ausência me violenta de certo modo, nunca esteve suficientemente perto para que eu pudesse fazer a mira certeira, ou mesmo pudesse escolher o que fazer. E nunca esteve suficientemente longe, pois o que de tudo isto introjetei, foi o melhor.
   E então, como posso ter mira certeira, se o que resta de todo aquele pouco para o qual dei muito significado ainda está dentro de mim? Como fazer a mira certeira?
   Melhor continuar com o sorriso brando com o qual saí da loja, e com a certeza de que por vezes estamos lidando com um sentimento, amigo ou inimigo, que está dentro de nós. E matar sentimentos, eu sei bem, é perigoso demais! Ao mesmo tempo que nos anestesia, nos amortece e nos protege da dor da saudades e outras, ao mesmo tempo nos dessensibiliza em relação aos demais sentimentos...e são os sentimentos e a emoção partes importantes de nossa pretensão de viver a vida e ou evoluir nela, na nossa condição humana.
foto/texto: Vera Alvarenga

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Tuas palavras...


De que é feito o teu dia?
Tens, na tua história, eu sei, muitas palavras. Falo de tuas palavras...
Certamente muitas foram ditas, escritas ou lidas para um outro ouvir, mais algumas discutidas. Poucas ficaram no ar, talvez o vento as tenha levado e alguém as tenha apanhado pensando ou sonhando que era pra si. Erro que alguns cometem.
   Imagino que nem sempre tuas palavras foram compreendidas, talvez até algumas tenham sido mal interpretadas, superestimadas. Com palavras escreveste um livro que não li. Com elas também por certo ensinastes muito das coisas que aprendeste em tua vida. Amigos teus, quem sabe tenham saudades de tuas palavras ou dos efeitos que elas podem causar. Tuas amizades vivem também de tuas palavras.
   Palavras saíram de tua boca como oração, em alguns momentos talvez como sufocado lamento. E eu lamento não ter te abraçado nesta ocasião.
Tuas palavras por vezes podem ter incentivado alguém, haverá casos em que magoaram, outros mais raros, que elas ajudaram a elevar a auto estima de uma pessoa enquanto eram dirigidas a ela. Sei que muitas palavras se calaram em tua boca.
   Acredito que em voz baixa tenhas confessado algo de teus sentimentos a quem podias confiar, e sussurrado algumas das mais preciosas bem perto de quem as merecia ouvir. Tem sorte aqueles que ouvem palavras de um querer bem maior que nossas palavras podem descrever!
   Tanto falei em palavras que lembrei que por vezes tive sede daquelas que chegam como bálsamo ou beijo morno quando estamos feridos. Ah! eu gosto de palavras com significado, e sinto falta também de algumas leves porém sinceras, daquelas cujo significado não vai além do desejo de simplesmente alegrar nossos dias e a vida.
   Mas volto a ti, pois é de tuas palavras que falo.
   Onde estão agora? De tua vida, como será agora o livro que escreves e que eu não posso ler?

foto/texto Vera Alvarenga

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Cor de vinho...

    Ela estivera andando de um lado para outro sem poder encontrar o que queria, desde aquele inverno em que sentira na alma, que trazia no ventre e na mente aquele botão de uma nova vida.
Nada a satisfazia como antes. E não sabia se fora por causa do tempo, dos silêncios, dos momentos de solidão, muitos momentos por sinal, ou do vazio dos gestos que iam mas não retornavam igualmente plenos do que alimenta o sorriso e o corpo. Quem sabe teria sido por causa daquele vento morno que veio forte, trouxe-lhe o pólen que a fertilizou e bateu-lhe no rosto, abrindo seus olhos como janelas para um novo mundo.
   Ela flutuara por uma eternidade em meio àqueles sonhos e pensamentos que, de súbito tinham vindo iluminar suas noites como pirilampos. Vivia então, em carne viva, vermelha do sangue que ainda pulsava nas veias, corada dos desejos e vontades que procurava esconder de si mesma, mas ainda estavam lá.
   Ela não queria mais sonhar... a noite agora era escura mas tranquila, e a esta calmaria iria se entregar com todo o seu ser,como sempre fizera a tudo a que decidia se entregar, atenção focada no melhor que sua mente e olhar podiam transformar de cada momento de vida. Era este o seu jeito - tinha escolhido sonhar a vida, vestida em cores, ao invés de vivê-la de uma forma nua ou crua.

   E quando quase dormia, ainda vestida de vermelho mas de um vermelho mais maduro em tom mais escuro, quando a noite também escurecia seu olhar e escondia tudo que a cercava, então... ele chegou.
   No escuro do quarto, num canto, o vestido cor de vinho... O único som que ouvia era o do coração dele ... fechou os olhos para sonhar...

Fotos e texto:Vera Alvarenga.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

A ciência da Felicidade...

   Numa palestra, Nancy Etcoff, da área de psicologia, diz que hoje em dia, ao contrário do que Freud pensava: “A felicidade não é somente a ausência de tristeza”.
   E ela continua explicando- somos muito sensíveis ao negativo. O ser humano sofre mais com a perda do que fica feliz com a experiência de um desejo realizado. Uma interação negativa, pelos estudos feitos, demonstra ser mais poderosa do que uma positiva. Em especial as expressões de desrespeito e rejeição tem bastante poder! É mais ou menos assim..por ex., em um relacionamento/casamento : “é necessário 5 comentários ou interações positivas para compensar cada interação negativa”. Uau!
   Se entendi bem então, sofro mais com a perda de um sonho ou pessoa, do que ficaria feliz com a realização deste sonho ou o sucesso em ter comigo a tal pessoa. Eu não costumava ter dificuldades em descobrir formas de sentir prazer com o que tenho, mas entendo o que o texto diz. É preciso nos "anestesiar", nos"desligar" um pouco de nossa sensibilidade para sofrermos menos com a perda, e então isto pode ser uma faca de dois gumes! 
   Bem, evidentemente, se tivermos a pessoa ao lado e pudermos conviver com ela por longo tempo, teremos novamente muitas oportunidades de nos encontrar nesta alternância entre o realizar desejos e sonhos com ela sentindo prazer em nossa vida juntos ou o de enfrentar os desafios escolhendo a proporção de nossa reação negativa diante das frustrações.
  Nossa vida é como um pêndulo que alterna em diferentes graus de importância, entre a felicidade e seu oposto, não é? De todo modo, é sempre bom aprender a controlar, se já não aprendemos, nossas expressões negativas ou a forma como as demonstramos, evitando ao máximo aquelas que desprezam ou desrespeitam. Porque podemos nos esquecer ou nos arrepender delas, mas o peso sobre o outro é maior.      Nancy Etcoff não fala de proporções, nem do nível limite a que cada um pode chegar mas é evidente que cada um de nós, com certeza sabe seus próprios limites. E mesmo que façamos de conta que não percebemos o limite do outro, a gente deve refletir sobre, para controlar nossas expressões negativas.   
   Parece tão óbvio, mas para alguns não é fácil! É preciso lembrar que, controlando nosso “gênio” estaremos não só nos tornando melhores como pessoa e mantendo o relacionamento mais confortável para nós e para o outro, mas atraindo para nós muito provavelmente e de modo geral, sentimentos, lembranças e pensamentos naturalmente positivos.  Para os mais egoístas, se outros motivos não forem o suficiente, parece interessante então lembrar que o controle sobre si mesmos é também uma forma de assegurar maior prazer na vida em comum. Evidentemente, que aqueles que não são exageradamente egocêntricos aprenderam mais cedo a respeitar e por outras razões, não apenas em interesse próprio, habituaram-se a ponderar suas atitudes. Algumas vezes até se acostumaram mais naturalmente a fazer isto, porque viver em paz ou levar o outro que lhe é próximo e íntimo em consideração, lhes é fundamental para sentirem-se felizes. Ou porque a isto estava acostumados.  De qualquer modo, hoje os estudos provam que todos nós queremos ser felizes.
   Ela diz que emoções não são apenas sentimentos mas também alertas que modificam o modo como percebemos as coisas e até nossas lembranças( o que queremos ou não lembrar). Não devemos nos esquecer que todos desejamos ser felizes. Ninguém está dizendo aqui que devamos viver para dar prazer apenas ao outro, um erro que muitos de nós cometemos porque a felicidade do outro nos leva também à nossa felicidade, em parte. Algo assim unilateral não poderia durar, nem alimentar o relacionamento com o qual sonhamos e gostaríamos de viver por toda a poética e real eternidade! E se queremos ser lembrados, se ficamos felizes quando alguém sente prazer com nossa presença ou ao pensar em nós,  é importante proporcionar maior oportunidades de prazer do que dor. Parece tão óbvio mesmo, não é? Então por que esquecemos tantas vezes disto? Por que muitos de nós ainda pensam que o elogio e incentivo fazem um menor papel do que a crítica? Por que evitamos o prazer de nossa presença na vida de algumas pessoas para as quais sabemos que apenas nossa presença já é importante? Por que este medo de nos relacionar com quem nos valoriza, esta mania de achar que ficaremos vazios de nós se dermos prazer ao outro? Talvez por medo de passarmos a sentir um pouco mais a vida sem a proteção anestésica que nos proporciona aquela posição na qual tentamos por vezes nos manter...ali no meio, quase em neutralidade? 

   Pensando bem...estas pessoas de fato estão de acordo com o que Nancy disse em sua palestra sobre estudos que há algum tempo se fazem sobre a Felicidade. Estas pessoas de reação negativa sobre os que lhe são próximos e até os que amam, talvez saibam que estas suas reações tem mais poder! E se buscam o poder, seja por auto defesa, insegurança ou "vocação", podem repetir estas reações constantemente. Em contrapartida, quem conviva com estas pessoas pode acabar por ir para o lado oposto e cada vez sinta que precisa controlar-se mais, ser mais dócil ou adaptável para compensar o outro. Ou ainda se habituará a "desligar-se" da situação ou negar as próprias emoções como forma de passar mais ileso ao desrespeito. O ser humano quer ser feliz e portanto tenta sobreviver da melhor maneira a tudo. Se isto se tornar um modo de vida ou sobrevivência, aos olhos de outros, ambos estarão visivelmente nos extremos, um parecerá " o tal do genio forte" enquanto o outro poderá ser visto como "o fraco ou excessivamente permissivo". Ao mesmo tempo, pelo menos com certeza aquele que não se conforme com o papel que passou a ter de desempenhar para compensar a grosseria do outro, se sentirá em posição desconfortável porque não consegue voltar ao centro, ao que se aproximaria do chamado equilíbrio. Ora ninguém consegue ser bom o tempo todo quando é constantemente desrespeitado,e ainda que se esforce o preço pode ser alto quando e decidimos ultrapassar limites para conviver de modo positivo com aquele que precisa manter-se sempre no poder. Ora, ora, nunca tinha pensado nisto desta maneira!
   Então talvez seja uma questão de escolhermos que tipo de poder queremos exercer sobre o outro... e no final das contas, sobre nossa vida e nossa Felicidade. Que tipo de poder podemos deixar que o outro exerça sobre nós, sem que nos tire a dignidade que por nossa essência divina, temos.  Aliás, melhor seria perguntar se queremos exercer poder sobre quem amamos ou queremos, de fato, amar?
Foto e texto: Vera Alvarenga

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

" Meu garoto"...

Sempre disse que meus filhos são bençãos pra mim. Sou grata a Deus por atender minhas preces, protegendo-os, fortalecendo seu caráter, ajudando-os nas escolhas dos caminhos, abrandando seus corações, humanizando suas atitudes, fazendo-os abertos ao aprendizado e peço a Deus que lhes inspire para sempre olharem para o mundo com a humildade de saber que não somos apenas o que obtemos, mas o que nossa alma acredita.
  Que eles tenham oportunidades para também agir de acordo com seus princípios. Nunca meu coração duvidou de cada um deles, que é especial com suas características individuais e espero ter sempre lhes demonstrado que não os amo por serem vencedores, mas por honestamente tentar sempre e sempre, tentando melhorar e encarar os erros como aprendizado, e aceitar as falhas como limites naturais que nos ensina a respeitar também os outros.
    E sinto orgulho dos 3, homens que se tornaram responsáveis e levam a sério seu trabalho e os princípios que regem suas vidas, e embora sejam diferentes em certas particularidades e na forma de agir, tem uma coisa em comum - são generosos, compartilham com outros o que aprenderam ou obtiveram com seus esforços - e é disto que mais me orgulho, e por lutarem por aquilo que acreditam que é o mais correto, digno e justo, embora não lhes tenha sido o caminho mais fácil.
   Não é fácil seguir algumas vezes contra a corrente num mundo com tanta violência e ou corrupção. Aliás, cada um deles passou por seus momentos dificeis e com certeza ainda terão de enfrentar muitos, por decidirem defender as causas em que acreditam.
  Nós, mães e as esposas, sabemos o que veio antes de um momento de sucesso, todas as batalhas e sonhos que nem sempre puderam realizar... Por isto nosso coração se enche de gratidão quando um deles, ou todos conseguem realizar um pouco do que tem como projetos...
    Agradeço a Deus porque eles tem me proporcionado momentos de orgulho e deles tenho sentido o carinho que me dedicam, me permitindo fazer parte de suas vidas até hoje. Que Deus os proteja sempre!

foto e texto: Vera Alvarenga.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Quem pode explicar ?

ah!
quem pode explicar? a vida que vivemos... e nela o tempo que passa, as marcas, os sinais,a terra, o fogo, o vento e a água que transformam a tudo e junto com toda a coisa viva, ela mesma ?
... e nisto tudo de certo modo um dia, agora mais amadurecida, penso que consegui aceitar o que não pude mudar, humildemente entregar-me a verdade de que sou como tudo, finita e envelheço, e morro a cada dia um pouco, e um sonho morre comigo, justo aquele que não consegui realizar, mais ousado que todos porque parecia fora do contexto de uma realidade ainda que eu também a moldasse e na qual interagia, ora adaptando-me ora transformando-a...
  ah! mas mesmo assim, eu dizia, apesar das voltas que o mundo dá, e as surpresas e os caminhos, a esta altura eu pensava estar absolutamente serena, e digo mesmo que estou surpreendentemente entregue ao que é, e em paz e ainda tenho o sorriso na alma e a mão de afagar, e uma paciência que me acompanha e um desejo de conviver fraternalmente com aquela que não sou mais eu concretamente, mas está em mim...
   então...por favor,diga-me! quem pode explicar ?
   ...que de repente, assim por conta de um momento grosseiro que me leva a sentir o cheiro da terra que exala de tudo o que se tornou a vida assim como ela é, ainda que considerando que ela é muito boa e me devia satisfazer inteiramente e satisfaz se me mantenho serena mas um pouco alheia...de repente, por conta de uma música e uma imagem que me levam a me sentir quase mais leve, me vem esta saudade, nostalgia, vontade de abraçar e amar e amar e satisfazer o sentimento que, a certo ponto me parece impossivel até de controlar??
  Por que? quem me poderia explicar? e em não tendo explicação nem razão ou lógica em que me possa apoiar, escrevo... único modo de compreender que na alma existe algo maior que esta vida em que simplesmente andamos, que para alguns não morre nem envelhece, que permanece desejo, forte e real, não pode ser sufocado, mas que ao fim do desabafo, e na escrita na falta do sonhado abraço, como tudo o mais passa... sossega... se enternece com as sutilizas da vida e enfim volta a serenar....

Foto e texto: Vera Alvarenga  

domingo, 27 de julho de 2014

Poesia-me...



 Uma de minhas noras, a Priscilla, compartilhou esta imagem e a frase ali é inspiradora!

Há coisas na vida que, ao primeiro olhar nos parece que não se pode poetizar... mas, se são duras e nos lembram da resistência podem também lembrar da flexibilidade que é necessária para a dança da vida. Se são secas, lembram-nos que a palha sobre a terra protege a semente em gestação no solo, e o que foi seivado já teve vida em si e ainda pode transformar-se. Há coisas que são poesia, e outras para as quais o olhar da alma deve descobrir a poesia que nelas existe, porque na verdade, a poesia também está nos olhos de quem vê... Bj e bom domingo! 

sábado, 26 de julho de 2014

Não deixe sua criança interior morrer...

Hoje, passando pelo Face, vi esta imagem...
então pensei...
- rs.... também tenho meus segredos, meu balanço, meu céu estrelado, os sonhos ousados, o sorriso no coração...uma disponibilidade incrível e parece infinita para ser feliz ou ver um bom ângulo das coisas...sim isto nos salva... só não podemos exagerar porque então, a gente periga se desligar e ficar numa vida paralela, apenas observando esta... vai ver que é assim que o pessoal mais velho, cansado ou sábio,passa a viver com aquele tal alemão... e se vai de braços dados com ele, pra sempre...rs....
Por isto, mais uma vez digo a você que me conhece um pouco e me compreende..."Minha criança interior saúda e dá um beijo estalado na face da que você tem aí, dentro de você"!
Texto:Vera Alvarenga
Foto retirada do Facebook

terça-feira, 15 de julho de 2014

Alma de gato...rs...


Há pouco tempo num blog, alguém perguntava com que animal, entre alguns, nos sentíamos mais conectados. Ah, um cavalo, correndo livre pelos campos... que linda visão posso até imaginar, mas não seria eu, pois que tenho a natureza mais caseira e não gosto de campos abertos, mas de cantos, árvores e natureza.
  Uma ave talvez, pensei eu, pois me agrada demais voar. Contudo, não tenho a tendência a voos longos para lugares distantes. Se resolvo voar, preferia ter companhia mas não em bandos, ou o faço nos momentos em que estou no meu canto sozinha, e é fácil perceber pois que se alguém de fato olhar para mim e me ver, reconhecerá aquele meu olhar calmo mas não frio e distante, uma vez que está observando e curtindo o que vê ou voltado para o interior de mim mesma ou de minha mente onde vislumbro claramente os sonhos, onde a imaginação, isto sim, voa livre por onde quiser! E por vezes estou orando, ou apenas olhando as coisas da natureza e tentando sentir a presença de Deus.
  Um animal selvagem? Nunca! Nada tenho de selvagem, embora viva de meus instintos e se não os sigo me sinto frágil. Não gosto de me esconder, embora tenha meus segredos. E não gosto da solidão da vida na selva pois que adoro ver a vida e as pessoas, porém de uma distancia segura. Aliás, já me chamaram de tímida, e por duas ou três vezes os que se tornaram amigos mais íntimos até me confessaram que de início me achavam antipática ou "fechada"antes de me conhecer, até que notaram em mim uma certa brandura e toque por demais macio. E minhas garras ou presas estão sempre guardadas, a menos que me encontre totalmente encurralada, ou veja ameaçados os meus filhotes!
  Quando era menina e adolescente, minha mãe me dizia que eu era independente! Logo eu, tão caseira? Mas certamente há um outro tipo de independência, talvez quando pensamos que temos dentro de nós o pensamento e nele a capacidade de sermos totalmente livres, independente das aparências. Eu gostava tanto da minha gatinha e ela de mim, que pensava que tinha alma de gato. Como ela, gostava de conviver, mas era mais quieta, e embora gostasse de observar as pessoas, escolhia algumas poucas com quem me tornava íntima e para quem oferecia a barriga em total abandono e relaxamento, porque delas era meu coração e nestas confiava totalmente. Não gostava de ficar no centro das atenções, mas de observar o movimento sim. E sempre fui muito sensível e intuitiva.
   Contudo, por um tempo há poucos anos atrás, tive uma experiência que me fez imaginar que bem parecia com um cachorrinho que fica sozinho em casa a espera do dono e por solidão até pode abanar o rabinho para qualquer um que passe pelo portão e lhe faça uma festa. Qual nada!! Sempre fui seletiva não por soberba mas por empatia e, por mais carente que possa ter ficado em algumas fases, percebo agora claramente que em toda a minha vida poucas foram as pessoas que escolhi e para elas me entreguei, embora possa conviver com muitas reconhecendo pacificamente que cada uma tem suas características.Não as quero mudar, senão, poder conviver com elas em paz, fazer meu dengo e saber que me aceitam como sou, para poder continuar sendo...Do cachorro tenho a alegria de pertencer, mas a fidelidade é mais a do gato. É o olhar nos olhos e o toque macio que o conquistam e sua alma anseia por se apegar irremediável e alegremente a este dono, quando ele também se dá. Os dois criam uma conexão silenciosa e quase imperceptível, mas forte e verdadeira. Existe uma raça de gatos que é assim e relaxa inteiramente nos braços daquele em quem confia totalmente.
   Há poucos dias estive lendo sobre gatos, pois estou, na maturidade, me reconhecendo cada vez mais parecida com eles. Talvez as crises tenham acontecido por eu ter me confundido com um cachorro que quer agradar ao dono e a todos e acaba por nem sempre conseguir, e por vezes sente-se solitário no quintal, esquecido de si ou de sua própria natureza, em crise existencial por descobrir que pode preferir a tranquilidade de alguns momentos de solidão ao cansaço que vem do rodopiar em torno dos donos, porque pertence a todos que ama. Vi um vídeo de uma raça em especial, e no caso era uma mãe com seus filhotes pequenos. E todo aquele meu instinto maternal e toque macio pareceu me envolver como se eu fosse ela mesma ao abraçar os filhotes com aquelas patas peludas e macias, e com gestos meigos. Fui assim com meus pequeninos. Hoje sei com certeza que, se eu fosse um dos animais como opção naquele blog, seria uma gata. Entretanto, pertenceria a esta tal raça que recentemente descobri, ou então, a uma SRD ( Sem Raça Definida), que escolheria seu dono e adoraria ficar muitas vezes em seu colo, eternamente tranquila e feliz por estar com ele. Mesmo que me acomodasse no seu colo e me tornasse caseira, mudaria sim de casa e o acompanharia onde fosse, desde que ele não quisesse prender minha alma ou me impedir de observar com alegria interior, a vida acontecendo e as pessoas em redor....rs....

texto: Vera Alvarenga
foto retirada do youtube:  

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Bolinho de Chuva

Tem certas coisas que lembram bons momentos de nossa infância.
Sei que minha avó fez algumas vezes...minha mãe também... mas bolinho de chuva me lembra mesmo quando eu ia passar alguns dias na casa da minha madrinha " Fiica"( era um apelido porque o nome dela era Joana, mas só descobri isto quando era adolescente!). Para todos era Fiíca.
  Então, minha madrinha Fiica fazia estes "Bolinhos" e a gente "avançava". Mas ela fazia em quantidade suficiente pra guardar numa lata e a gente ( eu e minha prima Stellinha) podermos comer no dia seguinte. Eram ainda mais gostosos no dia seguinte! ( Já notaram que algumas coisas são ainda mais gostosas quando a gente as repete, com calma para sentir ainda mais prazer, no dia seguinte?...rs...). Voltando à receita, antes que eu mude de assunto...rs...
  Eu andava com vontade pois já fazia anos que não comia estes bolinhos. Os que minha mãe fazia ficavam redondinhos e com uma pontinha bem no meio... ela os chamava também de bolinho de pingar...
   Bem, finalmente juntei uma receita com um segredinho para deixar mais crocante, aliás aumentei a receita e fiz. Dá uns 35 bolinhos...deliciosos! Para quem quiser, aqui vai a receita:
Misture:
-2 copos não cheios de far. de trigo
- 5 colheres de sopa rasas de açucar ( pode por um pouco de adoçante se quiser evitar muito açucar)
- 2 ovos + 1 colher sopa de margarina
- 1 pitada de sal ( minha madrinha colocava bicabornato)
- 1 colher de sobremesa rasa de fermento em pó
- Cerca de 1/2 copo de leite para dar o ponto na massa que deve ficar como um purê não muito mole.
- 1 colher de sopa de Vinagre ( para ficar mais crocante e sequinho)!!!

Modo de fazer:
Misture tudo numa vasilha. Aqueça o óleo em fogo médio e vá colocando as bolinhas uma a uma, com uma colher de sobremesa da massa  e empurrando com a outra. Depois de colocar umas 8 bolinhas no óleo ( bastante para os bolinhos nadarem nele...rs...), balance com cuidado a panela ou jogue óleo em cima dos bolinhos com uma escumadeira ( ou espumadeira tanto faz..rs...).
- Vire os bolinhos conforme vão ficando dourados. Retire-os e coloque sobre papel para absorver o óleo.
-  Em um saco plástico coloque um pouco de açucar e canela em pó. Coloque os bolinhos lá e misture os bolinhos para o açucar e a canela grudarem neles, sem fazer muita sujeira...rs...
- Depois é comer... quente ou frio...e guardar alguns depois de frios na lata para o dia seguinte.

Dá uns 35 bolinhos de bom tamanho. De..li..ci..óóó...sos... kkk
Fotos/texto: Vera Alvarenga

domingo, 29 de junho de 2014

Reencontrar o amor...


  Em algumas ocasiões imaginava o quanto ficaria feliz se pudesse mostrar a você como, às vezes, é possivel ver o mundo com olhos de quem entra nos detalhes mais belos que há, nos melhores ângulos, com a melhor luz... não que eu seja presunçosa a ponto de querer lhe mostrar algo que creia que você mesmo, e sozinho, não pudesse ver. E também não porque eu sempre consiga viver desta maneira como se fosse a mais abençoada das mulheres! É apenas porque há momentos em que me sinto como se fosse uma lente de uma câmera fotográfica... a entrar em contato com um pequenino detalhe que me leva a algo muito maior!
   É algo talvez que eu precise fazer, não como um dom, mas até por necessidade vinda com certeza por alguma fragilidade. E se não posso fazer, sinto falta! Portanto não é de forma nenhuma pretensão. E entro naquele detalhe. E entro nele como se fizesse parte daquilo e isto, me traz uma sensação de doce pertencer e de paz.  Eu então, só quis poder compartilhar isto com você, como já desejei um dia que você pudesse compartilhar tantas outras coisas do mundo comigo. Porque do mundo nada sei.
   Uma vez me lembro que imaginei estarmos sentados lado a lado e eu lhe mostrava como moldar aquela argila que eu havia colocado num torno a sua frente. E então eu pegaria em suas mãos e o faria sentir como é este toque no macio da argila... primeiro como se quisesse conhecer do que é feita, como reage ao toque, saber seus limites, sua resistência e temperatura para então brincar com ela, moldá-la e sentir nisto prazer.
   E este prazer só viria, assim como eu o conheço e imagino, porque você conseguiria sentir que o prazer não é um poder apenas seu. Não seria apenas você moldando a argila, assim como não é um homem que decide no que vai transformar o momento em que toca a mulher que quer de fato amar. Porque quando isto se dá, e afirmo que não ocorre sempre, de uma forma que sei que acontece quando você é totalmente absorvido pelo  agir sobre aquilo que deixa também agir sobre você, quando você dá tanto quanto recebe, então você está tão inteiro neste "fazer e sentir"que perceberia a interação entre você e a "coisa" tocada. Não é uma teoria, por mais que alguém pudesse falar dela, só é possível sentir.
  Por uns instantes a gente sente que nesta interação e respeito mútuo entre o que sou e o que desejo criar naquele momento ou o que estou observando porque já é,  há um surpreendente intervalo de tempo em que somos um só... você estaria inteiramente lá, com ela e nela, a argila...
   Ah, não tenho nada do mundo a lhe ensinar... aliás, como poderia se nunca pretendi? Mas em meus devaneios a única coisa que pensei que poderia ter compartilhado seria este "sentir", ou este "olhar" que se pode ter em momentos sublimes quando nos esquecemos da aparência, idade e individualidade que somos para fazer parte de algo maior...e melhor. E nem por um momento penso que o mundo é apenas beleza ausente de dor e perdas! Mas, é bem por isto que talvez desde menina tenha escolhido viver assim com este meu tipo de sensibilidade que sente o bem e o mal, mas se deixa encantar apenas por um deles.
    Ah... algumas vezes te sonhei assim, "sentindo" pequenos momentos comigo... e sabe por que? Porque imaginava que com você eu poderia sentir ainda mais... sem precisar disfarçar ou esconder tal sensibilidade... seria o nosso segredo... meu e seu - pequenos momentos de ingenua alegria por ainda estarmos vivos e conseguirmos fazer disto algo bom . Acho que tenho de falar sobre estas coisas porque são coisas das quais o tempo faz a gente entender que tem de se despedir...você que é apenas um sonho meu...que não fala comigo... que existe em algum outro espaço que não conheço e nunca ousaria invadir... mesmo porque não teria sentido... porque você com quem imaginei que poderia sorrir tantas vezes mais,por pequenos motivos, sem me encabular por isto, você está em meu coração...você não seria um homem qualquer, teria sido um presente de Deus... e eu também não seria mais uma mulher qualquer. Deus teria feito em nós um daqueles seus milagres.... mas há outros que ele faz dia a dia...inclusive o de acordarmos de nossos sonhos e ainda olharmos com amor ao nosso redor... e ainda termos força para viver mais um dia, porque temos esperança e amor no coração. Porque esperamos um dia reencontrar talvez o verdadeiro Amor do qual tenhamos quem sabe, esta nostalgia....
Foto e texto:Vera Alvarenga

domingo, 22 de junho de 2014

E ela dançou aquela seleção inteira....


Parada em frente à janela, resguardada do frio, olhava para mais longe, através daquelas árvores verdes onde o sol brilhava sobre as flores vermelhas do jardim e pensava sobre aquilo que podia fazer o mundo ser maravilhoso aos nossos olhos. Distraída, ouvia uma daquelas fitas antigas onde gravara um dia, algumas músicas de que gostava. Sem resistência e mesmo sem perceber, seu corpo deixou-se levar pelo ritmo de Willie Nelson cantando "Always on my mind" e logo balançava suavemente de um lado para outro. E ainda mais soltou-se, descruzando os braços, quando ele cantou "Valantine".
   Tão antigas aquelas músicas, nossa! De olhos abertos vendo só o pouco que queria ver e imaginando o outro tanto, deixou-se levar... de repente sentiu que estava sendo observada e um minuto antes de desmanchar seu sorriso, de parar, envergonhada, os movimentos suaves com que acompanhava as músicas, olhou para ele. Estava sentado numa poltrona ao lado de uma estante cheia de livros e DVDs. Não era mais em sua sala que estava, como antes, mas sim num ambiente sóbrio e íntimo como um escritório ou biblioteca pode ser para aqueles que gostam de abrir sua alma e ali, escrever. Sentiu-se quase em casa.
 
Sorrindo, ele estendeu-lhe a mão e pegando a dela, fez com que continuasse a girar em torno da poltrona em que estava. Levantando em seguida, olhou-a nos olhos e ela pode ler neles o que a música cantava naquele mesmo instante - " You are so beautiful...to me..." De mãos dadas, mantendo-a distante de si como se quisesse mais olhar pra ela do que abraçá-la, ele a fez rodar e dançar em movimentos lentos ao redor dele. Aliás como cabia aos dois, nesta idade, os movimentos eram lentos mas intensos. E ela sentiu-se leve. E não importava mais o tempo nem a idade, e assim dançaram enquanto Louis Armstrong cantava para eles "A wonderful world".

E quando Riccardo cantava "Margherita" eles se abraçaram, dançaram juntos, beijaram-se... e ela o ouvia dizer baixinho : perché tu è dolce, perché tu è vera, perché tu ama, è un sogno, il vento e adesso è mia...

Tudo era extremamente intenso e leve ao mesmo tempo, e puro embora sensual, e forte, e o tempo parou por uma eternidade....sentiram-se vivos por saberem que tristes são aqueles que não sabem o que é amar.... Mas aquela música que falava do coração dos puros quando amam a deixou muito leve, tão leve que já não parecia real mas uma bolha de sabão colorida, pelo sol, feito arco-íris, indo para o alto.

Foi quando olhou novamente para as flores vermelhas atrás das árvores verdes que ficavam em frente sua janela e, ouvindo a última música daquela seleção, ainda com o sorriso nos lábios e alguma leveza na alma, pensando que pelo amor é que a vida segue em frente, acompanhava em pensamento a mesma pergunta da canção....
...." Quem poderá explicar o espírito secreto de uma vida?..."


quinta-feira, 19 de junho de 2014

Mais uma Festa Junina!

 Como foi bom acompanhar mais de perto seu crescimento!
E como crescem depressa estes rebentos!
Quanta alegria me trouxe poder ver
que a cada festa Junina estão mais crescidos,
continuam saudáveis e
fazem novos amigos!



E se divertem e brincam
vivem sua infância perto de quem muito os ama!

Todo tipo de amor, é claro, é importante,
todo tipo de amor tem seu valor,
e todo carinho é bem vindo
uma benção, seja em que idade for,
e nunca um com outro deve se comparar,
são momentos e pessoas diferentes
para as quais damos o amor que soubermos dar
e recebemos o que nos tem a oferecer...

 Estão crescendo e logo serão mais independentes...
é assim mesmo que a vida segue em frente!
Falta pouco para se tornarem adolescentes !!

Mas meus queridos, posso lhes falar 
de algo que vocês talvez nunca
vão poder avaliar ?....
O quanto sou feliz por ter acompanhado
vocês desde pequeninos, desde bebês!
Porque o sorriso dos pequeninos e
sua mão a carinhar nosso rosto em
retribuição de nosso carinho,
deixam qualquer velho sentir-se menino!
Como avó pude de novo me sentir
criança, inocente e cheia da luz
que preenche a vida, que leva o medo pra longe,
que nos dá a oportunidade de
novamente amar,através de vocês,
nossos próprios rebentos!

E parece até que a vida vai poder recomeçar!......
Seu sorriso de criança nos contamina,
Seu olhar de confiança nos faz confiar 
que temos em nós ainda, o melhor pra lhes dar e
Voltamos até a sonhar!
De fato, só gratidão nós velhos podemos sentir
por termos escolhido viver
ao lado dos pequeninos e ingenuos 
olhos de vocês, crianças,
e de seu lindo sorriso dirigido a nós!

Fotos e texto: Vera Alvarenga.

domingo, 8 de junho de 2014

Copa no Brasil...Sinto vergonha?

Como fico triste ao ler os comentários no FACE sobre a Copa no Brasil, sobre o futebol que antes era um orgulho nacional, paixão do povo brasileiro e agora....
  Há uma parte das pessoas, aliás haverá sempre infelizmente, que culpa a pessoa estuprada ou violentada de ter dado um motivo, de ter se mostrado confiante demais ou até por ser mais frágil, ou ignorante naquele assunto, não tendo sido educada para saber se defender, etc...
  Acho que isto é um grande erro, pois deste modo se diminue a culpa, desvia-se a atenção do verdadeiro criminoso que seduz sua vítima para depois violentá-la.
  É o que penso a respeito das eleições, da Copa, do Futebol e de nosso povo. Será que deveríamos desde crianças ser educados para não confiar, para não termos infância, nem esperança, nem ingenuidades. Devíamos voltar ao tempo em que não houvesse governo, nem administração, e cada um cuidasse de sua família e a defendesse com armas, unhas e dentes, não havendo a cooperação, obediência às leis nas quais se deveria confiar, nem nos nossos representantes que deveriam estar representando nossos interesses e cuidando de sua realização de forma ordenada e adequada?
  Não ,não sinto vergonha do povo brasileiro honesto e trabalhador, sinto vergonha dos artistas que acreditam ainda no PT, dos estudantes inteligentes que parecem ainda acreditar numa fantasia, sinto vergonha do governo dos últimos anos, que alimentou e incentivou a corrupção que ocorre entre os grandes interesses, pela impunidade que demonstrou para tratar com políticos corruptos em seu próprio meio.
  O povo trabalhador não é corrupto! Paga impostos e muitos, vive uma vida difícil, não tem acesso aos benefícios aos quais teriam direito, enfrentam as greves e o trânsito para ir trabalhar pois não tem motoristas nem helicópteros a disposição para ir e vir. O povo simples, a classe média, é enganado por falsas promessas antes das eleições e tudo foi muito bem escondido até vir a julgamento. Aqueles que teriam capacidade de  devolver a dignidade ao país são ameaçados, não encontram apoio suficiente para enfrentar tal missão. Para pagar os projetos absurdos e  mal concluídos do governo e empresas por ele protegidas, o dinheiro do povo honesto e trabalhador é desviado da Saúde, Educação e Segurança.
  O esporte, não só o futebol, que deveria ser patrocinado o tempo todo pelo governo como meio de educar e proporcionar oportunidades e ambiente sadio aos nossos jovens, só recebeu em vésperas da Copa a atenção devida. E todos sabem que o esporte também é um excelente meio para se educar um povo em vários sentidos inclusive de disciplina, flexibilidade, criatividade e esforço cooperativo.
   Sinto vergonha sim de termos tido por tanto tempo governantes que retiraram de nosso verde a seiva, os nutrientes da terra, a pureza das águas, o brilho do amarelo de nosso sol tropical, os sonhos das nossas noites estreladas. Somos um povo pacífico, simples, trabalhador que, por causa do poder de poucos passamos a ser vistos e tratados sem dignidade. Isto é muito triste. É como ver um parasita e ervas daninhas acabando com o mais belo dos jardins, com a mais bela floresta, ou células cancerosas a danificar o corpo de quem amamos...Partidos políticos é que deviam se envergonhar, e finalmente apresentar um candidato digno em quem possamos votar para acabar com esta pouca vergonha!
  Quando você entrega um filho nas mãos de um cirurgião, você não tem de ser também um médico, mas precisa confiar em que aquele profissional se preparou e vai fazer o melhor possível em seu trabalho e para honrar sua promessa!! Não podemos culpar o povo pela corrupção dos políticos, por sua ingenuidade e esperança, ou por deixar aqueles que se dizem seus representantes preparados para representá-lo fazer seu trabalho. Não podemos culpar o povo simplório que vive nos rincões, vai votar e acredita nas promessas porque nem tem acesso à realidade dos fatos, não podemos culpar ........... a menos que sejam estudantes esclarecidos, pessoas que tem acesso aos noticiários e compreendem o que está havendo... estes sim podem ser acusados de não usarem bem seu voto se continuarem a votar para que esta vergonha continue.
   Quem se candidata para devolver a dignidade ao povo brasileiro?? E devolver ao futebol, não apenas "o ouro do bom negócio" mas a verdadeira paixão que era antes celebrada pacíficamente em alegria nacional???

Clic para compartilhar com...

Compartilhe, mas mantenha minha autoria, não modifique,não uso comercial

 
BlogBlogs.Com.Br
diHITT - Notícias