segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Nem paraíso,nem inferno...

 - Hei! Você me deu choque!
 - Desculpe.Preciso fazer escultura, andar com pé no chão, descarregar energia. Estou como aquele pato, cabeça nas nuvens.Não comente com ninguém, tá?
- Amiga, ele está com a cabeça...
- Pois é, nem o reflexo das nuvens é real, tá vendo? Bem assim que me sinto.
- Huummm...Ontem li algo engraçado sobre estar apaixonada. Serviria pra você. Este mal que fica entre o peito e o coração, que parece o ar que a gente inspirou e fica lá, sem achar o caminho, desconcertado, fora de ritmo...disseram que, se ninguém mexer, não tendo futuro, um dia passa. Então, não se preocupe.
- É. Este "mal" que sinto, me traz leveza e desconforto, pediria realização se não tivesse medo que acabasse como tudo que se realiza.
- Realização... pode não ocorrer como se imaginou.
- Eu sei, mas isto é sentimento, pede expressão. Precisa de um container para tanto conteúdo - gostar, desejar tocar, querer existir, compaixão, ternura. Compaixão, li outro dia, é amor, sabia?
- Bem, tire proveito então, e sonhe. Sonhar não é pecado, é possível, você sempre dizia isto.
- Você tá brincando, né? Isto era no seu tempo, desculpe. Hoje uma mulher não fica sonhando por algo que não passa de um reflexo, quando nem sabe se contem algo real.Se você soubesse as coisas tolas que imagino.E é bem porque não tem limites pra se voar, que frustra e estou nesta enrascada. A gente se pega sorrindo. Sabe como é? Já te contei. Sem pé nem cabeça. É como ver revista de culinária, com a foto de um Petit Gateau derretendo e quando a gente começa a antever o prazer, aí acorda e percebe  que estamos aqui nesta pista, caminhando para queimar calorias. Ninguém merece!
- Você é engraçada. Ainda bem que é jovem e pode rir de si mesma.
- Se não estou no inferno, também não é nenhum paraíso. Nem de um lado, nem de outro.O que sinto é..é..
- Consumissão. Nossa, fui lembrar desta palavra! Desassossego, é melhor. É isto que sente?
- Sabe? Em alguns casos, concordo com você, é melhor a realidade nua e crua. Afinal, precisaria realidade pra gente poder sentar no colo...
-Você anda imaginando isto, é??  hehehe...
- Te falei! Preciso algo que contenha tudo isto. Você já se sentiu assim, não è? É sério, o que faço?
- Não. Nunca me senti assim, eu acho. Quando me apaixonei, ele já estava muito apaixonado, tudo se realizava muito no concreto. Eu não acreditava em amor à primeira vista, demorei mais pra gostar, mas depois, virou uma longa história.
- Você é  toda certinha...
- Nem tenho mais idade para ser diferente,não é? Não saberia como lidar com uma paixão não correspondida.
- Você diz isto porque tem alguém que sempre foi muito concreto a lhe esperar, alguém que possui todas as certezas. Tem sorte,então.
- Acho que sim. No seu lugar,tomaria um banho frio, ou me afogaria..ahahah..Não leve a mal. Estou só brincando, desculpe. Mas tenho saudades da intensidade de tudo o que ocorre quando a paixão vai se concretizando, se transformando em amor possível, real... Durou tantos anos. Paixão e amor podem se combinar, podia durar, mas não sem investimento,claro.
-Ahah! Então você é contida? Tem seus segredos.Tá, não leve a mal, também tô só brincando. Ainda bem que tenho você com quem conversar.Faz bem poder brincar. Pelo menos a gente pode rir de mim, juntas. Isto refresca.
- Falar nisto, vamos tomar um suco?
- Quem sabe um enorme e gelado Milkshake?
- Você não tem jeito.

Fotos e Crônica: Vera Alvarenga
vídeo e música do youtube.

2 comentários:

  1. Minha musa!
    Vc conhece tão bem a paixão...
    nem adianta tentar esconder isso!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Tenho de concordar com você! ..rs...
    Beijos.

    ResponderExcluir

Seu comentário será bem vindo! Obrigada.

Clic para compartilhar com...

Compartilhe, mas mantenha minha autoria, não modifique,não uso comercial

 
BlogBlogs.Com.Br
diHITT - Notícias