domingo, 14 de julho de 2013

Ela e eu....

 





Hoje te abraço como aquela mãe, que não percebia a presença da filha ao seu lado, porque com ela sentia-se uma, e não viu o tempo passar...


Mas o tempo passou...




Hoje te abraço, e compreendo,
e sei que eras a melhor parte de mim.
Tu e eu somos ainda a mesma coisa,
nos confundimos, nos pertencemos,
nos traímos, nos encantamos, nos escondemos...
Combinamos com a Natureza,
o tempo passa por nós
e deixa suas marcas,
mas ainda me perfumo de ti
quando estou no jardim
ou ouço um passarinho cantar...


Hoje sou assim, só presente
mesmo estando um pouco ausente de mim...

Texto e fotos: Vera Alvarenga






quarta-feira, 10 de julho de 2013

Palavras...

 
 Ah...estou pensando nas palavras...novamente as palavras...
  Elas me perseguem ou eu a elas? Não sei. Já gostei tanto delas e hoje as esqueço tão facilmente. E já não as compreendo como antes. Para mim, hoje, não fazem o sentido do que é apenas verdade, como quando eu acreditava nelas sem desconfiar que um dia, modernamente, seriam usadas apenas como figuras. Figuras socializadas, de linguagem, modo de falar, não foi o que se quis dizer... Mas a verdade, não pode mesmo ser dita apenas em palavras, é preciso o gesto! Então, tudo bem.
  Ah... mas elas tem peso. As que me chegaram agora são como plumas, como uma pena que alguém passou suavemente em meu rosto para me acariciar, para brincar comigo. Então, era quase um gesto! E quase não acreditei nelas, porque não tenho o hábito de vê-las daquele modo, ajuntadas talvez até sem nenhuma grande intenção, eu sei, mas arrumadas daquela maneira e dirigidas só para mim, num pedaço branco do que antigamente seria uma folha de papel para um bilhete.
  Há palavras pesadas. Estas eram leves. Ah...Se pudéssemos nos construir por muito mais palavras assim leves e claras e cheias de boa semente... seria tão melhor! Nenhuma flor jamais murcharia triste por ter um fim. Todos, nós e elas, saberíamos nosso valor e apenas cumpriríamos nossa missão, nosso plano de vida e simplesmente deixaríamos lugar para o que viria depois. Há olhares que ferem, mesmo sem palavras. Há olhares que já feriram por falta de compromisso e agora já não ferem mais porque se acomodaram na grande verdade da vida e sabem finalmente, que não deveriam ter sido tão duros.
  E há olhares que não nos tocam verdadeiramente "só" porque não estão ali. Apenas os intuímos, imaginamos, quase podemos senti-los. Eles vem com palavras que nos fazem bem e precisamos aprender a recebê-los, sem cerimônia, sem modéstia, sem nos preocuparmos muito com a intenção. Apenas recebê-los como o carinho que são. E como fazem bem!
Texto Vera Alvarenga
Foto retirada do Google imagens 

quarta-feira, 26 de junho de 2013

De vez em quando, ela dançava até cansar...

 
  De vez em quando, cambaleava, arrastando asas emboloradas que pesavam, às vezes, como chumbo.
  Os olhos,vermelhos, porque tinha chorado, mas ninguém percebeu.Poucas lágrimas, porque nunca mais chorou desesperadamente, isto era para as jovens e ela, já não o era.  Eram lágrimas tristes, lágrimas de lembrar sentimentos fortes... depois, algumas lágrimas doces, que lhe vieram lembrar que tudo um dia acaba, morre, se transforma, ou não se pode alcançar (se o desejo de preservar é solitário, se a crença não é a mesma).

  Como são felizes aqueles que amam, tão pura e inocentemente que não veem mais do que aquilo que se harmoniza com seu desejo de amar! E para eles o tempo pára, tudo é possível e nada falta!
  Naquele tempo não havia saudade, nem havia futuro, nem tempo para deter-se nas pequenas frustrações que começavam a acumular-se em algum lugar que ela mesma não tinha noção de onde era, nem de seu poder, mas descobriria um dia que tinham ficado lá e formaram um muro...
  Agora, ela ia devagar... tinha as mãos feridas porque tentou quebrar o muro. Conseguiu, mas agora seguiam por caminhos paralelos que já não tinham tantas flores, nem sol. Seguiam na sombra das árvores, no solo de barro úmido e um tanto frio, onde nascia apenas relva macia mas pouco densa, e onde havia pedras. Era um mundo real, tanto quanto fora o outro quando ela caminhava nas nuvens mesmo ao fincar pés no chão!
  Agora, de vez em quando ela via uma réstia de luz, e olhava para o céu azul. E então pensava que não haveria limites para quem não desistisse de sonhar, e se animava, e quase voltava a sentir aquela mesma alegria que sentem os que vivem apenas no presente porque lá está tudo de que precisam... e então seu entusiasmo começava a brotar de dentro de seu ser. Ela queria compartilhar... e estendia suas mãos, e sorria timidamente, e em seu rosto havia um quê de pedinte, de quem espera apenas um sinal em resposta para que toda a transformação pudesse se dar...ah, morava ainda em seu corpo aquela fada que ainda se sentia daquela maneira! onde estaria o desejo de amor que nos põe asas? certamente, onde Deus colocou, e na lembrança dos que amaram apaixonadamente. Ah...se o outro permitisse que ela reencontrasse aquela leveza...e às vezes ela lutava e se debatia com a loucura de gestos desencontrados que inconformados querem salvar do naufrágio o tesouro que possuem.
  Tentativa vã. Então ela sabia que não ia mais voar. Não era apenas o corpo que queria amar, era a alma. Por que carregar pedras eternamente se é possível, de vez em quando, voar verdadeiramente? E ela sabia como era bom.
   Havia o caminho, e caminhar ali era dificil, e dava trabalho, mas ainda caminhavam juntos.
 ... Algumas noites, porém, ela se retirava para uma clareira, e lá, sózinha ouvia música... e  às vezes dançava, e dançava... até se cansar. E então dormia pesadamente. No dia seguinte, havia mais caminho para seguir, e com sorte, quem sabe o sol lhe secasse as asas...

Musica: Bandolins -Oswaldo Montenegro
Texto e foto: Vera Alvarenga    

terça-feira, 25 de junho de 2013

Eu também odeio passeata quando tem confusão, mas estou aqui!

Eu também odeio passeata quando tem baderna, e estou aqui!
Sou uma pessoa normalmente calma e pacífica(exceção quando alguém mexia com meus filhos!).
 Não, não sou alienada, preguiçosa, ao contrário, sempre cumpri com meus deveres, sempre fui muito séria e responsável, desde criança, acho que é coisa de berço, mas nunca fui de participar de passeatas e, pelo meu modo de ser e tipo de sensibilidade, achava sempre melhor fazer a minha parte para cooperar com o todo e continuar com esperança. Tenho a mania de acreditar que, se cada um fizer sua parte ( ou fizesse, no caso dos políticos deste maravilhoso país), todos poderíamos ter direitos respeitados, inclusive o de ficar curtindo a família ao invés de ir às ruas reclamar pelo que outros deixaram de fazer.  Deixava sim, os protestos veementes para quem tem mais jeito para isto e pensava que estas pessoas tem mais ferramentas para fazerem um protesto alcançar seu fim. Eu tenho também minhas ferramentas para outras coisas terem êxito. Cada macaco no seu galho, ué! Mas, paciência tem limite, amor e esperança acabam se não forem alimentados...
http://www.pontodopowerpoint.com/2013/06/o-povo-acordou.html
Parabéns Yolanda pelo post, e Dea Maia pela arte digital!

 Parabéns Boechat ! É isto mesmo, NÃO AGUENTO MAIS é o grito para quem esteve tanto tempo em paz e viu esperanças frustradas!!
" Eu Odeio passeata, estou aqui" - era um dos cartazes!!
 Tentar adaptar-se e preservar a paz, não pode ser para sempre, se o fato de calar leva o outro ao abuso. Às vezes é preciso gritar, falar, mostrar que estarmos caladas não era por covardia ou ignorância, era até por idealismo,heroísmo ou esperança que foram frustradas. Então, também estou aqui!
Por que ainda precisamos gritar para conseguir respeito e viver em paz com dignidade? E ainda disseram que não havia um objetivo claro a definir a razão do protesto????
   O objetivo é sempre o mesmo quando se trata de lutar contra DOMINADORES ABUSIVOS : 
  - RESPEITO E DIGNIDADE!

Assim, quando mulheres pacíficas saem às ruas ou participam à sua maneira do protesto, é porque estão cansadas, indignadas!


Se quiséssemos USAR DO PODER para DESTRUIR, ou ABUSAR, seríamos iguais aos que superfaturam as obras públicas ou a todos os que ABUSAM dos que são generosos e querem apenas viver em paz, cumprindo com suas obrigações. Não! Não somos baderneiras, ou contestadoras  estamos "cobrando" apenas o que nos cabe por direito, como uma mulher COBRA de seu homem o respeito que a ela é devido! E é o homem covarde e dominador que vem com aquela história de que NÃO DEVEMOS "COBRAR" , porque eles sim, são comodistas e querem continuar na deles, como se fosse possível viver sem apoios. Dependemos uns dos outros e a harmonia também depende de cooperação dos dois lados!!! E estamos lutando mais uma vez por um mundo melhor para nossos filhos... e netos... eu temo revoluções exatamente por eles, pois são sempre os nossos jovens os sacrificados, por isto me rebelo agora, para que eles não se sintam sozinhos, para que eles possam viver num país com mais Justiça e MENOS CORRUPÇÃO IMPUNE !!!  Vera



 http://4.bp.blogspot.com/-DFEgVXJYIwQ/UcjQu54jysI/AAAAAAAAGi4/N4hjokpjYm0/s400/deixa_eu_dizer_red.png

domingo, 16 de junho de 2013

O trem não espera...

 
 Acabo de ler um texto muito bom de Paulo Roberto Gaefke que uma amiga postou. Fala de viagens, e malas...
  Sou aquele tipo de pessoa que precisa de tempo para se preparar para uma viagem - gosto mesmo de arrumar a mala com antecedência, embora sempre tenha tido bom humor com a vida, o que me fazia muito disposta para viajar. Bom humor é fundamental tanto para nós como para a pessoa que temos como acompanhante. Paciência, jogo de cintura, disposição para fazer dar certo apesar dos contratempos, também.
  Agora que estou mais velha, reconheço que ando meio comodista, cansada mesmo de tanta agitação e tanto mau humor com o qual, muitas vezes, tenho me deparado. Confesso que muitas vezes, ultimamente, me sinto  insegura e se alguma viagem não acontece por algum motivo, acabo pensando que foi bom, sinto até certo alívio.
  A vida é uma viagem, como nos diz Paulo em seu texto. E há alguns momentos na vida em que até ouço o apito do trem. Neste instante, sei que, se me demorar para decidir e não arrumar uma mala básica, o trem não vai me esperar.
  Em minha vida houve momentos assim. Eu arrumei a mala e decidi seguir aquela grande viagem - foram os momentos "de virada" em minha vida. Grandes mudanças, fortes momentos, com suas consequências e encantamentos. A última grande viagem foi quando disse ao meu marido..."estou ouvindo o apito do trem e sinto que devo ir. Vem comigo ou vai ficar por aqui?" E fomos, para conviver de novo com parte da família. E deu certo, e minha alma foi renovada com a brisa do amor, da ternura, do sentimento de cumplicidade e companheirismo dos quais eu sentia falta.
  Nem sempre a gente pode partir para uma nova viagem. Ainda bem, pois para mim, agora, é mais seguro ficar. A idade nos torna cuidadosos, mesmo que em muitos momentos ainda nos atrevamos a sonhar com alguém a nos convidar para a melhor viagem de nossa vida! Mais velhos, somos cuidadosos, mas ainda sonhamos!
  Apesar dos cuidados, há momentos em que é necessário partir para renovar o ar que se respira e recomeçar com nova disposição e possibilidades. Não me arrependo de meu espírito aberto para atender a intuição e chamado para as viagens que fiz. De qualquer modo, sempre que vou ou fico, minha alma procura pelas melhores paisagens e cantinhos onde eu possa me aconchegar - minha mãe dizia que sou muito conformada - não! apesar de comodista, acho que sou uma lutadora e faço tudo para, da minha maneira calma, conseguir encontrar o que me impeça de esquecer a ternura e sentimento de encantamento pela vida. Pois sei bem que não é fácil viver. É preciso ter coragem para mudar ou saber adaptar-se ao entorno. E, peço a Deus que sempre me permita ter boas intuições, ouvido atento ao apito do trem, e ainda a benção de uma boa companhia para as viagens, pois se há algo que acho um desperdício, é fazer uma bela viagem sem ter com quem compartilhar, com alegria serena e bom humor, os bons momentos que são bençãos mas não são eternos......

Foto retirada do Google imagens
Texto: Vera Alvarenga
E Texto de Paulo Roberto postado pela amiga Sissym :
 http://masquerade-sissym-blog.blogspot.com.br/2013/06/a-grande-viagem-e-mala-pequena.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+blogspot/NmNNk+(Masquerade)

sábado, 8 de junho de 2013

O amor daquele tempo...



- Como era bom fazer amor não se importando com os sons, com a hora, com o lugar da casa onde a vontade e o inesperado combinassem de se encontrar! pensou, lembrando do tempo em que seu amor vivia com ela.
   Mariana lembrou-se daquela época, logo depois que os filhos casaram. A previsão era de que viria o tempo do ninho vazio, de dificuldades para se adaptar com o marido trabalhando em casa. Entretanto, tudo era como sempre fora com ela, uma questão de ponto de vista. Era uma questão de escolher o ângulo melhor para se olhar, como ela fazia com suas esculturas. Deste modo, foram descobrindo o gostinho da liberdade, mesmo apesar de tudo o mais, da maresia, ventanias ou temporais.            E o redescobrir o mundo e fazer planos somente para eles, era algo tão novo que causava-lhe uma intrigante sensação de desafio e aventura a encarar. E havia o amor, muito amor. Somente isto ajudava a preencher o vazio do qual todos falavam e a encher de vida, uma vida que tinha muito ainda a desbravar.  
- Ah o amor!...
  Como era bom amar assim...e quando se ama, se tem a certeza de ter o céu tão próximo que quase é possível tocar! E tudo era uma questão de sentir e acreditar que aquele era o único ângulo possível. Quando se é jovem e o sangue esquenta a pele ao leve toque da barba por fazer e do beijo inesperado no pescoço, tudo acontece tão depressa, naquele instante os problemas desaparecem tão rapidamente, e o mundo passa a ser um lugar do qual nos ausentamos para aquele encontro com alguém, por quem vale a pena fazer planos para se viver.
- Ah! O amor!... e olhando para aquele objeto antiquado na estante, virou-o. Ficou a olhar a areia escorrer por ele, enquanto suas recordações a levaram para dias distantes... lá, muito atrás no tempo, este objeto servira para contar a passagem dos minutos enquanto a areia escorria por entre o vidro.
  Ah! O amor!... o amor daquele tempo em que a maturidade começava a tecer a trama que  leva fatalmente a  perceber o valor das coisas, e do que não são coisas simplesmente. E mesmo assim, ela ainda se sentia tão jovem, cheia do mais puro idealismo, da mais doce paixão.
- Não escorrestes por minhas mãos, sem que eu percebesse que és feito também do mais fino e puro ouro... que és uma dádiva do nosso próprio coração não só ao outro, mas a nós mesmos...

Foto e texto: Vera Alvarenga

quarta-feira, 5 de junho de 2013

A mulher da floresta...

   
  Havia uma mulher estranha, outrora bela, que hoje morava numa floresta. No interior do tronco de uma árvore muito antiga.
Por muitos anos, todas as manhãs abria sua janela para receber a luz do sol e ouvia o canto dos passarinhos que ali viviam. Ela os alimentava com o melhor que lhes podia oferecer. Então era feliz e achava que o sol brilhava um pouquinho também por ela, e que os pássaros também cantavam um pouco para ela, embora soubesse que era da natureza de cada um, fazer o que fazia.
   E ao preparar seu café da manhã, uma poção que tomava todos os dias, misturava suas coisas com a dos outros... 
   Assim, acrescentava um pouco do brilho do sol e algumas notas de um pássaro em especial em sua receita. Como se faz com vinhos ou perfumes, estas "notas", ela pensava, na medida exata, eram o que a fazia sorrir e enfrentar tudo o que o mundo lá fora trazia como desafio, tudo que pudesse de algum modo interagir com sua sensibilidade e jeito próprio de viver sua vida. Era no que acreditava. E ela se sentia forte e cheia de amor.
   O tempo foi passando e quase todos os passarinhos voaram para outros mundos. Um inverno mais rigoroso chegou, ela não se sentia tão forte e o sol não brilhava mais como antes. Nem o chá de maçã, vinho e canela bem quente podia aquecê-la como outrora. Ela pensou que ia morrer de frio e desânimo, sem a poção com a tal receita que tomara por tanto tempo. Já não abria mais sua janela para não congelar-se.
   Um dia, o vento inesperado abriu a tranca... o sol entrou... e ouvindo o canto de um novo pássaro, seu coração encheu-se de amor. E ela, que já não sorria, voltou a fazê-lo toda vez que ouvia a canção. 
   E novamente se pôs a misturar tudo - as suas coisas, o brilho do sol que para ela representava vida, e o canto do pássaro, que para ela era a inspiração que, como um sopro morno, esquentava-lhe a alma.
   Sem saber se cometia o mesmo erro ou se era próprio da vida, constatou que o amor que a sustentava, não podia brotar eternamente apenas da sua fonte interior. Para encher-se de amor, era preciso mais - o sol e o canto de um pássaro raro que lhe tocasse a alma, como amigo. E quando aconteceu, embora não tivesse a mesma coragem de antes, ao sair para fora, já não a incomodavam mais as buzinas, o trânsito, as injustiças, as grosserias e seu próprio medo, fruto de um tempo em que viveu reclusa e não se importou por faltar-lhe o alimento que a deixava saudável e forte. 
   O tempo passou. Ela já sabia que não bastava a sua capacidade de amar e seus próprios sentimentos, para encher-se de amor. O brilho do sol, no céu, era para todos, e brotava-lhe também incontrolavelmente do coração, quando estava feliz. Contudo, não podia fazer o pássaro cantar para si. Com medo que o pássaro fosse embora para nunca voltar, prometeu, a si mesma, tentar não misturar mais as coisas, esquecer aquela poção cuja magia transformava o mundo. Logo percebeu que repetia o que antes fizera - tentava agradar para receber amor. Talvez fosse o que todos fizessem, afinal de contas!
   Contudo compreendeu que seus sentimentos, se não compartilhados, eram apenas seus. Tomou posse deles e de seus desejos e descobriu que jamais poderia voltar a sentir-se segura e plena de amor como antes. Ninguém pode, quando perde a receita do amor. Entretando, há várias formas de amar e viver, quando se consegue manter os olhos atentos.  
   Mas em noites de lua cheia, ela ainda se deixava levar... tomava um líquido de sabor acridoce e, em pouco segundos, sentia nascerem-lhe as asas.... e sonhava que era ainda uma das mais belas e felizes mulheres aladas... e se deitava nos ombros do homem amado e adormecia embalada por sua respiração...

foto e texto: Vera Alvarenga

Clic para compartilhar com...

Compartilhe, mas mantenha minha autoria, não modifique,não uso comercial

 
BlogBlogs.Com.Br
diHITT - Notícias